Pacientes curados de hepatite C podem ter mais risco de câncer de fígado

Pacientes que foram curados do vírus da hepatite C (HCV) ainda enfrentam o risco de câncer de fígado, afirmam pesquisadores, mas novos modelos de vigilância parecem ajudar a controlar esse risco.

Em um estudo, pesquisadores acompanharam 2.326 pacientes com HCV crônico, que tinham cirrose avançada ou fibrose hepática e aplicaram um sistema de pontuação a eles.

Apesar da eliminação do HCV, o grupo de maior risco ainda tinha um risco de 10,3% de desenvolver câncer nos próximos 2 anos, de acordo com Gamal Shiha, MBBCH, MD, PhD, Mansoura University em Mansoura, Egito.

Além disso, o risco de carcinoma hepatocelular (CHC) em pessoas com pontuação média foi de 4,5% em 2 anos e aquelas com pontuação baixa tiveram risco de 2% de desenvolver a doença após 2 anos, disse ele em uma apresentação digital no Internal Liver Congress, a reunião anual da  European Association for the Study of the Liver (EASL).

Shiha disse que estudos anteriores sugeriram que a vigilância do câncer de fígado de pessoas com lesão hepática relacionada ao HCV seria econômica se o risco fosse superior a 1,5% e que o estudo de seu grupo indica que a maioria das pessoas – mas não todas – que alcançar a erradicação do HCV com antivirais de ação direta apresentam um risco baixo.

“Atualmente, há evidências convincentes de que a detecção em estágio inicial do carcinoma hepatocelular por meio de vigilância é mais passível de terapias curativas e melhora a sobrevida geral”, disse ele.

Shiha e seus colegas fatoraram idade, sexo, albumina sérica, alfa fetoproteína sérica e estágio de fibrose pré-tratamento para desenvolver um sistema de pontuação chamado GES. Eles então determinaram vários pontos de corte no sistema para colocar os pacientes nas categorias de risco.

Em um estudo separado feito no Assistance Publique-Hôpitaux de Paris e no Hôpital Jean Verdier, técnicas semelhantes foram usadas para desenvolver outro sistema de pontuação, explicou Jessica Azzi, PharmD, do grupo de pesquisa ANRS C022 HEPATHER.

Como o estudo foi conduzido

Os pesquisadores analisaram dados de pacientes com HCV de 32 centros (n=21.007 pacientes), eventualmente, avaliaram 3.926 pacientes que haviam se submetido a terapia antiviral de ação direta e alcançado uma resposta virológica sustentada.

Desse grupo, 205 indivíduos foram diagnosticados com CHC. Além disso, 2.829 foram diagnosticados com cirrose e 191 deles desenvolveram CHC posteriormente. Finalmente, 1.097 pacientes foram diagnosticados com fibrose hepática avançada e 15 foram posteriormente diagnosticados com CHC, relatou Azzi.

Usando vários fatores demográficos e de doença, os pesquisadores criaram um ponto de corte para risco alto, médio e baixo em 2 anos, com o grupo de baixo risco tendo 2,17% de risco de desenvolver câncer de fígado, o grupo médio um risco de 7,59% e o grupo alto um risco de 25%.

“Este estudo identifica um subgrupo de pacientes de alto risco em que o rastreamento seria custo-efetivo”, disse Azzi durante uma apresentação EASL.

Shiha observou que os modelos de vigilância precisam ser estudados prospectivamente antes que possam ser rotineiramente integrados à prática clínica.

Conclusão dos autores

“Esses estudos refletem a complexidade da compreensão da hepatocarcinogênese e refutam a ideia de que a cura do vírus da hepatite C é igual a eliminar o risco de câncer de fígado”, comentou Jordi Bruix, MD, do Hospital Clinic of Barcelona/University de Barcelona, ​​em um comunicado.

“As pontuações propostas representam potencialmente uma ferramenta clínica útil para ajudar a informar os pacientes sobre o risco de desenvolver carcinoma hepatocelular após a cura do vírus da hepatite C”, acrescentou Bruix, membro do conselho administrativo da EASL. “Esses dados também reforçam a importância da implementação de um programa de rastreamento do carcinoma hepatocelular em pacientes tratados com antivirais de ação direta e a necessidade de reforçar os esforços de pesquisa para identificar as causas do desenvolvimento do câncer de fígado apesar da cura.”

___________________________

O estudo original foi publicado European Association for the Study of the Liver

* “Predictive models for hepatocellular carcinoma occurrence in patients with chronic hepatitis C and sustained virological response achieved with direct acting anti-viral included in the ANRS C022 HEPATHER cohort (AS154)”

Autores do estudo:  Ganne-Carrié N – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.