A leitura pode reduzir o risco de demência em pessoas mais velhas?

Participar de atividades de lazer, como ler ou ir ao cinema aos 56 anos, não estava relacionado a um risco reduzido de demência 18 anos depois, mostrou o estudo longitudinal Whitehall II.

Contudo, a maior participação aos 66 anos estava ligada a uma menor probabilidade de demência ao longo de 8,3 anos, sugerindo que a atividade de lazer pode contribuir para a diminuição durante o estágio pré-clínico da demência, relatou Andrew Sommerlad PhD, da University College London, e colegas para o Neurology.

Para cada desvio padrão mais alto na atividade de lazer total, o risco de demência foi 18% menor quando o acompanhamento médio foi 8,3 anos, 12% menor aos 13 anos de acompanhamento e 8% menor aos 18 anos.

A descoberta não questiona a importância de se manter ativo, “mas sugere que simplesmente aumentar a atividade de lazer pode não ser uma estratégia para prevenir a demência”, disse Sommerlad em um comunicado.

“Mais pesquisas são necessárias para confirmar esses resultados, mas sabemos que as mudanças iniciais no cérebro podem começar décadas antes que qualquer sintoma apareça”, acrescentou. “É plausível que as pessoas diminuam seu nível de atividade em até 10 anos antes que a demência seja realmente diagnosticada, devido a mudanças sutis e sintomas que ainda não foram reconhecidos”.

Embora os resultados possam parecer contradizer pesquisas anteriores sugerindo que a atividade de lazer pode proteger contra a demência, a maioria desses estudos teve períodos de acompanhamento mais curtos, Sommerlad e colegas observaram.

“A atividade de lazer está ligada à redução do risco de declínio cognitivo, comprometimento cognitivo leve e demência, mas essas associações são frequentemente baseadas na atividade que ocorre menos de uma década antes de a demência ser diagnosticada”, observou Victor Henderson, MD, da Universidade de Stanford em Palo Alto e Merrill Elias, PhD, MPH, da University of Maine em Orono, em um editorial anexo.

Uma interpretação é que a atividade de lazer pode ajudar a evitar os sintomas de demência, mesmo quando a neuropatologia subclínica está presente, talvez aumentando a reserva cognitiva, disseram eles. “Uma segunda possibilidade é que a disfunção neural precoce nas vias que sustentam a motivação e o comportamento direcionado a um objetivo torna mais difícil iniciar e manter a atividade de lazer”, acrescentaram.

Como o estudo foi conduzido e conclusão dos autores

A análise contou com 8.280 participantes do estudo de coorte prospectivo de Whitehall II na Grã-Bretanha: 69% eram do sexo masculino, 91% eram brancos e a idade média no início do acompanhamento era de cerca de 56 anos.

Em três pontos – 1997-1999, 2002-2004 e 2007-2009 – os pesquisadores avaliaram a frequência com que os participantes se envolveram em 13 tipos de atividades de lazer no ano anterior. As atividades de lazer variaram de leitura, música e aulas a eventos culturais, religiosos e sociais. Os diagnósticos de demência foram derivados de três registros eletrônicos de saúde (EHR) vinculados.

No geral, 360 casos incidentes de demência foram registrados durante o período de acompanhamento (incidência de 2,4 por 10.000 pessoas-ano). A idade média no momento do diagnóstico era de cerca de 76 anos. Nenhuma atividade específica foi associada de forma consistente ao risco de demência.

Os participantes cujo nível de atividade caiu ao longo do estudo eram mais propensos a desenvolver demência do que aqueles cuja atividade, mesmo que baixa, permaneceu a mesma. Um total de 5% de 1.159 pessoas cuja atividade diminuiu desenvolveram demência, em comparação com 2% de 820 pessoas cujo nível de atividade permaneceu baixo ao longo dos anos.

“Ensaios clínicos randomizados grandes, de longa duração, podem fornecer evidências ainda mais fortes de qualquer relação causal” entre atividade de lazer e demência, escreveram Henderson e Elias. Estudos que enfocam intervenções no estilo de vida, como o estudo POINTER nos EUA, podem lançar uma luz melhor.

“Atividades de lazer na meia-idade e na velhice certamente não fazem mal, mas seu papel na prevenção da demência ainda não está claro”, observaram. “Há mais trabalho a ser feito.”

Uma limitação do estudo foi que os diagnósticos de demência foram obtidos do EHR e alguns casos podem não ter sido diagnosticados, observaram os pesquisadores. O estudo também não considerou subtipos de demência ou intensidade da atividade de lazer.

___________________________

O estudo original foi publicado no Neurology

* “Leisure activity participation and risk of dementia: 18 year follow-up of the Whitehall II Study” – 2020

Autores do estudo: Andrew Sommerlad, Séverine Sabia, Gill Livingston, Mika Kivimäki, Glyn Lewis, Archana Singh-Manoux – 10.1212/WNL.0000000000010966

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.