Prostatectomia assistida por robô pode ser o método mais seguro

A prostatectomia radical assistida por robô (RARP) foi associada a menos complicações cirúrgicas em comparação com a prostatectomia aberta ou laparoscópica, descobriu um estudo de coorte de base populacional em Taiwan.

Entre mais de 1.400 pacientes submetidos à prostatectomia radical em 2015, aqueles tratados com RARP eram menos propensos a precisar de transfusões de sangue em comparação com aqueles que receberam prostatectomia radical laparoscópica ou prostatectomia radical aberta, relatou Chung-Chien Huang, PhD da Universidade Médica de Taipei em Taiwan, e colegas.

“Até onde sabemos, este estudo é o primeiro na Ásia a mostrar que o RARP tem o menor risco de transfusão de sangue”, escreveram os autores no JAMA Network Open. “Nosso estudo é valioso porque os resultados cirúrgicos são diferentes entre os países ocidentais e orientais devido às diferentes anatomias pélvicas, o que resultou em diferentes desafios na prostatectomia radical entre pacientes asiáticos e brancos com câncer de próstata.”

No estudo, os pacientes RARP também tiveram me nor chance de sentir dor moderada a intensa no dia 1 e na semana pós-operatória em relação ao ORP. E em comparação com LRP, receber RARP resultou em menor chance de dor moderada nas semanas 1 e 12, e menor chance de dor intensa no dia 1 e semana pós-operatória.

Os pacientes que receberam RARP tiveram estadias mais curtas no hospital em comparação aos receptores de ORP e LRP).

Três anos após a cirurgia, os receptores de RARP tiveram menor chance de hérnia, disfunção erétil e incontinência urinária em comparação com ORP e LRP, respectivamente:

  • Hérnia: aORs de 0,51 e 0,82
  • Disfunção erétil: aORs de 0,74 e 0,60
  • Incontinência urinária: aORs de 0,93 e 0,60

Os resultados devem informar a prática clínica e estudos prospectivos, disse Huang e colegas.

“Como aqueles que o precederam, o presente estudo provavelmente será citado pelos defensores da RARP como mais uma prova de sua superioridade e simultaneamente rejeitado ou ignorado por um número cada vez menor de céticos”, escreveu Jeffrey Howard, MD e PhD da University of Texas Southwestern Medical Center em Dallas, em um comentário que acompanha o estudo. “Em países como os Estados Unidos, onde a RARP já domina, tais argumentos são cada vez mais discutíveis. No entanto, a questão permanece pertinente em países e sistemas de saúde onde a cirurgia assistida por robótica ainda não é a norma, particularmente aqueles com recursos financeiros limitados.”

Howard disse que as descobertas sobre a dor pós-operatória foram de particular relevância, dado o risco crescente de danos causados ​​pelo uso de narcóticos após a cirurgia.

A RARP foi criticado por uma variedade de razões, observou ele, como os custos iniciais do equipamento, e ele apontou que os estudos sobre custo-efetividade versus cirurgia aberta são mistos. “As evidências suger em que, como para qualquer tecnologia cara que precisa justificar seu próprio custo de aquisição, a mera disponibilidade do robô fez com que ele fosse apresentado aos pacientes como uma opção superior, reforçando ainda mais seu uso independentemente de qualquer benefício clínico”, ele escreveu.

No entanto, Howard também apontou que a RARP se tornou essencialmente o padrão de atendimento em grande parte do mundo de alta renda, com RARP sendo responsável por até 90% das prostatectomias radicais nos EUA, e ele sugeriu que este “novo consenso provavelmente reflete o cumulativo experiência de vários urologistas que acreditam que a abordagem robótica torna a operação mais fácil, menos sangrenta e menos mórbida. ”

Detalhes do estudo

Para seu estudo, Huang e colegas incluíram pacientes inscritos no Registro de Câncer de Taiwan que foram diagnosticados com câncer de próstata ressecável e foram submetidos a uma prostatectomia radical em 2015. Esses pacientes foram acompanhados até 31 de dezembro de 2018.

Dos 1.407 pacientes no estudo, 58% foram submetidos a RARP, 22% ORP e 19,6% LRP. O seguimento médio foi de 36,7 meses. Não houve diferenças estatisticamente significativas na idade do paciente, estágio clínico T, estágio T patológico, escore de Gleason, grupo de grau de Gleason, concentração de PSA pré-operatória, classificação de risco D’Amico ou nível hospitalar entre os grupos.

Não foram observadas diferenças significativas em termos da quantidade de sangue durante as transfusões entre os três procedimentos, com os pacientes submetidos a ORP, LRP e RARP com volumes médios (SD) de 914,5 (927,0) mL, 750,0 (893,3) mL e 766,9 ( 978,1) mL, respectivamente.

______________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network

“Comparison of Acute and Chronic Surgical Complications Following Robot-Assisted, Laparoscopic, and Traditional Open Radical Prostatectomy Among Men in Taiwan” – 2021

Autores do estudo: Szu-Yuan Wu, MD, MPH, PhD; Chia-Lun Chang, MD; Chang-I Chen, PhD; Chung-Chien Huang, PhD – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.