Nova tecnologia melhora a detecção de fibrilação atrial após AVC!

Um novo método de avaliação de batimentos cardíacos irregulares superou a abordagem atualmente usada amplamente em unidades de AVC para detectar casos de fibrilação atrial.

A nova tecnologia para fibrilação atrial

A tecnologia chamada eletrocardiomatrix, vai além da telemetria cardíaca padrão, examinando grandes quantidades de dados de telemetria de uma forma tão detalhada que é impraticável para cada clínico.

Entre os pacientes com AVC com dados utilizáveis ​​(260 de 265), o eletrocardiomatriz foi altamente preciso na identificação daqueles com arritmia (batimento cardíaco irregular ou trêmulo).

“Nós validamos o uso da nossa tecnologia em um cenário clínico, descobrindo que o eletrocardiomatriz era um método preciso para determinar se um sobrevivente de derrame tinha uma arritmia”, disse o Dr Jimo Borjigin, co-inventor e professor associado de neurologia e fisiologia molecular e integrativa da Michigan Medicine.

Uma métrica crucial

Nova tecnologia na detecção de fibrilação atrial após AVC

Após um derrame, os neurologistas são encarregados de identificar quais fatores de risco podem ter contribuído para fazer todo o possível para evitar outro evento. Isso faz com que a detecção de batimentos cardíacos irregulares seja uma preocupação urgente para esses pacientes.

Fibrilação atrial é um fator de risco muito importante e modificável para acidente vascular cerebral. É importante ressaltar que o método de identificação de eletrocardiomatriz foi altamente preciso para os 212 pacientes que não tinham histórico de arritmia. Ela diz que esse grupo é clinicamente mais relevante, devido à importância de determinar se os pacientes com AVC já não foram detectados antes da arritmia.

Quando um paciente tem arritmia, seu batimento cardíaco irregular pode levar à coleta de sangue no coração, o que pode formar um coágulo causador de derrame. Muitos anticoagulantes diferentes estão no mercado hoje, tornando mais fácil para os médicos obterem os pacientes com um anticoagulante que tomarão como indicado.

A parte mais importante é determinar a presença da arritmia em primeiro lugar.

Melhoria muito necessária

O Dr Borjigin diz que os desafios persistem na detecção de arritmia intermitente durante a hospitalização por acidente vascular cerebral.

“Uma identificação mais precisa do Afib deve se traduzir em mais derrames evitados”, disse ele.

Uma vez hospitalizado na unidade de AVC, os pacientes são normalmente colocados em monitoramento contínuo do ritmo cardíaco. Os neurologistas de AVC querem detectar possíveis arritmias intermitentes que a monitoração inicial, como um eletrocardiograma.

Porque um médico não pode razoavelmente rever cada batida do coração, a tecnologia de monitoramento atual sinaliza as taxas cardíacas que são muito altas, disse Borjigin. O neurologista, em seguida, analisa esses eventos sinalizados, o que, segundo os pesquisadores, poderia levar a algumas ocorrências ausentes de arritmia, ou falsos positivos em pacientes com diferentes problemas de ritmo cardíaco.

Em contraste, o eletrocardiomatriz inventado pelo Dr Borjigin converte sinais bidimensionais do eletrocardiograma em um mapa de calor tridimensional que permite uma rápida inspeção de todos os batimentos cardíacos coletados, detectando assim casos de fibrilação atrial. Borjigin diz que este método permite a detecção rápida, precisa e intuitiva de arritmias cardíacas. Também minimiza a detecção de falsos positivos e falsos negativos de arritmias.

“Originalmente, anotamos cinco falsos positivos e cinco falsos negativos no estudo, mas a revisão de especialistas descobriu que a eletrocardiomatriz estava correta em vez da documentação clínica à qual estávamos comparando”, diz Borjigin.

Mais aplicações

Eletrocardiomatriz para detectar fibriação atrial

O laboratório de Borjigin também demonstrou recentemente a utilidade do eletrocardiomatriz para diferenciar entre arritmia e flutter atrial. Além disso, o laboratório demonstrou a capacidade do eletrocardiomatriz de captar a variabilidade da frequência cardíaca em pacientes em tratamento intensivo.

Borjigin diz acredita que a tecnologia do eletrocardiomatrix será usada um dia para auxiliar na detecção de todas as arritmias cardíacas online ou offline e lado a lado com o uso do eletrocardiograma. Agora a Universidade Michigan onde a nova tecnologia está sendo finalizada, já está providenciando a patente e em breve espera-se que o uso do eletrocardiomatrix esteja em todos os hospitais para validação.

Os resultados mais recentes da tecnologia do eletrocardiomatriz foi publicado e está disposição na revista tecnocientífica Stroke.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *