Identificada mutação do coronavírus nunca encontrada antes!

Como a pandemia de coronavírus que varreu o Brasil, além de rastrear o número de casos diários de COVID, existe uma comunidade científica mundial envolvida no rastreamento do próprio vírus SARS-CoV-2. Agora foi Identificada uma mutação do coronavírus nunca encontrada antes!

Mutação do coronavírus

O Dr Efrem Lim lidera uma equipe da ASU que analisa como o vírus pode se espalhar, sofrer mutações e se adaptar ao longo do tempo. Para rastrear a trilha do vírus em todo o mundo, a equipe de Lim está usando uma nova tecnologia chamada para ler rapidamente todas as 30.000 letras químicas do código genético SARS-CoV-2, chamado genoma.

Cada sequência é depositada em um banco genético mundial, administrado por uma organização científica sem fins lucrativos chamada GISAID. Até o momento, mais de 16.000 sequências de SARS-CoV-2 foram depositadas no banco de dados EpiCoVTM da GISAID. Os dados da sequência mostram que o SARS-CoV-2 originou uma única fonte de Wuhan, China, enquanto muitos dos primeiros casos do Arizona analisados ​​mostraram viagens da Europa como a fonte mais provável.

Agora, usando um conjunto de 382 amostras de swab nasal obtidas de possíveis casos de COVID-19 no Arizona, a equipe do Dr Lim identificou uma mutação SARS-CoV-2 que nunca havia sido encontrada antes – onde 81 das cartas desapareceram, permanentemente excluídas do genoma.

O Dr Lim diz que, assim que disponibilizou os dados sobre a nova mutação do coronavírus em um servidor de pré-impressão medRxiv, ele atraiu o interesse mundial da comunidade científica, incluindo a Organização Mundial da Saúde.

“Uma das razões pelas quais essa mutação é interessante é porque ela reflete uma grande exclusão que surgiu no surto de SARS em 2003”, disse Lim, professor assistente do Instituto de Biodesign da ASU, Arizona, EUA. Durante as fases média e tardia da epidemia de SARS, o SARS-CoV acumulou mutações que atenuaram o vírus. Os cientistas acreditam que um vírus enfraquecido que causa doenças menos graves pode ter uma vantagem seletiva se for capaz de se espalhar eficientemente pelas populações de pessoas infectadas sem saber.

A equipe de virologia da ASU havia sido configurada para realizar pesquisas sobre vírus da gripe sazonal, mas quando o terceiro caso de COVID-19 foi encontrado em um indivíduo do Arizona em 26 de janeiro de 2020, eles sabiam que tinham todas as proezas técnicas e científicas para rapidamente se dedicarem ao exame. a propagação do SARS-CoV-2.

“Esta foi a oportunidade científica de uma vida para a ASU poder contribuir para entender como esse vírus está se espalhando em nossa comunidade e como funciona a mutação do coronavírus. Como equipe, sabíamos que poderíamos fazer uma diferença significativa”, disse Lim.

Todos os casos positivos mostram que os genomas virais da SARS-CoV-2 eram diferentes entre si, o que significa que eram independentes um do outro. Isso indica que os novos casos não foram vinculados ao primeiro caso do Arizona em janeiro, mas o resultado de viagens recentes de diferentes locais.

No caso da mutação de 81 pares de bases, porque nunca foi encontrada antes no banco de dados GISAID, também poderia fornecer uma pista sobre como o vírus deixa as pessoas doentes. Também poderia formar um novo ponto de partida para outros cientistas desenvolverem medicamentos antivirais ou formularem novas vacinas.

O SARS-CoV-2 produz proteínas acessórias que o ajudam a infectar seu hospedeiro humano, replicar e eventualmente se espalhar de pessoa para pessoa. A deleção do genoma remove 27 blocos de construção de proteínas, chamados aminoácidos, da proteína acessória SARS-CoV-2 ORF7a. A proteína é muito semelhante ao antagonista imunológico de SARS-CoV de 2003 ORF7a / X4.

A equipe da ASU está trabalhando duro para realizar novas experiências para entender as conseqüências funcionais da mutação viral. Pensa-se que a proteína viral ajude o SARS-CoV-2 a escapar das defesas humanas, acabando com a morte da célula. Isso libera o vírus para infectar outras células em uma reação em cadeia em cascata que pode rapidamente fazer com que o vírus faça cópias de si mesmo por todo o corpo, causando eventualmente os graves sintomas de COVID-19 8 a 14 dias após a infecção inicial.

Identificada nova mutação do coronavírus nunca encontrada antesO Dr Lim ressalta que apenas 16.000 genomas de SARS-CoV-2 foram sequenciados até o momento, o que representa menos de 0,5% das cepas em circulação. Atualmente, existem mais de 3,5 milhões de casos confirmados de COVID-19 em todo o mundo.

O grupo do Dr Lim se uniu à TGen, UA e Northern Arizona University para continuar rastreando diferentes cepas genéticas do novo coronavírus. Juntas, a recém-formada União Genômica do COVID-19 do Arizona (ACGU) espera usar a análise de big data e o mapeamento genético para dar aos prestadores de serviços de saúde do Arizona e aos formuladores de políticas públicas uma vantagem no combate à crescente pandemia.

 

_____________________________

O estudo foi publicado na versão online do Journal of Virology.

* “An 81 nucleotide deletion in SARS-CoV-2 ORF7a identified from sentinel surveillance in Arizona (Jan-Mar 2020)”- 2020.

Autores do estudo: LaRinda A. Holland, Emily A. Kaelin, Rabia Maqsood, Bereket Estifanos, Lily I. Wu, Arvind Varsani, Rolf U. Halden, Brenda G. Hogue, Matthew Scotch, Efrem S. Lim – 10.1128/JVI.00711-20

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.