Fumantes têm risco de morte maior por doença cardiovascular

De acordo com um estudo publicado em novembro de 2021 no Journal of American Heart Association, pelo menos 1 em cada 5 homens e 1 em cada 10 mulheres que fumam morrerão de um evento de doença cardiovascular, como um ataque cardíaco ou derrame cerebral.

Muitos desses fumantes não conseguem prever esses problemas. Fumantes que morrem de ataques cardíacos e derrames têm muito mais probabilidade do que os não fumantes de não saber que têm doenças cardiovasculares, principalmente quando são jovens.

Entre os jovens adultos na casa dos vinte e trinta anos, os fumantes têm pelo menos duas vezes mais probabilidade do que os não fumantes de morrer de ataque cardíaco ou derrame sem um diagnóstico prévio de doença cardiovascular, descobriu o estudo. Adultos de meia-idade na casa dos quarenta e cinquenta anos têm um risco cerca de 80 por cento maior dessas mortes súbitas, e o risco permanece pelo menos 30 por cento maior para os adultos mais velhos.

“O risco de doença cardíaca às vezes é considerado algo que não afeta os adultos jovens e está muito distante”, diz o principal autor do estudo, Sadiya Khan, MD, professor assistente e cardiologista da Northwestern University Feinberg School of Medicine em Chicago.

“Esses resultados enfatizam que mesmo a exposição a curto prazo ao tabagismo pode ter consequências negativas”, ressaltou o Dr. Khan.

O risco geral de que a morte seja o primeiro sinal de doença cardiovascular é relativamente baixo. Nas mulheres, isso acontece com 1,6% das fumantes jovens, 4,5% das fumantes na casa dos 40 e 50 anos e 4,9% das adultas mais velhas que fumam. Entre os homens, isso ocorre com 1,7% dos adultos jovens que fumam, assim como 4,8% dos fumantes de meia-idade e 6,7% dos fumantes idosos.

Entretanto, mais de 34 milhões de adultos norte-americanos fumam cigarros e, a cada ano, mais de 480.000 deles morrem como resultado, de acordo com a American Heart Association.

Detalhes do estudo

Para o novo estudo, os pesquisadores examinaram dados de mais de 106.000 adultos norte-americanos que faziam parte de nove estudos publicados anteriormente que examinavam como o fumo e outros fatores de estilo de vida afetam a saúde cardiovascular. Nenhum desses adultos tinha doença cardiovascular no início dos estudos, que acompanharam os participantes por 10 a 25 anos para ver quantos deles desenvolveram doenças cardíacas ou sofreram eventos como ataques cardíacos ou derrames.

Uma limitação do novo estudo é que o tabagismo foi avaliado apenas em um único ponto no tempo nos nove estudos incluídos na análise, e é possível que algumas pessoas parem ou tenham começado a fumar mais tarde. Outra desvantagem é que os pesquisadores não tinham dados sobre quantos anos as pessoas fumaram ou o número de cigarros que fumavam por dia, os quais podem influenciar o risco de eventos como ataques cardíacos e derrames.

Muitas das pesquisas anteriores sobre tabagismo e o risco de doenças cardiovasculares se concentraram em adultos mais velhos.

Um estudo publicado há 15 anos na Circulation, por exemplo, acompanhou pessoas de 50 anos sem doenças cardiovasculares para ver quais fatores poderiam aumentar o risco de desenvolver ou morrer de ataques cardíacos e derrames. Os fumantes tinham quase o dobro do risco de eventos cardíacos, bem como uma vida útil mais curta.

Outro estudo mais antigo, publicado no New England Journal of Medicine, enfocou o risco ao longo da vida de eventos cardiovasculares em adultos de 45 anos ou mais com base no tabagismo e outros fatores de risco importantes, como diabetes, pressão alta e níveis elevados de colesterol.

Com apenas um desses fatores de risco, a chance de um ataque cardíaco ao longo da vida era de 37,5% para homens e 18,3% para mulheres. A probabilidade de um AVC ao longo da vida é de 8,3% para homens e 10,7% para mulheres. Todas essas chances eram muito maiores para fumantes do que para pessoas que não eram fumantes e não tinham nenhum dos outros principais fatores de risco para doenças cardiovasculares.

Fumantes podem não entender seu risco elevado de doenças cardiovasculares em parte porque existem tantos outros fatores – incluindo diabetes, obesidade, pressão alta e colesterol alto – que também podem contribuir para o risco de ataques cardíacos e derrames, diz Judith Prochaska, PhD , MPH, professora de medicina e pesquisadora sobre hábitos de fumar na Stanford University, na Califórnia.

______________________________

O estudo original foi publicado no

“Cigarette Smoking and Competing Risks for Fatal and Nonfatal Cardiovascular Disease Subtypes Across the Life Course” – 2021

Autores do estudo: Sadiya S. Khan, Hongyan Ning, Arjun Sinha, John Wilkins, Norrina B. Allen, Thanh Huyen T. Vu, Jarett D. Berry, Donald M. Lloyd‐Jones, Ranya Sweis – Estudo