Cochilos diurnos podem estar associados a um risco maior de demência

Um novo estudo descobriu que cochilos diurnos estavam associados a um risco aumentado de demência.

Os adultos mais velhos no estudo eram 40% mais propensos a desenvolver a doença de Alzheimer quando cochilavam diariamente ou cochilavam por mais de uma hora nos dias de soneca, segundo o estudo. E, uma vez que desenvolveram a doença de Alzheimer, a frequência e a duração dos cochilos aumentaram.

“Os comportamentos de sono diurno de adultos mais velhos são muitas vezes ignorados”, disse o principal autor do estudo, Peng Li, PhD, da divisão de distúrbios do sono e circadianos no Brigham and Women’s Hospital, em Boston, em um artigo no Harvard Gazette.

“Nossos resultados não apenas sugerem que cochilos diurnos excessivos podem sinalizar um risco elevado de demência de Alzheimer, mas também mostram que o aumento anual mais rápido de cochilos diurnos pode ser um sinal de deterioração ou progressão clínica desfavorável da doença”, disse Li.

A cada ano do estudo, a duração média dos cochilos diurnos aumentou 11 minutos entre os adultos que não desenvolveram problemas cognitivos. Os cientistas esperavam isso porque cochilar tende a se tornar mais comum com a idade, pois uma variedade de problemas – incluindo despertares mais frequentes para urinar – interrompe o sono à noite.

Mas a duração média dos cochilos diurnos aumentou duas vezes mais rápido entre os participantes que foram diagnosticados com comprometimento cognitivo leve durante o estudo, aumentando em média 24 minutos por dia.

As durações diárias das sonecas aumentaram quase três vezes mais rápido entre aqueles que desenvolveram a doença de Alzheimer, aumentando em média 68 minutos.

A conexão entre demência e cochilos diurnos excessivos persistiu mesmo depois que os pesquisadores contabilizaram a qualidade e a quantidade de sono à noite. Os despertares noturnos e a variação na quantidade ou qualidade do sono de um dia para o outro também não influenciaram a relação entre cochilo e demência.

Os resultados do estudo foram publicados na Alzheimer’s & Dementia em 17 de março.

Uma limitação do estudo é que a actigrafia usada no pulso não é o padrão-ouro para medir a qualidade ou a quantidade do sono. Esses dispositivos rastreiam o movimento, e os cientistas supõem que longos trechos quando as pessoas ficam imóveis durante o dia indicam cochilos. É possível, em alguns casos, que as pessoas estejam lendo ou assistindo televisão.

Além disso, outra desvantagem do estudo é que os resultados dessa população idosa, c om idade entre 74 e 88 anos, podem não refletir o que aconteceria entre os adultos mais jovens.

Mesmo assim, as descobertas sugerem que as pessoas precisam prestar mais atenção às mudanças em seus hábitos de sono à medida que envelhecem, especialmente se sentirem que os cochilos estão se tornando mais longos ou rotineiros.

“Nosso estudo pede mais atenção aos padrões de sono de 24 horas – não apenas o sono noturno, mas também o sono diurno – para monitoramento da saúde em adultos mais velhos”, disse Li.

__________________________

O estudo original foi publicado na Alzheimer’s & Dementia

“Daytime napping and Alzheimer’s dementia: A potential bidirectional relationship” – 2022

Autores do estudo: Peng Li, Lei Gao, Lei Yu,Xi Zheng, Ma Cherrysse Ulsa, Hui-Wen Yang, Arlen Gaba, Kristine Yaffe, David A. Bennett, Aron S. Buchman, Kun Hu, Yue Leng – Estudo

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.