Ensaio tenta identificar qual o melhor tratamento para veias varicosas

As varizes são veias protuberantes e sinuosas próximas à superfície da pele que geralmente ocorrem nas pernas. Eles são causados ​​por insuficiência venosa crônica, que ocorre quando suas veias não conseguem ajudar o sangue a fluir de volta para o coração de forma eficiente, e o sangue se acumula nas pernas. Acredita-se que cerca de um terço dos adultos tenha insuficiência venosa crônica e as mulheres têm mais probabilidade do que os homens de ter veias varicosas.

As veias varicosas podem ser dolorosas, coceira e desagradáveis ​​à vista, especialmente quando em pé e ao caminhar. Ocasionalmente, podem resultar em alterações na pele ou feridas (úlceras) na perna que levam mais de duas semanas para cicatrizar.

Mensagens-chave

Não há certeza sobre quais tratamentos são melhores para as veias varicosas porque encontramos apenas um pequeno número de estudos que compararam os diferentes tipos de tratamento e porque os estudos diferem na forma como medem os resultados.

  • Todos os tratamentos para veias varicosas atualmente disponíveis são semelhantes em termos de se o tratamento destrói totalmente a veia ou impede que o sangue se acumule nas pernas, ou ambos (sucesso técnico).
  • São necessários mais estudos que forneçam mais evidências sobre todos os tratamentos disponíveis.

Como as varizes são tratadas?

As varizes podem ser tratadas por meio de uma variedade de procedimentos.

Tradicionalmente, a cirurgia era usada para remover a veia da superfície principal (chamada de “veia safena magna”, que vai da virilha até o tornozelo) e quaisquer veias varicosas conectadas através de pequenas aberturas na perna. As pessoas que passam por este procedimento (conhecido como “ligadura alta e remoção”) precisam de uma anestesia geral para deixá-las inconscientes e evitar que sintam dor ou se movam durante a cirurgia.

Mais recentemente, surgiram vários tratamentos em que o procedimento é feito dentro da veia (endovenosa), por meio de um tubo muito fino. Esses tratamentos envolvem o selamento da veia principal da coxa, danificando deliberadamente a parede da veia. Existem dois tipos principais de tratamento:

  • Base de calor, em que a energia térmica de lasers, ondas de rádio ou vapor é usada para danificar a parede da veia;
  • De base química, onde produtos químicos (incluindo espuma ou cola) são usados ​​para danificar e, consequentemente, selar a veia.

Esses novos tratamentos são feitos com anestesia local, o que significa que você não sente dor nas pernas durante o procedimento, mas permanece acordado.

Resultados principais

Os autores identificaram 11 novos ECRs para esta atualização. Portanto, foram incluídos 24 ensaios clínicos randomizados com 5.135 participantes. A duração do acompanhamento variou de cinco semanas a oito anos e cinco comparações incluíram ensaios individuais.

Para comparações com mais de um ensaio, só pudemos reunir dados para ‘sucesso técnico’ e ‘recorrência’ devido à heterogeneidade nas definições de resultados e momentos relatados. Todos os ensaios clínicos apresentaram algum risco de preconceito. Aqui nós relatamos as comparações clinicamente mais relevantes.

Conclusão dos autores

As conclusões são limitadas devido ao número relativamente pequeno de estudos para cada comparação e diferenças nas definições de resultados e momentos relatados. O sucesso técnico foi comparável entre a maioria das modalidades.

O EVLA pode oferecer melhor sucesso técnico em comparação com UGFS ou HL/S. O HL/S pode ter melhorado o sucesso técnico em comparação com UGFS.

Nenhuma evidência de diferença foi detectada na recorrência, exceto para um possível benefício a longo prazo para RFA em comparação com EVLA ou HL/S. São necessários estudos que forneçam mais evidências sobre a amplitude dos tratamentos. Estudos futuros devem buscar padronizar a terminologia clínica das medidas de resultados e os momentos em que são medidos.

______________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

“Interventions for great saphenous vein incompetence” – 2021

Autores do estudo: Whing J, Nandhra S, Nesbitt C, Stansby G – Estudo