Gestantes com hipertensão correm mais risco de morte precoce

Mulheres que tiveram distúrbios hipertensivos durante a gravidez corriam maior risco de morrer antes de chegar aos 70 anos, independentemente de desenvolverem hipertensão crônica ou não, mostrou um estudo retrospectivo.

Entre quase 90.000 mulheres grávidas de 1989 a 2009, a hipertensão gestacional ou pré-eclâmpsia foi associada a uma maior probabilidade de morte prematura, de acordo com Jorge Chavarro, MD, ScD, da Harvard T.H. Chan School of Public Health, localizada em Boston e seus colegas.

O aumento nas mortes prematuras foi impulsionado por diferenças na mortalidade devido a:

  • Doença cardiovascular
  • Doenças infecciosas
  • Doenças respiratórias
  • Doenças do sistema nervoso
  • Distúrbios metabólicos/imunológicos

A associação entre distúrbios hipertensivos da gravidez (HDPs) e morte prematura por todas as causas persistiu se as mulheres desenvolveram hipertensão crônica após a gravidez ou não, O grupo de Chavarro relatou na edição de 16 de março do Journal of the American College of Cardiology.

“Juntos, esses resultados sugerem que, embora a progressão descrita anteriormente dos HDPs para hipertensão crônica e aumento da morbidade e mortalidade cardiovascular seja sem dúvida importante, pode não ser a via primária através da qual os HDPs afetam a saúde e, em última análise, a mortalidade”, concluíram os autores.

“Também é digno de nota que o risco elevado de mortalidade prematura parece ser impulsionado pelo pequeno número de mulheres que experimentaram HDPs em duas ou mais gestações e aquelas que relataram simultaneamente HDPs e baixo peso ao nascer”, disseram eles.

As associações com todas as causas e mortalidade por causas específicas foram semelhantes quando a hipertensão gestacional e a pré-eclâmpsia foram examinadas separadamente.

Os pesquisadores “devem ser aplaudidos por levantar uma plausibilidade biológica da associação independente de HDPs com mortalidade prematura por todas as causas”, de acordo com um editorial de acompanhamento de Garima Sharma, MD, e colegas da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins em Baltimore.

“Para resumir, observamos uma população de mulheres jovens em risco que pode se beneficiar de triagem precoce e intervenção para doenças crônicas para prevenir a mortalidade precoce. Não devemos fechar a cortina nesta janela única”, disseram os editorialistas.

O grupo de Sharma sugeriu o desenvolvimento de melhores ferramentas de avaliação de risco que incorporam distúrbios hipertensivos da gravidez e algoritmos para intervenção precoce em mulheres consideradas de alto risco de DCV prematura.

Por enquanto, “as ferramentas disponíveis para prever o risco de DCV carecem de precisão para identificar mulheres de alto risco <40 anos de idade porque essas ferramentas foram desenvolvidas e validadas em populações predominantemente mais velhas (>50 anos de idade)”, de acordo com o grupo.

Detalhes do estudo

Os participantes do estudo foram 88.395 mulheres americanas no Nurses’ Health Study II, que passaram por 28 anos de acompanhamento. A média de idade ao primeiro nascimento foi de 26,7 anos.

Os distúrbios hipertensivos da gravidez ocorreram em pelo menos uma gravidez em 14,0% das mulheres. Os participantes que relataram hipertensão gestacional ou pré-eclâmpsia tiveram um IMC inicial maior e uma prevalência inicial de diabetes gestacional e história parental de diabetes, IM ou acidente vascular cerebral mais alta.

O grupo de Chavarro observou que as taxas de mortalidade por câncer não foram elevadas com hipertensão gestacional ou pré-eclâmpsia.

A incidência de hipertensão gestacional e pré-eclâmpsia foi autorrelatada no estudo, uma fonte potencial de viés e classificação incorreta da doença.

Outras limitações incluíram a possibilidade de confusão residual nas análises e a preponderância de mulheres brancas profissionais não hispânicas na coorte.

“São necessários estudos futuros que explorem as ligações biológicas entre os HDPs e a mortalidade prematura. A associação entre os HDPs e a mortalidade por algumas causas que não são intuitivamente relacionadas (como doenças do sistema nervoso) pode ser representativa de confusão não medida; no entanto, um HDP é sistêmico processo com efeitos de órgão-alvo bem conhecidos”, escreveu o grupo de Sharma.

______________________________

O estudo original foi publicado no Journal of the American College of Cardiology

* “Hypertensive Disorders of Pregnancy and Subsequent Risk of Premature Mortality” – 2021

Autores do estudo: Yi-Xin Wang, Mariel Arvizu, Janet W. Rich-Edwards, Liang Wang, Bernard Rosner, Jennifer J. Stuart, Kathryn M. Rexrode, and Jorge E. Chavarro – doi/10.1016/j.jacc.2021.01.018

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.