Monitorar os níveis de potássio em pacientes com acne pode ser arriscado

Alguns prescritores de espironolactona (CaroSpir, Aldactone) para acne ainda monitoram os níveis de potássio dos pacientes, apesar da iniciativa de eliminar essa prática, descobriu um novo estudo.

Em um estudo de coorte retrospectivo de mais de 100.000 pacientes do sexo feminino com acne, a porcentagem de profissionais de saúde que mediram os níveis de potássio em 180 dias após o início da espironolactona caiu de 41,4% em 2008 para 38,5% em 2018, relatou John Barbieri, MD, MBA, do Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia, e colegas.

Conforme mostrado em seu estudo online no JAMA Dermatology, essa prática caiu mais entre os dermatologistas – de 48,9% para 41%. E a quantidade de dermatologistas que sempre monitorariam os níveis de potássio também caiu de 10,6% para 4,2%.

Quanto aos internistas que prescreveram espironolactona para acne, a proporção que verificou os níveis de potássio nos primeiros 180 dias caiu de 39,7% para 37,7% de 2008 a 2018. No entanto, a proporção de internistas que disseram que sempre monitoram os níveis de potássio não caiu durante este tempo, mantendo-se estável entre 16% e 18%.

Por outro lado, os clínicos de prática avançada, como enfermeiros e assistentes médicos, foram esmagadoramente os mais propensos a monitorar os níveis de potássio, com a porcentagem aumentando de 71,4% para 75,4% durante esse período.

Preocupações de hipercalemia uma vez circuladas com o uso de espironolactona – um diurético poupador de potássio que também reduz os níveis do hormônio aldosterona – dados subsequentes, no entanto, mostraram poucos benefícios para monitorar os níveis em mulheres jovens saudáveis.

Outros dados também não mostraram risco aumentado de hipercalemia quando a espironolactona é prescrita com contraceptivos orais contendo drospirenona.

Por causa disso, várias diretrizes, incluindo as da American Academy of Dermatology, agora sugerem a eliminação da prática de monitorar os níveis de potássio em mulheres jovens saudáveis ​​em tratamento para acne.

“Essas descobertas destacam os desafios bem documentados de implementação de novas evidências na prática clínica e a necessidade de futuras pesquisas de implementação e disseminação para abordar essa lacuna prática”, escreveram os pesquisadores.

Não é muito surpreendente que os dermatologistas fossem o tipo de provedor com maior probabilidade de eliminar o monitoramento de potássio na prática clínica: “Como grande parte da literatura emergente sobre este tópico foi publicada em periódicos dermatológicos, a falta de mudança nos padrões de prática entre os internistas e os clínicos de prática avançada podem refletir a diminuição da consciência desses novos dados e a necessidade de intervenções educacionais direcionadas”, sugeriu a equipe.

“Outra possibilidade é que o aumento da experiência clínica e do conforto na prescrição de espironolactona tenha influenciado a frequência do monitoramento do nível de potássio”, acrescentaram Barbieri e coautores.

Esta análise particular incluiu apenas pacientes do sexo feminino com idades entre 12 e 45 anos que aparecem no Optum Clinformatics Data Mart. Todas as mulheres também tinham um código de diagnóstico de CID-9 ou CID-10 para acne e foram prescritos pelo menos um curso de 30 dias de espironolactona.

Cerca de metade dessas mulheres (54.583) foram tratadas por um dermatologista, enquanto cerca de um quarto (25.935) foram tratadas por um internista; menos de 1% (610) foram tratados por um clínico de prática avançada.

No geral, apenas 0,22% desses pacientes foram diagnosticados com hipercalemia durante o tratamento com espironolactona, relataram os pesquisadores.

__________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Dermatology

* “Temporal Trends and Clinician Variability in Potassium Monitoring of Healthy Young Women Treated for Acne With Spironolactone” – 2021

Autores do estudo: John S. Barbieri, MD, MBA, David J. Margolis, MD, PhD, Arash Mostaghimi, MD, MPA, MPH – 10.1001/jamadermatol.2020.5468

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.