Pacientes com lúpus devem ter atividade da doença monitorada

Cada aumento de uma unidade em um escore de atividade da doença durante o primeiro ano após a inscrição em uma coorte de lúpus eritematoso sistêmico (LES) foi associado a um aumento significativo do risco de morte e danos a órgãos durante o acompanhamento subsequente, relataram os pesquisadores.

Em uma análise multivariável, o aumento de uma unidade na versão da Avaliação Nacional de Segurança de Estrogênios no Lúpus Eritematoso (SELENA) do Índice de Atividade de Doença de LES (SLEDAI) foi associado a um risco 22% maior de morte durante uma média de 7 anos de seguimento após ajuste para idade, sexo, raça, duração da doença e uso de prednisona em altas doses, de acordo com Michelle A. Petri, MD, da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins em Baltimore, e colegas.

Além disso, entre os pacientes sem danos aos órgãos no início do estudo, cada aumento de uma unidade no SELENA-SLEDAI durante o primeiro ano após a entrada na Coorte de Lúpus Hopkins foi associado a um risco aumentado de danos aos órgãos gerais durante os 7 anos subsequentes, que foi um tempo de acompanhamento relativamente curto, os pesquisadores relataram online na Lupus Science & Medicine. No entanto, o tratamento com hidroxicloroquina reduziu significativamente a probabilidade de danos.

As taxas de sobrevivência aumentaram dramaticamente nas últimas décadas, mas o dano irreversível ao órgão continua sendo uma preocupação importante, com os pacientes que sofrem dano podendo desenvolver mais dano, diminuindo assim sua probabilidade de sobrevivência.

Características do estudo

Portanto, para explorar o padrão atual de acúmulo de danos entre pacientes com LES em uma população de estudo com diversidade racial, o grupo de Petri analisou dados de sua coorte, incluindo 1.168 pacientes inscritos de 1987 a 2010. Pacientes com pelo menos 2 anos de acompanhamento foram incluídos na análise.

A atividade da doença foi avaliada em cada visita clínica trimestral, juntamente com dados sobre o uso de medicamentos, comorbidades e danos aos sistemas renal, cardiovascular, vascular periférico, pulmonar, neuropsiquiátrico e musculoesquelético.

Mais de 90% dos pacientes eram mulheres, 55% eram brancos e 39% eram de ascendência negra africana.

A idade mediana na inscrição da coorte foi de 36. A média de SELENA-SLEDAI ajustada foi de 3 durante o primeiro ano após a inscrição, com 55% dos pacientes apresentando atividade de doença leve a moderada, definida como SELENA-SLEDAI abaixo de 3.

O uso de medicamentos incluiu prednisona oral em 60,1% dos pacientes, prednisona oral em doses diárias acima de 7,5 mg em 36,6%, hidroxicloroquina em 65%, anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) em 38,3% e imunossupressores em 22,4%.

Um total de 8% dos pacientes morreram durante o acompanhamento, mas o uso de hidroxicloroquina foi associado a um risco 54% menor de morte.

Entre os pacientes sem danos aos órgãos no início, 39% desenvolveram danos durante o acompanhamento. Não houve diferenças no risco de danos quando a análise foi estratificada por raça.

Durante o acompanhamento, 3% dos pacientes sem dano renal no início do estudo desenvolveram esse dano ao órgão, e cada aumento de uma unidade na média ajustada de SELENA-SLEDAI foi associado a um risco aumentado de 24% de dano renal. O fato de ter sido tratado com hidroxicloroquina reduziu a probabilidade de dano renal em 70%, relataram os pesquisadores.

Entre os pacientes sem dano cardiovascular no momento da inscrição, 7% desenvolveram posteriormente esse tipo de dano, e cada aumento de uma unidade no SELENA-SLEDAI foi associado a um risco 17% maior. No entanto, os pacientes que usaram AINEs apresentaram um risco aumentado de 66% de danos cardiovasculares.

Além disso, os pacientes que foram tratados com anti-hipertensivos tiveram um risco 81% maior de dano cardiovascular.

Os achados de aumento do dano cardiovascular com AINE e uso de anti-hipertensivos “podem sugerir que o risco cardiovascular conhecido dos AINEs na população em geral também se aplica a pacientes com LES e destaca a importância de avaliar o risco cardiovascular nessa população de pacientes”, escreveram Petri e colegas .

As alterações no SELENA-SLEDAI não influenciaram o risco de danos em outros sistemas de órgãos, incluindo os sistemas vascular periférico, pulmonar e neuropsiquiátrico.

O estudo confirmou que mesmo pequenas flutuações na atividade da doença em pacientes com doença leve a moderada “ressaltam a necessidade de medidas ativas para controlar a atividade da doença do LES ao longo do tempo”, concluíram os autores.

Uma limitação do estudo, eles observaram, foi que ele foi realizado em um único centro terciário.

___________________________

O estudo original foi publicado no Lupus Science & Medicine

* “Impact of systemic lupus erythematosus disease activity, hydroxychloroquine and NSAID on the risk of subsequent organ system damage and death: analysis in a single US medical centre” – 

Autores do estudo: Deanna D Hill, Amanda M Eudy, Peter J Egger, Qinggong Fu – Estudos

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.