Variações no DNA parecem alterar os riscos de câncer de mama!

Uma análise de estudos genéticos cobrindo 266.000 mulheres revelou 32 novos locais no genoma humano, onde variações no DNA parecem alterar os riscos de câncer de mama. Os autores principais e principais do estudo incluíram pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg. Pensa-se que os resultados sejam os primeiros a vincular essas variantes de risco a múltiplos subtipos detalhados de câncer de mama.

Os riscos de câncer de mama

A nova análise, utilizou os dados coletados pelo Breast Cancer Association Consortium, de Cambridge, com base em mais de 100 estudos sobre câncer de mama realizados nos últimos 15 anos, principalmente entre mulheres de ascendência européia. A análise incluiu novos métodos que permitem identificar variantes de DNA que apresentam efeitos heterogêneos entre subtipos, como Luminal-A e triplo negativo, que podem ser definidos por várias características do tumor.

A pesquisa foi realizada em colaboração com pesquisadores de um grande número de instituições, incluindo o Instituto Nacional do Câncer nos EUA, a Escola de Saúde Pública TH Chan da Universidade de Harvard, Universidade de Cambridge, Universidade de Cambridge e Instituto de Câncer da Holanda.

Estudos genéticos anteriores nesse campo analisaram apenas os riscos de câncer de mama em geral, ou de conjuntos de subtipos relativamente simples, como câncer de mama positivo para receptor de estrogênio versus câncer de mama negativo para receptor de estrogênio. Avaliar o risco de subtipo de câncer de mama de maneira mais abrangente há muito tempo é um objetivo dos pesquisadores de câncer, porque esses subtipos – que incluem os subtipos agressivo triplo-negativo e BRCA1 – geralmente variam tremendamente nos riscos de longo prazo que representam para a vida e a saúde dos pacientes.

“As descobertas desta análise aprimoram nossa compreensão da biologia que diferencia subtipos e podem melhorar nossa capacidade de prever riscos de câncer de mama em mulheres, mesmo no nível de subtipo específico de câncer de mama”, diz Nilanjan Chatterjee, Professor Distinto da Bloomberg no Departamento de Bioestatística da Bloomberg School e o autor correspondente do artigo.

A cada ano, mais de 250.000 mulheres nos Estados Unidos são diagnosticadas com câncer de mama e mais de 40.000 morrem por causa delas. Antes da nova análise, os pesquisadores haviam identificado, em todo o genoma, mais de 170 variantes genéticas ou outras variantes de DNA que parecem aumentar – ou, em alguns casos, menor – os riscos de contrair esse tipo de câncer.

“Cada uma dessas variantes tem um pequeno efeito aparente no risco de câncer de mama e pode haver um efeito substancial quando uma pessoa tem uma combinação delas”, diz Chatterjee.

Os pesquisadores procuraram identificar esses fatores de risco da maneira mais abrangente possível, para que as mulheres possam ser informadas com antecedência sobre suas chances prováveis ​​de desenvolver câncer de mama e podem ser rastreadas com mais frequência caso o risco pareça alto.

Para esse fim, a nova análise revisou um dos maiores conjuntos de dados de todos os tempos dos estudos genéticos do câncer de mama. Também envolveu a aplicação de novas ferramentas para vincular variantes de DNA a subtipos específicos de câncer de mama, definidos, por exemplo, pela presença de diferentes receptores na superfície das células cancerígenas, pelo “grau” de câncer – uma métrica baixa / intermediária / alta da potencial de disseminação do tumor – e por combinações comuns de tais fatores.

Ao todo, a análise identificou 32 novas variantes de risco para câncer de mama em geral. Destas, 15 variantes também foram ligadas independentemente a um ou mais subtipos específicos de câncer de mama. Sete dos 15 estavam ligados ao status do receptor de estrogênio, sete ao grau do tumor, quatro ao status do receptor HER2 e dois ao status do receptor de progesterona.

As descobertas ajudam a expandir o entendimento científico da arquitetura genética do câncer de mama e, em princípio, permitem que os oncologistas calculem pontuações de risco mais precisas e potencialmente específicas ao subtipo para mulheres com base nas combinações de variantes que possuem.

A pesquisa também pode levar a novas descobertas sobre as vias biológicas subjacentes que levam ao câncer. Os cientistas podem acompanhar as novas descobertas explorando como cada variação de DNA ligada ao risco – algumas dentro de genes conhecidos, outras em trechos de DNA que não têm função conhecida – afeta a atividade dos genes e as redes de sinalização nas células.

Variações no DNA parecem modificar os riscos de câncer de mamaÉ importante notar que cinco das variantes de risco específicas ao subtipo recém-descobertas estão ligadas a um risco maior de alguns subtipos de câncer de mama, mas a um risco menor de outras.

“Essas variantes são especiais e, se acompanhadas adequadamente, podem levar a insights importantes sobre a biologia desses subtipos de câncer de mama”, diz Chatterjee.

Agora, ele e seus colegas esperam confirmar e expandir suas descobertas em análises futuras, abrangendo populações maiores e mais etnicamente diversas de pacientes com câncer de mama.

 

_______________________________

Os detalhes do estudo foi publicado em 18 de maio na Nature Genetics.

* “Genome-wide association study identifies 32 novel breast cancer susceptibility loci from overall and subtype-specific analyses” – 2020.

Autores do estudo: Haoyu Zhang, Thomas U. Ahearn, Montserrat García Closas – 10.1038 / s41588-020-0609-2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.