Estudo discute o método mais eficaz para a preparação endometrial

Os casais são submetidos a tratamentos de infertilidade devido ao fator masculino, fatores femininos ou infertilidade sem explicação. Após um ciclo de transferência de embrião fresco sem sucesso, uma transferência de embrião congelado-descongelado pode ser realizada quando os congelados estão disponíveis.

A preparação hormonal adequada do endométrio é de extrema importância tanto para a doadora de óvulos quanto para os ciclos de substituição de embriões congelados para fornecer as melhores chances de gravidez.

Muitos medicamentos e vários modos de administração têm sido experimentados por vários pesquisadores a fim de otimizar as taxas de implantação e, consequentemente, melhorar as taxas de sucesso dos procedimentos de transferência de embriões: ciclos estimulados (para gerar estradiol endógeno), ciclos programados (administração de estradiol exógeno) ou ciclos naturais (permitindo que os ovários produzam estradiol sem estimulação) são algumas das opções, evitar a ovulação espontânea com agonistas e antagonistas do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH) pode ter algum impacto, ou o uso de algumas outras drogas, como aspirina ou esteroides, que potencialmente poderiam aumentar a receptividade endometrial, também foram avaliados.

Pergunta da revisão

Qual é o método mais eficaz para a preparação endometrial em mulheres submetidas a transferência de embriões com embriões congelados ou embriões derivados de oócitos de doadores?

Características do estudo

Os autores encontraram 31 ensaios clínicos randomizados comparando diferentes intervenções, como a dose e a via de administração de estrogênios e progestagênio, o uso de drogas que impedem a ovulação precoce da paciente (agonistas do GnRH) e o uso de outros medicamentos para melhorar o endométrio em um total de 5426 mulheres.

Principais resultados

Não há certeza se um ciclo estimulado (com letrozol) em comparação com um ciclo programado, para a preparação do endométrio, melhora os nascidos vivos. A evidência sugere que, se a chance de nascimento após um ciclo programado for de 24%, a chance de após um ciclo estimulado estaria entre 13% e 51%.

Não existe certeza do impacto na taxa de aborto e na espessura endometrial. Um ciclo estimulado pode melhorar a taxa de gravidez clínica. Faltavam dados sobre gravidez múltipla, cancelamento de ciclo e outros efeitos adversos.

Não é possível afirmar se um ciclo natural melhora a taxa de nascidos vivos, taxa de gravidez, taxa de aborto e espessura endometrial em comparação com um ciclo programado. Faltavam dados para todos os outros resultados.

Também não há certeza se os estrogênios transdérmicos (administrados pela pele) em comparação com os estrogênios orais (por via oral) melhoram a taxa clínica de gravidez e de aborto espontâneo. Os dados estavam faltando para todos os outros resultados nesta comparação.

Iniciar o progestágeno no dia da retirada do oócito da doadora ou no dia seguinte provavelmente aumenta a taxa de gravidez clínica e provavelmente reduz a taxa de cancelamento do ciclo. Os autores não têm certeza se isso reduz a taxa de aborto. Faltavam dados para todos os outros resultados.

Um ciclo com agonista GnRH em comparação com sem pode melhorar a taxa de nascidos vivos. Ainda não é viável saber o efeito de um ciclo de GnRH em comparação com nenhum GnRH para os resultados da taxa de gravidez clínica, taxa de aborto e espessura endometrial. Nenhum estudo relatou sobre os outros resultados para esta comparação.

Não há certeza se algum agonista do GnRH é melhor do que outro: um ciclo com leuprolida diária ou com triptorrelina de depósito melhora a taxa clínica de gravidez, ou se o acetato leuprolida ou nafarelina diária reduz a taxa de aborto. Outros resultados não foram relatados.

Os antagonistas do GnRH em comparação com os agonistas provavelmente melhoram a taxa de gravidez clínica. A equipe não chegou a uma conclusão em relação ao efeito sobre a taxa de aborto e de gravidez múltipla. Nenhum estudo relatou os outros resultados.

Não há como afirmar se um ciclo com aspirina em comparação com um ciclo sem melhora os nascidos vivos, a taxa clínica de gravidez ou a espessura endometrial. Faltavam dados para todos os outros resultados.

Por fim, não existe certeza se um ciclo com esteroides em comparação com um ciclo sem esteroides melhora a taxa de nascidos vivos, a taxa de gravidez clínica ou a taxa de aborto. Nenhum estudo relatou os outros resultados.

Qualidade da evidência

A evidência foi de qualidade moderada a muito baixa. As principais limitações nas evidências foram os relatórios inadequados dos métodos de estudo e a falta de precisão nos resultados para nascidos vivos.

Conclusão dos autores

Não existem evidências suficientes sobre o uso de qualquer intervenção específica para a preparação endometrial em mulheres submetidas a ciclos de doadores frescos e transferência de embriões congelados.

Em transferências de embriões congelados, evidências de baixa qualidade mostraram que as taxas de gravidez clínica podem ser melhoradas em um ciclo estimulado em comparação com um programado, e não há conclusões sobre o efeito quando é feita a comparação de um ciclo programado a um ciclo natural. As taxas de cancelamento de ciclo provavelmente são reduzidas em um ciclo natural.

Embora a administração de um agonista de GnRH, em comparação com sem, possa melhorar as taxas de nascidos vivos, as taxas de gravidez clínica provavelmente serão melhoradas em um ciclo de antagonista de GnRH ao longo de um ciclo de agonista.

Em ciclos de doadores de oócitos sincronizados recentemente, a taxa de gravidez clínica é provavelmente melhorada e as taxas de cancelamento do ciclo são provavelmente reduzidas ao iniciar o progestágeno no dia ou no dia após a recuperação do oócito do doador.

Estudos com potência adequada são necessários para avaliar cada tratamento com mais precisão.

____________________________

O estudo original foi publicado na  Cochrane Library

* “Endometrial preparation for women undergoing embryo transfer with frozen embryos or embryos derived from donor oocytes” – 2020

Autores do estudo: Glujovsky D, Pesce R, Sueldo C, Quinteiro Retamar AM, Hart RJ, Ciapponi A – 10.1002/14651858.CD006359.pub3

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.