Reposição enzimática pancreática em pacientes com fibrose cística

Das pessoas com fibrose cística (FC), entre 80% e 90% fazem terapia com reposição enzimática pancreática (PERT) porque o pâncreas não consegue produzir as enzimas necessárias para digerir os alimentos. Como resultado dessa deficiência, as crianças podem deixar de ganhar peso e prosperar, enquanto os adultos podem perder peso e ficar desnutridos, pois não absorvem vitaminas adequadamente.

Em pessoas com FC, a desnutrição está ligada a problemas de saúde geral, doenças pulmonares mais graves e menor expectativa de vida. Se o pâncreas não produz enzimas suficientes, as pessoas com FC também podem experimentar movimentos intestinais dolorosos, frequentes, volumosos e ofensivos. O PERT é necessário para ajudar a ganhar peso, prevenir a desnutrição e evitar algumas deficiências vitamínicas, além de controlar os sintomas intestinais.

Objetivo do estudo

Os autores focaram em revisar as evidências do quão eficiente é a terapia de reposição enzimática pancreática para a superação da deficiência enzimática em pessoas com fibrose cística e se existem efeitos adversos.|

Características do estudo

Foram avaliados 14 estudos (641 adultos e crianças com FC), 13 ensaios deram tratamento por quatro semanas e um por sete semanas. Os ensaios compararam diferentes formulações de PERT, algumas foram tratadas para retardar a liberação do medicamento até que passassem do estômago para o intestino, enquanto outras não.

Em 12 ensaios, os participantes tomaram os dois tipos de suplementos por quatro semanas cada, embora a ordem em que os tomaram fosse aleatória. Esses fatores dificultaram a análise dos resultados dos estudos. A maioria dos julgamentos era antiga, o mais recente foi de 2017, mas o mais antigo era de 1986.

Principais resultados

Não há certeza se alguma formulação PERT é melhor que outra para melhorar qualquer um dos resultados mais importantes (peso, altura ou índice de massa corporal). Em dois ensaios (41 participantes), aqueles que tomaram microesferas de liberação retardada (cápsulas de medicamentos em miniatura) tinham menos gordura nas fezes do que aqueles que tomavam comprimidos de liberação retardada (tamanho normal), além disso eles também tinham menos dor abdominal e não precisavam ir ao banheiro com tanta frequência.

Em um estudo diferente (12 participantes), aqueles que tomaram microesferas de liberação retardada também tiveram menos gordura nas fezes do que aqueles que tomaram suplementos de liberação retardada. Também foi descoberto que em um grande estudo (128 participantes), as pessoas que tomaram o PERT não feito de enzimas animais tiveram menos gordura nas fezes do que aquelas que tomaram o PERT feito de enzimas de porco.

Não foi encontrada diferença entre nenhuma das diversas formulações PERT para quaisquer outros sintomas intestinais (por exemplo, dor abdominal, flatulência, constipação), qualidade de vida, efeitos colaterais ou qualquer medida de doença pulmonar. Nenhum dos estudos relatou o número de dias no hospital ou a incidência de deficiência de vitaminas.

Os autores também não acharam nenhuma evidência sobre diferentes níveis de dose de PERT necessários para pessoas que produzem diferentes níveis de enzimas pancreáticas, no melhor momento para iniciar o tratamento ou para a quantidade de suplementos com base nas diferenças no tipo de alimento consumido e no tamanho das refeições. É necessário um teste adequadamente projetado para responder a essas perguntas.

Qualidade da evidência

Foi constatado que a qualidade das evidências para os diferentes resultados é moderada, na melhor das hipóteses, mas geralmente muito baixa.

Não existe certeza de que os participantes tenham chances iguais de serem colocados nos diferentes grupos de tratamento, pois os estudos não forneceram detalhes sobre como as decisões foram tomadas. Em vários ensaios, um grande número de participantes desistiu e as razões para isso muitas vezes não foram apresentadas.

Na maioria dos estudos, as pessoas fizeram um tratamento por quatro semanas e depois trocaram para o tratamento alternativo. Esse design significa que os resultados podem parecer mais consistentes do que realmente são quando foram analisados.

Os únicos resultados nos quais foi possível combinar foram dois dos ensaios investigados. Finalmente, vários estudos não relataram completamente suas descobertas de uma maneira que os autores pudessem analisar na revisão.

Conclusão dos autores do estudo

Há evidências limitadas de benefício das microesferas com revestimento entérico quando comparadas às preparações de enzimas pancreáticas com revestimento não entérico até um mês.

Na única comparação em que foi possível combinar dados, o fato de serem ensaios cruzados provavelmente subestima o nível de inconsistência entre os resultados dos estudos devido à inflação excessiva de ICs dos ensaios individuais sobre a eficácia e os riscos a longo prazo associados ao PERT.

Também não há evidências sobre as dosagens relativas de enzimas necessárias para pessoas com diferentes níveis de gravidade de insuficiência pancreática, tempo ideal para iniciar o tratamento e variações baseadas nas diferenças nas refeições e no tamanho das refeições. É necessário um teste adequadamente projetado que possa responder a essas perguntas.

__________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Pancreatic enzyme replacement therapy for people with cystic fibrosis” – 2020

Autores do estudo: Usha Rani R Somaraju, Arturo Solis-Moya – 10.1002/14651858.CD008227.pub4

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.