Estudo tenta estabelecer melhor opção para tratar dissecção da artéria cervical

A dissecção da artéria cervical é uma ruptura na parede dos vasos sanguíneos do pescoço que fornecem sangue ao cérebro. Existem duas de cada artéria, uma artéria carótida à direita e outra à esquerda do pescoço, e uma artéria vertebral à direita e outra à esquerda do pescoço.

Quando ocorrem lacerações nas paredes dessas artérias, podem se formar coágulos dentro da artéria. Esses coágulos podem então se desprender da parede arterial e viajar para o cérebro para causar um derrame.

A maneira padrão de tratar lacerações nessas artérias é administrar aos pacientes medicamentos que tornam o sangue mais fino e reduzem a formação de coágulos. No entanto, às vezes os pacientes continuam a apresentar sintomas de acidente vascular cerebral e sua condição piora apesar de estarem em uso de medicação em dose máxima.

Objetivo da revisão

A revisão foi conduzida para estabelecer se uma operação cirúrgica ou um tratamento endovascular, tal colocação de stent além de medicação para afinar o sangue melhoraria os resultados em pessoas com dissecção da artéria cervical para quem o tratamento com medicação para afinar o sangue sozinho não melhora a persistência ou agravamento dos sintomas de AVC.

Os resultados que os autores quiseram avaliar são danos cerebrais permanentes e incapacidade de longo prazo por derrame.

Critério de seleção

Ensaios clínicos randomizados (ECRs) e ensaios clínicos controlados (ECCs) de intervenção cirúrgica ou endovascular para o gerenciamento de CeAD sintomático foram elegíveis para inclusão.

Apenas estudos com anticoagulantes ou tratamento antiplaquetário como grupo controle foram incluídos. Dois revisores planejaram extrair dados de forma independente.

Coleta e análise de dados

Os resultados primários foram acidente vascular cerebral ipsilateral e deficiência. Os desfechos secundários foram morte, qualquer acidente vascular cerebral ou ataque isquêmico transitório, estenose residual, recorrência de dissecção cervical, expansão do pseudoaneurisma ou sangramento importante.

Os autores analisaram os estudos de acordo com a primeira escolha de tratamento. Eles planejaram avaliar o risco de viés e aplicar os critérios GRADE para todos os estudos incluídos.

Características do estudo

A equipe buscou estudos que foram conduzidos de forma objetiva e projetados especificamente para comparar a cirurgia ou a intervenção radiológica à terapia médica isolada.

Principais resultados

Não foram encontrados nenhum ensaio que correspondesse aos critérios da revisão. Portanto, não há evidência objetiva disponível de que uma operação ou procedimento radiológico possa beneficiar pacientes que continuam a apresentar sintomas de AVC, apesar da terapia médica.

Os autores localizaram vários relatos de grupos experientes de médicos de que as operações e intervenções radiológicas estavam seguras em suas mãos. No entanto, não encontraram evidências de que isso poderia ser aplicável a outros hospitais e equipes clínicas. Portanto, estudos em larga escala e bem conduzidos são necessários para responder à questão da revisão.

Certeza da evidência

Não há evidências de boa qualidade para orientar os médicos sobre o melhor tratamento para pessoas com dissecção da artéria cervical que permanecem sintomáticas apesar da terapia medicamentosa ideal.

Implicações para a Prática

Nenhuma conclusão pode ser tirada sobre as intervenções cirúrgicas ou radiológicas para CeAD em pacientes sintomáticos a partir desta revisão e, conseqüentemente, não há implicações para a prática.

Embora os dados observacionais sugiram que a terapia endovascular pode ser usada no CeAD quando a terapia antitrombótica falha ou um infarto hemodinâmico é iminente, e que a intervenção cirúrgica pode ser considerada se a terapia endovascular for uma contraindicação e a lesão for anatomicamente acessível, o nível de evidência é insuficiente para apoiar esta.

Na ausência de evidências robustas, o CeAD em pacientes com sintomas neurológicos em evolução, apesar da terapia médica, continua sendo uma condição em que um médico de cabeceira deve usar, caso a caso, o melhor julgamento clínico e adotar uma abordagem de cuidado escalonada.

Conclusão dos autores

Nenhum ECR ou ECC comparou a cirurgia ou terapia endovascular com o controle.

Portanto, não há evidências disponíveis para apoiar seu uso para o tratamento de dissecção da artéria cervical extracraniana além da terapia antitrombótica em pessoas que continuam a ter sintomas neurológicos quando tratadas apenas com terapia antitrombótica.

____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Surgical and radiological interventions for treating symptomatic extracranial cervical artery dissection” – 2021

Autores do estudo: Hynes N, Kavanagh EP, Sultan S, Jordan F – 10.1002/14651858.CD013118.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.