Dieta à base de proteína vegetal pode aumentar a expectativa de vida

Um grande estudo prospectivo associou a proteína dietética derivada de plantas (ao invés de animais) à uma vida prolongada.

Em uma análise com mais de 400.000 adultos americanos com 50 anos ou mais, as pessoas que consumiram mais proteína vegetal como parte de sua dieta tiveram um risco de mortalidade geral reduzido em cerca de 5% relatou Jiaqi Huang, PhD, do National Institutes of Health in Bethesda, em Maryland, e colegas.

Esse risco geral de mortalidade mais baixo também dependia da dose, escreveu o grupo no JAMA Internal Medicine. A mortalidade durante o acompanhamento foi 12% menor nos homens e 14% nas mulheres para cada 10 gramas de proteína vegetal por 1.000 kcal consumidas, respectivamente.

Como o estudo foi conduzido

Durante um período de 16 anos, homens e mulheres viram uma redução no risco absoluto de perigo geral de mortalidade de 36% e 33%, para cada aumento de desvio padrão na ingestão de proteínas vegetais.

A troca de 3% da ingestão calórica de proteína animal para proteína vegetal foi associada a um risco de mortalidade geral reduzido em 10% para ambos os sexos.

Ter menos proteína de ovo e carne vermelha na dieta, com proteínas vegetais em seu lugar, impulsionou grande parte da associação. Com base nesses achados, a troca da proteína do ovo por um substituto hipoteticamente reduziria os riscos de mortalidade em 24% e 21% em homens e mulheres, respectivamente, as proteínas vegetais no lugar da carne vermelha reduziriam a mortalidade em 12% e 14%, respectivamente.

O risco geral de mortalidade também não foi o único benefício da proteína vegetal. As descobertas também sugeriram que a substituição de 3% de proteína animal por proteína vegetal reduziria o risco de morte relacionada a doenças cardiovasculares em 11% e 12% em homens e mulheres, respectivamente – assumindo, é claro, uma relação causal que não foi provada ou comprovável com os dados observacionais.

“Os resultados de nosso estudo representam uma peça de evidência sobre um possível papel benéfico para dietas à base de proteínas vegetais na prevenção da mortalidade por doenças cardiovasculares, e os profissionais de saúde podem considerar a totalidade das evidências disponíveis no que se refere aos pacientes individuais com risco específico e perfis de fatores “, explicou Huang ao MedPage Today.

Seu grupo aceitou esse estudo porque “embora grande ênfase tenha sido colocada nos efeitos à saúde de uma dieta com proteínas de alta qualidade, foram necessárias evidências adicionais para elucidar como a mortalidade geral e específica por causas pode ser afetada pela ingestão variável de proteínas vegetais e proteínas animais, em particular no que diz respeito a fontes específicas de proteínas vegetais e animais e em subgrupos de fatores de risco populacionais”. Os pesquisadores esperavam encontrar esses resultados também, disse à MedPage Today o autor sênior do estudo Demetrius Albanes, MD, também do Instituto Nacional de Saúde de Bethesda.

“Alguns estudos anteriores e a prática clínica apoiaram o papel favorável das dietas à base de plantas na prevenção da mortalidade por doenças cardiovasculares, o que é amplamente consistente com o nosso estudo”, explicou ele. “Além de fornecer estimativas de risco de mortalidade de proteínas vegetais, nosso estudo mostrou associações de risco de mortalidade benéficas específicas para a substituição de proteínas de carne vermelha ou de ovos por diferentes fontes de proteínas vegetais, incluindo pão, cereais, massas, nozes, feijões e legumes”.

Conclusão dos autores

Para o estudo de coorte prospectivo, os pesquisadores se basearam em dados do National Institutes of Health-AARP Diet and Health Study. Isso incluiu dados de 237.036 homens e 179.068 mulheres da Califórnia, Flórida, Louisiana, Nova Jersey, Carolina do Norte, Pensilvânia, além das cidades de Atlanta e Detroit, com idade média de 62 anos na inscrição (faixa de 50 a 71). Durante um período de observação de 16 anos, quase 78.000 mortes foram registradas na coorte.

A ingestão de proteínas foi avaliada usando o método do National Cancer Institute Diet History Questionnaire, que inclui 124 itens. No geral, mais de 30% da fonte primária de proteína na dieta veio de carnes vermelhas frescas ou processadas, enquanto outros 30% vieram de carnes brancas, que incluem aves, peixes e carne branca processada. A porcentagem mediana da ingestão diária de energia da proteína total foi um pouco acima de 15%.

______________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network

* “Association Between Plant and Animal Protein Intake and Overall and Cause-Specific Mortality” – 2020

Autores do estudo: Jiaqi Huang, Linda M. Liao, Stephanie J. Weinstein, Rashmi Sinha, Barry I. Graubard, Demetrius Albanes – 10.1001/jamainternmed.2020.2790

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.