Estudo investiga o método mais eficaz para a prevenção de natimortos

Um natimorto é geralmente definido como a morte de um bebê antes do nascimento, ou após as 22 semanas de desenvolvimento.

Por que isso é importante?

A natimortalidade pode ser muito perturbadora para as famílias. É mais comum em países de baixa e média renda, mas também afeta pessoas em países de alta renda.

O número de natimortos não diminuiu muito nos últimos 20 anos e, apesar dos altos números, não é amplamente reconhecido como um problema de saúde global. É importante aumentar a conscientização sobre métodos eficazes de prevenção de natimortos, principalmente em países de baixa e média renda.

O que os autores fizeram?

As revisões sistemáticas de intervenções da Cochrane têm como objetivo responder a perguntas médicas específicas com base em estudos de pesquisa atualizados.

Os autores pesquisaram todas as revisões sistemáticas da Cochrane que avaliaram as formas de prevenção da natimortalidade durante a gravidez para produzir uma visão geral das evidências sobre a prevenção da natimortalidade.

Evidências encontradas

A equipe localizou 43 revisões da Cochrane que avaliaram 61 maneiras diferentes de prevenir natimortos durante a gravidez ou mortes infantis na época do nascimento.

No entanto, poucos delas forneceram qualquer evidência clara de um efeito durante a gravidez para reduzir o risco de natimorto ou morte infantil.

Os pesquisadores se agruparam em quatro áreas diferentes: nutrição, prevenção de infecções, gerenciamento de outros problemas de saúde das mães e cuidados com o bebê antes de nascer.

Nutrição

  • Dar às mães suplementos balanceados de energia e proteína para aumentar o crescimento do bebê, particularmente em mulheres grávidas desnutridas, provavelmente reduz a natimortalidade em 40%.
  • Para vitamina A sozinha versus placebo (sham) ou nenhum tratamento, múltiplos micronutrientes com ferro e ácido fólico em comparação com ferro com ou sem ácido fólico, não houve nenhum efeito.

Prevenção e gestão de infecções

  • Redes antimaláricas tratadas com inseticida versus nenhuma rede podem reduzir a perda do bebê no útero (feto) em 33%.

Prevenção, detecção e gestão de outros problemas de saúde

  • Onde as parteiras eram o principal provedor de cuidados de saúde, especialmente para mulheres grávidas de baixo risco, a perda do feto ou as mortes infantis diminuíram 16%.
  • Ter uma parteira tradicional treinada versus ter uma parteira tradicional não treinada provavelmente reduz a natimortalidade nas populações rurais de países de renda baixa e média em 31% e a mortalidade infantil em 30%.
  • Um número reduzido de consultas de cuidados pré-natais provavelmente resulta em um aumento na mortalidade infantil na época do nascimento.
  • Pacotes de intervenção baseados na comunidade (incluindo grupos de apoio comunitário/grupos de mulheres, mobilização comunitária e visitas domiciliares, ou treinamento de parteiras tradicionais que faziam visitas domiciliares) podem reduzir natimortos em 19%.

Verificando o bebê antes do nascimento

  • A cardiotocografia mede a frequência cardíaca do bebê e as contrações no útero. Ela pode ser gravada automaticamente pelo computador ou manualmente, com caneta e papel. A cardiotocografia computadorizada para monitorar o bem-estar do bebê no útero, medindo as contrações, provavelmente reduz a taxa de mortalidade infantil na época do nascimento em 80% quando comparada com a cardiotocografia tradicional.

O que isto significa?

A equipe encontrou um grande número de comentários, mas poucos produziram evidências claras. A eficácia dos métodos usados ​​para prevenir a natimortalidade variou de acordo com o local onde ocorreram, destacando-se que é importante entender como foram testados.

As descobertas não podem ser aplicadas às mulheres em geral e em todos os ambientes globais.

Conclusão dos autores

Embora a maioria das intervenções não tenha conseguido demonstrar um efeito claro na redução de natimortos ou morte perinatal, várias intervenções sugeriram um benefício claro, como suplementos balanceados de energia/proteína, modelos de cuidados conduzidos por parteiras, treinamento versus não treinamento de parteiras tradicionais e cardiotocografia pré-natal.

Possíveis benefícios também foram observados para redes antimaláricas tratadas com inseticida e pacotes de intervenção com base na comunidade, enquanto um número reduzido de consultas de cuidados pré-natais mostrou-se prejudicial.

No entanto, houve variação na eficácia das intervenções em diferentes cenários, indicando a necessidade de compreender cuidadosamente o contexto em que essas intervenções foram testadas.

Outros ECRs de alta qualidade são necessários para avaliar os efeitos das intervenções preventivas pré-natais e quais abordagens são mais eficazes para reduzir o risco de natimortalidade.

Natimortos (ou morte fetal), morte perinatal e neonatal precisam ser relatados separadamente em futuros ensaios clínicos randomizados de intervenções pré-natais para permitir a avaliação de diferentes intervenções sobre esses resultados raros, mas importantes, e eles precisam definir claramente as populações-alvo de mulheres onde a intervenção é mais provavelmente será benéfico.

Como a alta carga de natimortos ocorre em países de baixa e média renda, outros estudos de alta qualidade precisam ser realizados nesses locais como prioridade.

____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Antenatal interventions for preventing stillbirth, fetal loss and perinatal death: an overview of Cochrane systematic reviews” – 2020

Autores do estudo: Ota E, da Silva Lopes K, Middleton P, Flenady V, Wariki WMV, Rahman MO, Tobe-Gai R, Mori R – 10.1002/14651858.CD009599.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.