Adição de carboplatina na terapia para meduloblastoma pediátrico

A intensificação da terapia com a adição de carboplatina foi considerada benéfica para um subgrupo particular de meduloblastoma pediátrico de alto risco, mostraram os resultados de um ensaio clínico de fase III.

Entre crianças e adultos jovens com meduloblastoma de alto risco recebendo radioterapia cranioespinhal mais vincristina, a taxa de sobrevida livre de eventos (EFS) em 5 anos foi de 66,4% para aqueles que trataram com carboplatina, em comparação com 59,2% para aqueles que não o fizeram, a vantagem não significativa, relatou Sarah Leary, MD, do Cancer and Blood Disorders Center no Seattle Children’s, e colegas.

Mas em pacientes com meduloblastoma do grupo 3 de alto risco, a adição de carboplatina melhorou a taxa de EFS de 53,7% para 73,2% em 5 anos. A taxa de sobrevida global (SG) em 5 anos para essa população foi de 63,7% sem carboplatina e 82,8% com ela, de acordo com os achados do JAMA Oncology.

No entanto, essa terapia intensificada veio com aum ento da toxicidade, particularmente efeitos hematológicos, como trombocitopenia e neutropenia febril, bem como efeitos neurocognitivos.

“Portanto, é apropriado evitar a intensificação da terapia em grupos de pacientes que não deveriam se beneficiar, especificamente naqueles com WNT [via de sinalização ativada], SHH [via de sinalização ativada] e meduloblastoma do grupo 4”, escreveram os autores.

“Com base nos resultados deste ensaio clínico prospectivo randomizado, o tratamento simultâneo com carboplatina durante a radioterapia é recomendado para pacientes pediátricos com meduloblastoma de alto risco do grupo 3 e não recomendado em outras populações”, Leary e colegas concluíram, acrescentando que “uma integração rápida e abrangente o diagnóstico molecular é necessário para a estratificação de risco de meduloblastoma.”

A toxicidade adicional da intensificação da terapia ressalta a importância de identificar corretamente os pacientes que se beneficiarão da terapia, a fim de evitar sofrimento desnecessário, disse Allison Martin, MD, do Albert Einstein College of Medicine na cidade de Nova York, e Sadhana Jackson, MD, do National Cancer Institute em Bethesda, Maryland, em um comentário.

O estudo “nos dá vislumbres de esperança para a sobrevivência de crianças com meduloblastoma de alto risco do grupo 3 e que o paradigma de tratamento para todos os pacientes com doença de alto risco pode ser melhorado por meio da incorporação de análises moleculares detalhadas”, escreveram Martin e Jackson.

Meduloblastoma é o tipo mais comum de tumor cerebral cancerígeno em crianças (idade média de 8 anos), mas a maioria dos pacientes pode ser curada com uma combinação de tratamentos, incluindo ressecção neurocirúrgica, radiação cranioespinhal e quimioterapia combinada. No entanto, Leary e colegas apontaram que existem poucas opções terapêuticas em caso de recidiva. “A avaliação das intervenções terapêuticas para prevenir a recaída é garantida”, observaram.

Detalhes do estudo

O estudo multi-institucional do Grupo de Oncologia Infantil avaliou a intensificação da terapia com carboplatina como radiossensibilizador e isotretinoína como agente pró-apoptótico em pacientes de 3 a 21 anos com meduloblastoma de alto risco recém-diagnosticado (doença metastática, características histológicas anaplásicas difusas ou ressecção cirúrgica incompleta definida como tumor residual maior que 1,5 cm2) de março de 2007 a setembro de 2018.

Os pacientes foram randomizados para receber radioterapia cranioespinhal de 36 Gy e vincristina semanal com ou sem carboplatina diária seguida por 6 ciclos de quimioterapia de manutenção com cisplatina, ciclofosfamida e vincristina com ou sem 12 ciclos de isotretinoína durante e após a manutenção.

Este estudo foi inicialmente desenvolvido para avaliar o meduloblastoma como uma doença única. Foi alterado posteriormente, no entanto, para incluir uma análise de subgrupo molecular de acordo com os subgrupos moleculares de consenso da Organização Mundial da Saúde (WNT, SHH, grupo 3 e grupo 4). O endpoint primário era o EFS.

O estudo incluiu 294 pacientes, 261 (idade mediana de 8,6 anos, 70% do sexo masculino) dos quais foram avaliados após revisão radiológica e patológica central. Desses pacientes, 189 (72%) tinham doença metastática, 58 (22%) anaplasia difusa e 14 (5%) tinham doença residual maior que 1,5 cm².

Para todos os pacientes, as taxas de EFS e SG em 5 anos foram 62,9% e 73,4%, respectivamente.

A randomização da isotretinoína foi interrompida quando foi determinado que não levaria a diferenças significativas na EFS.

______________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Oncology

“Efficacy of Carboplatin and Isotretinoin in Children With High-risk MedulloblastomaA Randomized Clinical Trial From the Children’s Oncology Group” – 2021

Autores do estudo: Sarah E. S. Leary, MD; Roger J. Packer, MD; Yimei Li, PhD; Catherine A. Billups, MS; Kyle S. Smith, PhD; Alok Jaju, MD; Linda Heier, MD; Peter Burger, MD; Karin Walsh, PsyD; Yuanyuan Han, PhD; Leanne Embry, PhD; Jennifer Hadley, MSc; Rahul Kumar, PhD; Jeff Michalski, MD; Eugene Hwang, MD; Amar Gajjar, MD; Ian F. Pollack, MD; Maryam Fouladi, MD; Paul A. Northcott, PhD; James M. Olson, MD, PhD – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.