Estudo: o sono interrompido pode aumentar o risco de derrame!

A interrupção do sono demonstrou estar associada a um risco aumentado de aterosclerose, mas o mecanismo não é claro. Um novo estudo de Raphael Vallat, Vyoma Shah e Matthew Walker, da Universidade da Califórnia em Berkeley, EUA, e colegas, revela que o sono fragmentado exacerba a aterosclerose e pode aumentar o risco de derrame por um efeito nas vias inflamatórias. Esses resultados fornecem um mecanismo para explicar a observação de longa data de que o sono ruim aumenta o risco de doenças cardíacas e derrames e sugere maneiras simples e diretas de reduzir esse risco.

Maior risco de derrame

Para testar se o efeito pode ser devido em parte ao aumento da sinalização inflamatória, os autores mediram a interrupção do sono por meio da polissonografia do laboratório do sono e de um simples detector de movimento usado no pulso durante várias noites (actigrafia). Eles usaram a contagem padrão de células sanguíneas para medir os níveis de neutrófilos e monócitos, dois tipos de glóbulos brancos responsáveis ​​pela condução de vias inflamatórias.

Eles descobriram que a fragmentação do sono, medida pela actigrafia, previa contagens mais elevadas de neutrófilos (mas não monócitos) e maior cálcio da artéria coronária, uma medida da patologia da aterosclerose. Usando um método estatístico conhecido como análise de mediação, eles mostraram que a influência da fragmentação do sono no cálcio da artéria coronária era mediada pelo aumento de neutrófilos; em outras palavras, sono ruim levou a um aumento de neutrófilos, o que, por sua vez, levou a um aumento na aterosclerose.

A influência da interrupção do sono nos neutrófilos e na aterosclerose permaneceu significativa após contabilizar vários contribuintes conhecidos da doença arterial, incluindo idade, sexo, etnia, índice de massa corporal, tabagismo, pressão arterial e outros fatores.

Os resultados

Uma associação semelhante foi encontrada para a interrupção do sono medida pela polissonografia, embora não tenha sido tão robusta, permanecendo significativa após a correção de alguns, mas não de todos os colaboradores, uma diferença que os autores sugerem pode ser devido à menor duração da polissonografia (uma única noite) versus actigrafia (uma semana).

O sono interrompido pode aumentar o risco de derrame

Não foi encontrada associação para sono ruim relatado subjetivamente, no qual os indivíduos foram solicitados a recordar a qualidade do sono, um achado que sugere que perguntar aos pacientes sobre o sono pode não ser uma ferramenta útil para avaliar seu risco de doença cardíaca relacionado ao sono.

“Melhorar o sono pode oferecer uma nova maneira de reduzir a inflamação e, assim, reduzir o risco de aterosclerose. Essas descobertas podem ajudar a informar diretrizes de saúde pública que buscam aumentar a continuidade do sono como uma maneira de melhorar a saúde e diminuir a carga de doenças cardíacas na sociedade”, disse Walker.

 

_____________________________

O estudo completo com seus resultados foram publicados na revista PLOS Biology.

* “Broken sleep predicts hardened blood vessels” – 2020.

Autores do estudo: Raphael Vallat ,Vyoma D. Shah ,Susan Redline,Peter Attia,Matthew P. Walker – 10.1371/journal.pbio.3000726

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.