Nomofobia é um fator prejudicial para a saúde do sono

O medo de ficar sem contato com o telefone celular – conhecido como nomofobia (medo irracional de ficar sem o telefone celular) – era extremamente comum entre os estudantes universitários e estava relacionado a problemas de saúde do sono, sugeriu um estudo preliminar.

Nove em cada 10 estudantes universitários tinham nomofobia moderada ou grave, que foi associada a maior sonolência diurna, avolição e pior higiene do sono, disse Jennifer Peszka, PhD, do Hendrix College em Conway, Arkansas, no SLEEP 2020, uma reunião virtual conjunta da American Academy of Sleep Medicine (AASM) e Sleep Research Society.

A gravidade do distúrbio foi correlacionado com a gravidade dos comportamentos inadequados de higiene do sono, relatou Peszka.

Anteriormente, o uso ativo do telefone na hora de dormir estava relacionado com o sono interrompido e uma boa recomendação para melhorar o sono era limitar o uso do aparelho antes e durante a hora de dormir, observou ela.

“No entanto, para aqueles com a característica de nomofobia – o medo de não ter um telefone celular – esta recomendação pode exacerbar a ansiedade na hora de dormir e atrapalhar em vez de melhorar o sono”, disse Peszka em uma apresentação online.

“Em 2012, 77% dos jovens de 18 a 24 anos foram classificados como nomofóbicos”, acrescentou a autora. “Descobrimos que 89,4% dos estudantes em idade universitária se enquadram nesses critérios. Como nosso estudo sugere uma conexão entre a nomofobia e sono insatisfatório, é interessante considerar se a gravidade da nomofobia está aumentando e as implicações desse aumento.”

Como o estudo foi conduzido e conclusão dos autores

No estudo, Peszka e colegas recrutaram 327 estudantes universitários com idade média de 19,7 anos de cursos introdutórios de psicologia e boletins informativos do campus.

Os participantes forneceram informações demográficas, preencheram o Questionário de Nomofobia (NMP-Q), a Escala de Sonolência de Epworth (ESS), o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh, o Índice de Higiene do Sono e responderam perguntas sobre características associadas à higiene do sono.

No total, 82,7% dos alunos foram classificados como tendo nomofobia moderada, 6,7% tinham nomofobia grave, 10,3% tinham nomofobia leve e apenas um participante (0,3%) relatou nenhuma nomofobia.

Maior gravidade da nomofobia foi relacionada a maior sonolência diurna na ESS (r=0,150, P<0,05). Foi associado a características relacionadas com sono ruim em outras escalas (sonolência diurna r=0,097, P<0,05; avolição r=0,100, P<0,05).

A gravidade da nomofobia também foi ligada a comportamentos de higiene do sono mais inadequados, incluindo o uso de tecnologia ativa durante o sono (r=0,249, P<0,05), cochilos diurnos longos, acordar e dormir com inconsistências, usar a cama para fins que não fossem o sono, cama desconfortável e ruminação cognitiva na hora de dormir (r=0,097 a 0,182).

“Como a nomofobia é um subconjunto da ansiedade, não é surpreendente que os indivíduos com maior nomofobia também tenham maior probabilidade de se envolver em ruminação cognitiva relacionada à ansiedade, como pensar, planejar ou se preocupar enquanto estão na cama”, disse Peszka.

“Este importante estudo precisa ser replicado e, enquanto isso, maneiras de descobrir a melhor forma de lidar com a nomofobia são importantes para ajudar a resolver resultados adversos de saúde”, observou o presidente da AASM, Kannan Ramar, MD, da Mayo Clinic em Rochester, Minnesota.

“A recomendação de reduzir o uso do telefone na hora de dormir, que visa melhorar o sono e parece bastante direta, pode precisar de ajustes ou consideração por esses indivíduos”, sugeriu Peszka.

“Em vez de recomendar a retirada do telefone do quarto para aqueles com nomofobia, as intervenções podem se concentrar em reduzir o uso ativo do telefone durante e próximo ao sono por meio do uso de cronômetros, datas de chamadas e aplicativos de lembretes”, disse ela.

______________________________

O estudo original foi publicado no SLEEP

* “Sleep, Sleepiness, and Sleep Hygiene Related to Nomophobia (No Mobile Phone Phobia)”

Autores do estudo: Peszka J, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.