Estudo sobre hidroxicloroquina preocupa cientistas no mundo!

Dezenas de cientistas levantaram preocupações sobre um estudo sobre hidroxicloroquina e cloroquina publicado no Lancet que levou a Organização Mundial da Saúde a suspender os ensaios clínicos dos medicamentos antivirais como um tratamento potencial para o COVID-19.

A hidroxicloroquina, normalmente usada para tratar a artrite, tornou-se um dos medicamentos de mais alto nível sendo testados para uso contra o novo coronavírus em parte devido a endossos de figuras públicas, incluindo o presidente dos EUA, Donald Trump.

O estudo sobre hidroxicloroquina e cloroquina

Na sexta-feira, os pesquisadores confirmaram a conclusão de seu estudo de que o tratamento com hidroxicloroquina e cloroquina, um antimalárico, não mostrou benefício e até aumentou a probabilidade de pacientes morrerem no hospital.

A pesquisa observacional, liderada por Mandeep Mehra, do Hospital Brigham and Women, nos EUA, analisou registros de 96.000 pacientes em centenas de hospitais entre dezembro e abril e comparou aqueles que receberam tratamento com um grupo de controle.

A pesquisa, publicada na revista médica Lancet em 22 de maio, seguiu vários estudos menores que sugeriram que a hidroxicloroquina é ineficaz no tratamento do COVID-19 e pode até ser mais perigosa do que não fazer nada.

Ambos os medicamentos podem produzir efeitos colaterais potencialmente graves, particularmente arritmia cardíaca.

Em alguns dias, a OMS suspendeu temporariamente o uso dos medicamentos em seu Estudo de Solidariedade, que viu centenas de hospitais em vários países matriculando pacientes para testar possíveis tratamentos para o COVID-19.

“Esse impacto levou muitos pesquisadores ao redor do mundo a examinar detalhadamente a publicação em questão”, disse a carta aberta em resposta ao estudo, que foi assinado por vários cientistas importantes e publicado na quinta-feira.

Acrescentou que esse exame levantou “preocupações metodológicas e de integridade de dados”.

Uma das principais preocupações foi a falta de informações sobre os países e hospitais que contribuíram com dados, fornecidos pela empresa de análise de dados de saúde de Chicago, Surgisphere.

Outras questões destacadas incluem discrepâncias nos dados para a Austrália, onde eles disseram que houve mais mortes registradas nos hospitais cobertos pelo estudo do que números oficiais de todo o país.

Em um comunicado divulgado na sexta-feira, o Lancet informou que estava publicando uma correção para alterar a discrepância, o que ocorreu porque um hospital havia se auto-designado como estando no continente da Australásia, quando deveria estar na Ásia.

“O Lancet incentiva o debate científico e publicará as respostas ao estudo, juntamente com uma resposta dos autores, na revista no devido tempo”, afirmou, acrescentando que a conclusão do estudo permaneceu inalterada.

‘Sérias dúvidas’

Mehra também divulgou uma declaração dizendo que os autores do estudo iniciaram uma revisão acadêmica de seu trabalho, acrescentando que ele foi realizado “na ausência de um conjunto de dados grande, robusto e disponível ao público sobre hidroxicloroquina ou cloroquina. Como articulado no estudo, os autores sublinharam a importância e o valor de ensaios clínicos randomizados e articularam que tais ensaios serão necessários antes que se chegue a conclusões. No entanto, esses resultados não são esperados até o verão e, dada a urgência da situação, alavancar o conjunto de dados disponível foi uma etapa intermediária”, afirmou.

Um porta-voz da OMS disse que uma revisão abrangente dos medicamentos deve chegar a uma conclusão em meados de junho.

Estudo sobre hidroxicloroquina preocupa cientistas no mundoEntre os signatários da carta que questionava a pesquisa estavam clínicos, epidemiologistas e outros pesquisadores de todo o mundo, de Harvard ao Imperial College London.

François Balloux, da University College London, disse acreditar que era seu “dever” acrescentar seu nome aos pedidos de respostas a perguntas sobre o estudo e de maior transparência.

“Tenho sérias dúvidas sobre o benefício do tratamento com CQ/HCQ para a infecção da COVID19 e não posso esperar que todo o drama termine. Porém, acredito que a ‘integridade da pesquisa’ não pode ser invocada apenas quando um artigo não apóia nossos preconceitos”, disse ele no Twitter.

A carta também foi assinada pelo pesquisador francês Philippe Parola, colega do professor Didier Raoult, de Marselha, cujo trabalho está na vanguarda da promoção da hidroxicloroquina e também foi alvo de críticas sobre a metodologia.

A crise do coronavírus colocou uma pressão enorme no sistema normalmente calmo da publicação científica, com uma avalanche de pesquisas e o processo de revisão por pares consideravelmente acelerado.

 

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.