Terapias psicológicas para tratar úlceras do pé diabético

O diabetes é uma condição que causa altos níveis de açúcar no sangue. Os níveis de açúcar no sangue são controlados pela insulina, um hormônio produzido pelo pâncreas. A insulina instrui o fígado, os músculos e as células de gordura a remover o açúcar do sangue e armazená-lo. Quando o pâncreas não produz insulina suficiente ou o corpo não responde à insulina, muito açúcar permanece no sangue.

O açúcar elevado no sangue pode danificar os nervos nas extremidades do corpo (como as mãos ou pés) e causar dormência. Isso significa que, se alguém com diabetes cortar o pé ao pisar em um objeto pontiagudo ou desenvolver bolhas nos pés, ele pode não saber. As bolhas podem evoluir para feridas abertas ou feridas, conhecidas como úlceras do pé diabético (UPD).

A cicatrização pode ser lenta, porque o diabetes danifica os vasos sanguíneos e restringe o suprimento de sangue – e o oxigênio e os nutrientes que o sangue transporta, que são necessários para a cura. Se não forem tratadas, as úlceras podem infeccionar. Em casos graves, pode ser necessária a amputação de um dedo do pé, pé ou mais.

Pessoas com UPD podem se sentir angustiadas com suas feridas e com o impacto que elas têm em suas vidas. Isso pode reduzir as chances de cicatrização das úlceras e aumentar a probabilidade de reaparecimento. As terapias psicológicas podem melhorar a cura da úlcera e prevenir o reaparecimento, ajudando as pessoas a sentir que podem controlar o diabetes e superar a UPD.

O que os autores descobriram?

Os autores queriam descobrir se as terapias psicológicas melhoram a cura de úlceras do pé diabético e previnem seu reaparecimento.

Eles também queriam saber se eles afetam o número de amputações, a qualidade de vida, o custo do tratamento e a crença das pessoas de que podem manejar a doença, além de comparar os efeitos de diferentes terapias psicológicas.

Métodos utilizados

Os autores procuraram ensaios clínicos randomizados relevantes, nos quais o tratamento que cada pessoa recebe é escolhido aleatoriamente. Esses estudos fornecem as evidências mais confiáveis ​​sobre os efeitos de um tratamento. Em seguida, comparamos os resultados e resumimos as evidências de todos os estudos.

Eles avaliaram o grau de certeza das evidências, considerando fatores como a forma como os estudos foram conduzidos, o tamanho dos estudos e a consistência das descobertas entre os estudos. Com base nas avaliações, a equipe categorizou as evidências como sendo de certeza muito baixa, baixa, moderada ou alta.

Achados dos autores

A equipe localizou sete estudos que envolveram 290 pessoas com diabetes acompanhadas por um período de seis semanas a seis meses. Os estudos foram realizados na Austrália, EUA, Noruega, Indonésia, África do Sul e Reino Unido. As terapias psicológicas investigadas foram:

  • Aconselhamento (três estudos)
  • Relaxamento muscular (um estudo)
  • Motivação individualizada (um estudo)
  • Uma terapia que visa desenvolver a compreensão de bem-estar de uma pessoa (um estudo)
  • Terapia cognitivo-comportamental baseada em grupo (um estudo)

Terapias psicológicas em comparação com os cuidados habituais

Não se sabe se as terapias psicológicas melhoram a cura da UPD ou previnem o reaparecimento da úlcera, porque a evidência é muito baixa.

Diferentes terapias psicológicas comparadas entre si

Não é possível saber se algumas terapias psicológicas têm mais efeito do que outras na cura de UPD ou na prevenção do reaparecimento da úlcera. Isso ocorre porque nenhum estudo investigou isso ou a evidência é de certeza muito baixa.

Os autores também não sabem se as terapias psicológicas têm efeito sobre o tempo que leva para as úlceras reaparecerem, amputação, qualidade de vida ou a crença de uma pessoa em sua capacidade de controlar sua condição, porque não havia ou havia poucos estudos investigando isso. Nenhum estudo relatou informações sobre o custo das terapias psicológicas.

O que isto significa?

Não há evidências robustas sobre os efeitos das terapias psicológicas na cura e recorrência de UPD.

Há uma necessidade de estudos de alta qualidade que incluam pessoas suficientes para detectar um efeito potencial das terapias psicológicas na cicatrização ou no reaparecimento da úlcera. Seria útil chegar a um acordo sobre um conjunto de medidas claras para incluir em todos os estudos futuros, de modo que os resultados de diferentes estudos pudessem ser comparados e analisados ​​em conjunto.

Conclusões dos autores

Não é possível determinar se as intervenções psicológicas têm algum benefício para pessoas com úlcera de pé diabético ativo ou com histórico de úlceras de pé diabético para atingir a cicatrização completa da ferida ou prevenir recorrência.

Isso ocorre porque existem poucos ensaios de intervenções psicológicas nesta área. Dos ensaios que incluímos, poucos mediram todos os nossos resultados de interesse e, onde o fizeram, julgamos as evidências, usando os critérios GRADE, como sendo de certeza muito baixa.

__________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Psychological interventions for treating foot ulcers, and preventing their recurrence, in people with diabetes” – 2021

Autores do estudo: McGloin H, Devane D, McIntosh CD, Winkley K, Gethin G – 10.1002/14651858.CD012835.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.