Perda da gravidez é comum quando o pai tem comorbidades médicas

A perda da gravidez foi mais comum para casais quando o pai tinha comorbidades médicas, revelou uma análise dos registros de seguros de saúde.

O risco de gravidez ectópica, aborto espontâneo ou natimorto era pelo menos 10% maior quando os futuros pais tinham reclamações relacionadas a condições médicas no ano anterior à concepção, como obesidade, diabetes ou pressão alta, relatou Michael Eisenberg, MD, da Universidade de Stanford, na Califórnia, e colegas.

Houve uma dose-resposta também, com a perda da gravidez se tornando cada vez mais provável à medida que o número de comorbidades paternas aumentava, escreveram os pesquisadores no Human Reproduction.

“O fato de que a saúde do pai antes da concepção realmente estabeleceu a base para a trajetória da gravidez … isso não era algo que realmente esperávamos encontrar”, disse Eisenberg ao MedPage Today.

Olhando não apenas para o diagnóstico da síndrome metabólica paterna, mas também para indicadores de saúde adicionais, como o índice de comorbidade de Charlson e doenças crônicas individuais, Eisenberg disse que ficou surpreso com a consistência dos resultados. “Independentemente de como definimos saúde, vimos o mesmo padrão”, disse ele.

O aconselhamento preconcepção tem tradicionalmente focado na mãe, uma vez que os impactos da mãe sobre o desenvolvimento do feto estão bem estabelecidos. No entanto, estudos recentes relacionaram a idade paterna avançada e o diabetes paterno a piores resultados fetais.

Embora os pesquisadores observem que as etiologias para a ligação entre a saúde dos pais e a perda da gravidez são desconhecidas, as alterações epigenéticas no esperma podem ser um mecanismo possível.

Alterações nas proteínas cromossômicas, DNA ou RNA no esperma, causadas por doenças paternas, podem resultar em interrupções no desenvolvimento fetal – e em possíveis consequências, como aborto espontâneo ou natimorto.

Características do estudo

No novo estudo, Eisenberg e coautores obtiveram dados de sinistros de seguro dos EUA de 2009 a 2016, identificando casais vinculados ao mesmo seguro primário. Tanto mulheres quanto homens deveriam estar inscritos no mesmo plano de seguro por 1 ano antes da data estimada de concepção. Os pesquisadores limitaram a análise a mulheres de 20 a 45 anos.

A equipe analisou os resultados da gravidez, incluindo nascidos vivos, natimortos, gravidez ectópica e aborto espontâneo, e identificou a saúde dos pais no ano anterior à concepção, usando o diagnóstico de síndrome metabólica (hipertensão, hiperlipidemia, obesidade, diabetes), o índice de comorbidade de Charlson ou identificação de doenças crônicas individuais, como doença pulmonar obstrutiva crônica, câncer ou doenças cardíacas.

As análises foram ajustadas por ano, região, hipertensão materna, diabetes materno, obesidade materna, idade e tabagismo, e os pesquisadores também conduziram análises de sensibilidade para avaliar como as famílias com gestações múltiplas ou perdas podem influenciar os resultados.

O estudo incluiu quase um milhão de gestações, cerca de um quarto das quais resultou em perda. As mães tinham em média 33 anos e a idade média dos pais era 35, com cerca de 5% acima dos 45 anos.

Um quarto dos pais no estudo tinha pelo menos um componente da síndrome metabólica antes da concepção. Todos os participantes do estudo foram observados por uma média de 4 anos antes da concepção.

O risco de perda da gravidez aumentou com um maior número de componentes paternos da doença metabólica. Em comparação com os pais que não tinham nenhum componente da síndrome metabólica, houve um risco 10% maior de perda da gravidez entre os pais que tinham um componente.

O risco aumentou para 15% quando os pais tinham dois componentes e 20% quando os pais tinham três ou mais componentes.

Riscos semelhantes foram observados com o índice de comorbidade de Charlson e doenças crônicas individuais, e pais menos saudáveis ​​tinham um risco maior em cada tipo de perda de gravidez, incluindo natimorto, gravidez ectópica e aborto espontâneo.

Conclusão dos autores

As limitações do estudo, disseram Eisenberg e coautores, incluíam a possibilidade de confusão não controlada, bem como erros de classificação devido a erros de codificação nos dados retrospectivos.

Além disso, a análise incluiu apenas gravidezes cobertas por seguro baseado no empregador, e vários fatores socioeconômicos e demográficos poderiam ter impactado ainda mais as taxas de perda de gravidez.

Eisenberg disse que este estudo deve encorajar os provedores a conversarem com seus pacientes sobre a saúde paterna antes da concepção.

“Isso dá mais evidências de que o pai é importante”, afirmou. “Certamente não é um mau conselho dizer a um homem para ser saudável, ter uma boa dieta e exercícios. É bom para a saúde do homem, mas também pode ajudar na gravidez.”

____________________________

O estudo original foi publicado no Human Reproduction

* “Association between preconception paternal health and pregnancy loss in the USA: an analysis of US claims data” – 2020

Autores do estudo: Alex M Kasman, Chiyuan A Zhang, Shufeng Li, Ying Lu, Ruth B Lathi, David K Stevenson, Gary M Shaw, Michael L Eisenberg – 10.1093/humrep/deaa332

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.