Pacientes com pulmão de doadores obesos têm redução na mortalidade

Pacientes com transplante de pulmão que receberam pulmão de doadores obesos tiveram uma redução de 15 a 20% na mortalidade em 1 ano em um dos primeiros estudos para examinar o impacto do índice de massa corporal (IMC) do doador e a sobrevida pós-transplante.

Os resultados do estudo retrospectivo, que incluiu dados sobre pacientes e doadores registrados no banco de dados da United Network for Organ Sharing Standard Transplant and Analysis database, sugerem que a obesidade do doador pode conferir um benefício protetor para os pulmões transplantados.

As descobertas foram apresentadas esta semana em uma sessão na conferência virtual CHEST, a reunião anual do American College of Chest Physicians.

O IMC de receptores de transplante de pulmão mostrou ser um preditor independente de mortalidade, com estudos mostrando um aumento do risco de morte após o transplante em pacientes que estão abaixo do peso ou acima do peso, disse Sung Choi, MD, da Rutgers New Jersey Medical School em Newark, que fez a apresentação dos resultados.

IMC dos receptores

Em um estudo realizado no ano de 2017 envolvendo mais de 17.000 transplantes de pulmão realizados nos Estados Unidos de 2005 a 2016, receptores de pulmão com peso baixo ou em excesso (ou seja, IMC ≤20 e ≥28 no momento da listagem) apresentaram um risco aumentado para ambos na mortalidade de curto e longo prazo.

A perda de peso do receptor antes do transplante de pulmão também foi associada a uma redução na mortalidade e dias de ventilação mecânica em um estudo de 2015, com maiores reduções no IMC associadas a um maior benefício de sobrevida.

E, em uma declaração de consenso de 2014, a International Society for Heart and Lung Transplantation recomendou que um IMC de 30 ou mais seja considerado uma contraindicação relativa ao transplante de pulmão.

Em relação ao IMC do doador, no entanto, Choi disse ao MedPage Today que não havia pesquisa anterior examinando o impacto nos resultados dos receptores de pulmão e que os resultados do estudo de sua equipe foram uma surpresa: “Nós realmente não esperávamos esse resultado”, disse ele .

“Pensamos que o maior IMC do doador poderia estar associado a um aumento na mortalidade do receptor ou talvez a um achado nulo. O que descobrimos foi surpreendente para nós. Parecia haver uma relação dependente da dose, com maior IMC do doador associado a menor mortalidade do receptor aos 90 dias e 1 ano após o transplante”, disse Choi.

Como o estudo foi conduzido

Cerca de 16.000 pacientes adultos que receberam transplantes de pulmão único ou duplo de 2005 a 2018 foram incluídos na análise. A idade média dos receptores de pulmão era 59 e cerca de 60% eram do sexo masculino.

Os doadores foram categorizados como baixo peso (IMC <18,5), peso normal (18,5 a <25), sobrepeso (25 a <30), obesidade classe I (30 a <35), obesidade classe II (35 a <40) e classe III obesidade (≥40,0).

O IMC médio do doador foi de 25,9, e 45% foram classificados com peso normal.

Um benefício de sobrevida em 1 ano foi observado entre os pacientes que receberam um transplante de pulmão de doadores em obesidade classe 1 (HR 0,867, IC 95% 0,772-0,975, P <0,01) e obesidade classes II/III (HR 0,804, IC 95% 0,688 -0,941, P <0,01) em comparação com os pulmões de doadores de peso normal, relataram os pesquisadores.

Em análises ajustadas, a equipe relatou menor chance de sobrevivência com o aumento da idade do doador, sexo masculino e presença de diabetes.

Choi disse ao MedPage Today que as descobertas levaram os pesquisadores de volta à literatura publicada em um esforço para entender o possível mecanismo envolvido. Eles encontraram dois estudos – um em ratos e outro em pacientes falecidos – os quais sugeriram um papel para a adaptação crônica relacionada à obesidade a condições de hipóxia.

No estudo com ratos, os pulmões de ratos jovens obesos mostraram aumento alveolar com área de superfície respiratória diminuída quando comparados com os de controles de peso normal.

No estudo de resultados de autópsia de 76 pessoas obesas pareadas com controles não obesos, hemangiomatose capilar alveolar foi observada exclusivamente em indivíduos obesos, com 72% exibindo hipertensão venosa e hemangiomatose capilar.

Choi disse que embora seja possível que o estado hipóxico crônico associado à obesidade possa levar a vantagens em pulmões coletados de pessoas obesas, estudos adicionais ainda são necessários para confirmar a associação e explorar mais os possíveis mecanismos.

____________________________

O estudo original foi publicado no CHEST

* “INFLUENCE OF DONOR BMI ON SINGLE AND DOUBLE LUNG TRANSPLANT SURVIVAL” – 2020

Autores do estudo: Sung Choi, Khaled Abu-Ihweij, Abdul Kazi, Krishan Patel, Amee Patrawalla – 10.1016/j.chest.2020.08.2036

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.