Antibióticos pode prejudicar o desenvolvimento de prematuros!

Novas pesquisas em camundongos sugerem que a exposição a antibióticos antes do nascimento pode prejudicar o desenvolvimento pulmonar em prematuros. O estudo, o primeiro a explorar o eixo intestinal-pulmão na prematuridade.

Bebês prematuros

Bebês prematuros, particularmente aqueles que recebem tratamento com oxigênio logo após o nascimento, correm alto risco de desenvolver problemas pulmonares caracterizados por cicatrizes (fibrose) e inflamação. Pesquisas recentes sugerem que as comunidades de bactérias no trato digestivo (microbioma intestinal) podem prejudicar o desenvolvimento do sistema imunológico e também podem afetar a inflamação, que por sua vez desempenha um papel importante na doença pulmonar.

A interação entre esses sistemas corporais é chamada de eixo intestino-pulmão. Sabe-se que os antibióticos alteram a composição do microbioma intestinal e estão ligados a um risco aumentado de lesão pulmonar. O tratamento com antibióticos é comum em bebês prematuros, mas como o intestino está envolvido não está claro. Ver como os antibióticos afetam a prole – mesmo antes do nascimento – pode ajudar os pesquisadores a entender melhor o eixo intestino-pulmão.

Em um novo estudo, os pesquisadores expuseram um grupo de camundongas grávidas ao antibiótico penicilina amplamente utilizado em sua água potável (“barragens tratadas”). Outro grupo de camundongos grávidas recebeu água pura (“barragens de controle”). Depois que os bebês nasceram, a equipe de pesquisa usou um modelo experimental cruzado para avaliar os efeitos dos antibióticos na prole em combinação com o tratamento com oxigênio. Eles analisaram quatro grupos:

  • Um grupo foi exposto à penicilina antes do nascimento e foi alimentado por barragens tratadas;
  • Um grupo foi exposto à penicilina antes do nascimento e foi alimentado por barragens de controle;
  • Um grupo não foi exposto antes do nascimento e foi alimentado por barragens tratadas;
  • Um grupo não foi exposto antes do nascimento e foi alimentado por barragens de controle.

A equipe de pesquisa examinou a estrutura pulmonar, incluindo espessura das paredes, tamanho dos capilares e tecido cicatricial – juntos, todos eles afetam a capacidade respiratória. Eles também examinaram as células e proteínas causadoras de inflamação nos pulmões de todos os animais.

Os camundongos expostos a antibióticos antes do nascimento e alimentados por barragens de controle tiveram mais fibrose com o tratamento com oxigênio do que os camundongos expostos a antibióticos somente após o nascimento.

Os filhotes expostos à penicilina no útero também apresentaram menor massa corporal e tamanho capilar reduzido em comparação com aqueles não expostos antes do nascimento. A exposição pré-natal também alterou os níveis de proteínas que promovem a inflamação e a função imunológica, bem como as que afetam a sinalização microbiana nos pulmões.

“Nosso estudo fornece valiosas evidências experimentais de que a manipulação da microbiota intestinal por exposição a antibióticos influencia a progressão da lesão pulmonar”, escreveram os pesquisadores..

Esses achados “podem ajudar na interpretação de futuros estudos observacionais em recém-nascidos humanos, examinando o papel do eixo intestino-pulmão na displasia broncopulmonar”.

 

____________________

O estudo foi publicado no American Journal of Physiology.

* “Perinatal maternal antibiotic exposure augments lung injury in offspring in experimental bronchopulmonary dysplasia” – 2019.

Autores do estudo: Kent A Willis, David T Siefker, Michael M Aziz, Catrina T White, Naiha Mussarat, Charles K Gomes, Amandeep Bajwa, Joseph F. Pierre, Stephania A Cormier, and Ajay J Talati – 10.1152/ajplung.00561.2018

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.