Perfusão pode reduzir risco de estenoses após transplante de fígado

Em comparação com o armazenamento refrigerado estático convencional, a perfusão por máquina oxigenada hipotérmica resultou em um risco menor de estenoses biliares não anastomóticas 6 meses após os transplantes de fígado serem recebidos de doadores após morte circulatória (DCD), de acordo com um estudo multicêntrico randomizado encontrado.

O desfecho primário no ensaio de perfusão hipotérmica oxigenada dupla de enxertos hepáticos DCD na prevenção de complicações biliares após o transplante (DHOPE-DCD), estenoses biliares sintomáticas não anastomóticas, ocorreram em apenas 6% do grupo experimental de perfusão mecânica contra 18% no grupo de controle de armazenamento padrão, traduzindo-se em uma razão de risco de 0,36.

“A incidência mais baixa desse tipo de colangiopatia foi estatisticamente e clinicamente significativa”, escreveu Robert J. Porte, MD, do University Medical Center Groningen, na Holanda, e colegas para o New England Journal of Medicine.

Essas estenoses – resultantes da recuperação incompleta da lesão de isquemia biliar e reperfusão, causando estreitamento fibrótico do lúmen do ducto biliar e obstrução do fluxo biliar – continuam sendo uma grande preocupação nos enxertos hepáticos DCD, observaram os autores.

Detalhes do estudo

O ensaio foi conduzido em seis instalações de transplante na Holanda, Bélgica e Reino Unido, durante 2016-2020.

Os investigadores randomizaram 78 pacientes adultos para receber um fígado perfundido por máquina e 78 para receber um fígado preservado em armazenamento estático padrão.

A idade média dos doadores de fígado foi semelhante entre os braços, 52 no grupo de intervenção e 49 no grupo de controle. Os homens representavam 67% e 65% dos doadores nos dois braços, respectivamente, e os doadores em ambos os braços tinham um índice de massa corporal médio de 25.

Em outros desfechos comparativos:

  • A síndrome pós-reperfusão ocorreu em 12% do grupo de intervenção versus 27% do grupo de controle
  • Disfunção precoce do aloenxerto ocorreu em 26% dos fígados perfundidos por máquina versus 40% dos fígados controle
  • O número cumulativo de tratamentos para estenoses biliares não anastomóticas foi menor por um fator de quase 4 após a perfusão mecânica
  • Os eventos adversos incidentes foram semelhantes em ambos os grupos em 644 e 694, respectivamente, com nove e 16 rejeições de enxerto nos dois braços, respectivamente, e 131 contra 162 infecções
  • Dois pacientes de controle necessitaram de retransplante em 6 meses devido a colangiopatia grave

A perfusão mecânica não pareceu, entretanto, melhorar a sobrevida geral do paciente ou do enxerto.

Essa tecnologia tem sido proposta como uma alternativa à preservação convencional de órgãos que pode reduzir a lesão de isquemia-reperfusão.

Em comparação com outros métodos de preservação dinâmica, como a perfusão em máquina normotérmica, essa técnica oferece uma vantagem porque, em caso de mau funcionamento, o órgão ainda é mantido frio. “Esta situação difere da perfusão de máquina normotérmica, na qual os erros do dispositivo ou do operador resultam em isquemia quente e podem levar à perda de órgãos”, escreveram os pesquisadores.

Um editorial anexo delineou um futuro brilhante para a perfusão mecânica, que poderia melhorar a função dos órgãos obtidos de doadores falecidos e permitir uma melhor avaliação da viabilidade de órgãos de qualidade incerta, expandindo significativamente o estoque de fígados disponíveis para transplante.

“Além disso, essa tecnologia quase certamente renderá novas aplicações empolgantes, como a eliminação da gordura ex vivo de fígados esteatóticos, a indução da regeneração hepática ex vivo e a modificação de órgãos por meio da edição de genes para melhorar os resultados pós-transplante”, escreveram os editorialistas Winfred W. Williams, MD, um editor-adjunto do NEJM, e James F. Markmann, MD, PhD, do Massachusetts General Hospital e da Harvard Medical School em Boston.

Eles observaram que tanto a perfusão normotérmica quanto a hipotérmica têm seus próprios proponentes.

Conclusão dos autores

Os resultados do DHOPE-DCD são um bom presságio para melhorar os resultados dos pacientes, disseram os editorialistas: evitar retransplantes dispendiosos e aumentar o suprimento de órgãos se alguns dos órgãos DCD atualmente descartados pudessem ser transplantados com segurança.

Resta ser determinado, no entanto, se DHOPE pode discriminar a qualidade do órgão, bem como a perfusão em temperaturas fisiológicas, eles alertaram. “Essa discriminação pode ser crítica para determinar se a perfusão quente ou fria ganhará ampla aceitação, uma vez que o maior benefício seria diminuir a taxa atual de descarte de 3.000 fígados”, escreveram eles.

Dois ensaios clínicos randomizados nos EUA de perfusão normotérmica (OCS LIVER PROTECT e WPO1 – Normothermic Liver Preservation) podem ajudar a responder a essa pergunta – ambos foram concluídos recentemente, mas os resultados não foram relatados, observaram os editorialistas.

____________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

* “Hypothermic Machine Perfusion in Liver Transplantation — A Randomized Trial” – 2021

Autores do estudo: Rianne van Rijn, M.D., Ph.D., Ivo J. Schurink, B.Sc., Yvonne de Vries, M.D., Ph.D., Aad P. van den Berg, M.D., Ph.D., Miriam Cortes Cerisuelo, M.D., Ph.D., Sarwa Darwish Murad, M.D., Ph.D., Joris I. Erdmann, M.D, Ph.D., Nicholas Gilbo, M.D., Ph.D., Robbert J. de Haas, M.D., Ph.D., Nigel Heaton, M.D., Ph.D., Bart van Hoek, M.D., Ph.D., Volkert A.L. Huurman, M.D., Ph.D., Ina Jochmans, M.D., Ph.D., Otto B. van Leeuwen, Ph.D., Vincent E. de Meijer, M.D., Ph.D., Diethard Monbaliu, M.D., Ph.D., Wojciech G. Polak, M.D., Ph.D., Jules J.G. Slangen, M.D., Roberto I. Troisi, M.D., Ph.D., Aude Vanlander, M.D., Ph.D., Jeroen de Jonge, M.D., Ph.D., and Robert J. Porte, M.D., Ph.D. – 10.1056/NEJMoa2031532

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.