Ciência apresenta casos de transmissão vaginal de câncer cervical

A transmissão vaginal de câncer cervical – um fenômeno que não foi relatado anteriormente – foi detectada em duas pacientes pediátricas, mostraram pesquisadores japoneses.

Dois meninos cujas mães tinham câncer cervical não detectado no parto desenvolveram câncer de pulmão na primeira infância, provavelmente resultante da transmissão de mãe para filho de células tumorais do colo uterino, de acordo com Ayumu Arakawa, MD, do Centro Nacional de Câncer em Tóquio, e colegas.

A regressão espontânea das lesões em uma criança, assim como o crescimento lento do tumor na outra, sugeriu que havia uma resposta aloimune nas crianças, afirmaram eles em um breve relatório no New England Journal of Medicine.

Além disso, a terapia com inibidor do ponto de controle imunológico com nivolumabe (Opdivo) foi eficaz na redução dos tumores em um paciente, possivelmente devido à presença dessa resposta aloimune, observou o grupo de Arakawa.

“Até onde sabemos, este é o primeiro relato de transmissão vaginal de câncer para bebês”, disse Arakawa ao MedPage Today por e-mail. “Também é muito importante que o nivolumabe tenha demonstrado eficácia drástica para esse tipo de tumor”.

Melissa Frey, médica, obstetra/ginecológica do departamento de oncologia ginecológica da Weill Cornell Medicine em Nova York, disse que, embora a transmissão de doenças malignas da mãe para o bebê seja rara, este artigo desafia a forma como os médicos pensam sobre a transmissão.

“Acho que o mais interessante sobre este estudo é que [a transmissão] não é considerada hematogênica, que é a forma como conceitualizamos anteriormente a transmissão materno-fetal”, Frey, que não esteve envolvido na pesquisa, disse ao MedPage Today. Ela acrescentou que as descobertas têm “implicações tremendas para a maneira como pensamos sobre o parto”.

Embora o tipo de parto em pacientes grávidas com câncer cervical tenha se centrado anteriormente nas implicações maternas, Frey disse que “este artigo nos pede que pensemos sobre as implicações fetais no cenário do câncer cervical materno”.

A transmissão materna do câncer para a prole é extremamente rara, ocorrendo em cerca de uma em 500.000 mães com câncer. Há 18 casos de transmissão de câncer de mãe para filho relatados anteriormente, todos presumivelmente transmitidos por via transplacentária. Devido à barreira placentária e à resposta aloimune fetal, a transmissão transplacentária do câncer é rara, observaram os pesquisadores.

A transmissão vaginal, embora rara, também pode ocorrer durante o parto vaginal. Se um bebê for exposto a células tumorais no canal do parto, eles podem aspirar essas células para os pulmões.

Detalhes do estudo

O grupo de Arakawa detectou esses dois casos de transmissão de câncer vaginal durante o sequenciamento de próxima geração de amostras pareadas de tumor e tecidos normais. Os pesquisadores encontraram padrões histológicos semelhantes em mães e filhos, levando-os a suspeitar de transmissão uterina. A análise fez parte do estudo TOP-GEAR, um estudo prospectivo de criação de perfil genético de pacientes com câncer avançado.

O primeiro paciente, um menino de 23 meses, deu entrada no hospital com uma tosse que persistia por 2 semanas. Uma tomografia computadorizada mostrou várias massas ao longo dos brônquios em ambos os pulmões, e uma biópsia pulmonar revelou carcinoma neuroendócrino do pulmão com diferenciação glandular focal.

Ele nasceu de parto normal com 39 semanas, depois que sua mãe testou previamente negativo para câncer cervical através do teste de Papanicolau, 7 meses antes. A mãe recebeu o diagnóstico de carcinoma espinocelular do colo do útero 3 meses após o parto.

A criança recebeu acompanhamento frequente, mas não foi tratada até completar 3 anos. Os pesquisadores notaram alguma regressão espontânea de seus tumores, mas ainda havia várias propagações ao longo dos brônquios.

Após dois regimes de quimioterapia e mais progressão da doença, os médicos inscreveram o paciente em um ensaio clínico de terapia com nivolumabe. Ele não herdou alelos HLA de classe I, um fenômeno que pode ter levado à sobrevivência inicial das células cancerosas maternas, de acordo com Arakawa e colegas

Ele recebeu quatro ciclos de nivolumabe na dose de 3 mg por kg a cada 2 semanas, o que resultou no encolhimento de todas as lesões. Após 14 ciclos de nivolumabe e lobectomia, os pesquisadores não notaram nenhuma evidência de recorrência da doença.

O segundo paciente, um menino de 6 anos, deu entrada no hospital com dores no peito. Os pesquisadores encontraram uma massa no pulmão esquerdo da criança, e ela foi diagnosticada com adenocarcinoma mucinoso. Antes de ele nascer, os médicos detectaram um tumor polipóide cervical na mãe. No entanto, como o teste citológico cervical foi negativo e o tumor parecia estável, a mãe deu à luz o menino por via vaginal com 38 semanas.

Após vários ciclos de quimioterapia e recorrência da doença, ele foi submetido a pneumectomia esquerda total e, 15 meses depois, estava livre da doença. Ambas as mães morreram de sua doença.

Arakawa e colegas escreveram que a transmissão foi demonstrada pelo fato de que os tumores em ambos os pacientes pediátricos não tinham o cromossomo Y, bem como mutações somáticas compartilhadas, um genoma do HPV e alelos SNP com tumores encontrados em cada uma de suas mães.

Além disso, as metástases em ambos os casos foram localizadas na região respiratória, enquanto a transmissão transplacentária pode resultar em metástases dispersas por todo o cérebro, ossos, fígado e tecidos moles.

Este modo de transmissão é extremamente raro, disse Arakawa. Mas como esses relatórios indicam que a transmissão vaginal pode ser possível quando os bebês inalam células tumorais durante o parto, os pesquisadores recomendaram que as grávidas com câncer cervical planejassem um parto cesáreo.

______________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

Vaginal Transmission of Cancer from Mothers with Cervical Cancer to Infants” – 2021

Autores do estudo: Ayumu Arakawa, Hitoshi Ichikawa, Takashi Kubo, Noriko Motoi, Tadashi Kumamoto, Miho Nakajima, Kan Yonemori, Emi Noguchi, Kuniko Sunami, Kouya Shiraishi, Hiroki Kakishima, Hiroshi Yoshida,  Tomoro Hishiki, Naonori Kawakubo, Takafumi Kuroda, Takako Kiyokawa, Kyosuke Yamada, Nozomu Yanaihara,  Kazuaki Takahashi, Aikou Okamoto, Shinsuke Hirabayashi, Daisuke Hasegawa, Atsushi Manabe, Kentaro Ono,  Masaki Matsuoka, Yasuhito Arai, Yosuke Togashi, Tatsuhiro Shibata, Hiroyoshi Nishikawa, Kazunori Aoki, Noboru Yamamoto, Takashi Kohno, Chitose Ogawa – 10.1056/NEJMoa2030391

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.