Confirmado: doença celíaca começa com ingestão de glúten na infância!

Um extenso estudo confirmou que o risco de desenvolver doença celíaca está relacionado à quantidade de ingestão de glúten consumida ainda na infância. O novo estudo é observacional e, portanto, não provoca causalidade; no entanto, é o mais abrangente de seu tipo até hoje.

Um estudo completo sobre a ingestão de glúten

No total, 6.600 crianças com risco aumentado de desenvolver doença celíaca foram acompanhadas desde o nascimento até a idade de cinco anos, na Suécia, Finlândia, Alemanha e EUA.

“Nosso estudo mostra uma clara associação entre a quantidade de glúten consumida pelas crianças e o risco de desenvolver doença celíaca ou doença pré-celíaca. Isso confirma nossas descobertas anteriores de estudos em apenas crianças sa Suécia”, diz o Dr Daniel Agardh, professor da Universidade de Lund e consultor do Skåne University Hospital em Malmö e líder do estudo.

As descobertas anteriores foram de um estudo piloto menor em 2016 pelo mesmo grupo de pesquisa. Apenas crianças suecas participaram desse estudo e o tempo de acompanhamento foi menor.

Os resultados atuais também mostram que o risco de desenvolvimento de doença pré-celíaca ou doença celíaca foi maior em crianças de 2 a 3 anos com maior risco de desenvolver doença celíaca. O aumento do risco era perceptível mesmo com pequenas quantidades de glúten – uma ingestão diária de 2 gramas – ou o equivalente a uma fatia de pão branco.

“A ingestão diária de glúten acima de 2 gramas aos 2 anos de idade foi associada a um aumento de 75% no risco de desenvolver doença celíaca. Isso é em comparação com crianças que ingeriram menos de 2 gramas de glúten. No entanto, determinar uma recomendação ou limite é um desafio, pois a ingestão de glúten varia e aumenta durante os primeiros anos de vida”, diz Carin Andrén Aronsson, nutricionista da Universidade de Lund e co-autora do estudo.

A associação era evidente em todos os países participantes, com exceção da Alemanha, onde havia dados insuficientes para tirar conclusões definitivas.

Quando se trata de aconselhamento dietético, o Dr Daniel Agardh considera que é a Agência Nacional de Alimentos sueca ou organizações equivalentes em outros países, que devem tirar conclusões sobre se e como as recomendações sobre o glúten devem ser alteradas. Ele também enfatiza que a maioria do grupo com risco aumentado de doença celíaca não desenvolve a doença.

“Portanto, deve-se levar seriamente em consideração antes de dar conselhos sobre uma determinada dieta ou restrições alimentares”, diz o Dr Daniel Agardh.

A equipe de pesquisa realizou anteriormente vários estudos abrangentes sobre as causas da doença celíaca. Entre outras coisas, demonstraram que o significado do momento em que uma criança começa a comer glúten provavelmente terá um papel muito pequeno, se houver. Tampouco conseguiram demonstrar qualquer efeito protetor claro da amamentação.

Confirmado - doença celíaca começa com ingestão de glúten durante a infancia

A pesquisa atual é baseada na ingestão total de glúten. O próximo passo é estudar quais grupos de alimentos que contêm glúten são de maior importância em comparação com outros para o desenvolvimento da doença celíaca. Em outros projetos de pesquisa, o Dr Daniel Agardh e seus colegas estão investigando a importância das doenças infecciosas, bem como se uma dieta sem glúten poderia reduzir o risco de doença celíaca em crianças que foram avaliadas como tendo o maior risco de desenvolver a doença.

Os resultados foram publicados na prestigiosa revista científica JAMA.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.