Estudo analisa se é seguro reduzir medicação para a pressão arterial

A maioria dos pacientes que fazem uso de medicamentos para controlar a pressão arterial acabam solicitando ao médico responsável que haja uma redução do número de remédios prescritos.

A população mais afetada pela questão da recomendação de múltiplos medicamentos, conhecidos como polifarmácia, são os idosos.

Tentar organizar longas listas de medicamentos e lembrar de tomá-los exatamente como prescritos pode se tornar um trabalho de tempo integral.

Além da carga física e emocional de organizar os medicamentos, os adultos mais velhos correm um risco maior de certos tipos de efeitos colaterais e resultados potencialmente piores devido à polifarmácia.

Uma fonte comum de prescrições é a hipertensão, com os adultos mais velhos tomando vários medicamentos para baixar a pressão. Dados do Framingham Heart Study mostram que mais de 90% das pessoas de meia-idade acabam desenvolvendo hipertensão e pelo menos 60% passam a tomar medicamentos para baixar a pressão.

O ensaio OPTIMIZE, publicado recentemente no JAMA, estudou o efeito da redução do número de medicamentos para a pressão arterial, também conhecidos como desinfectantes, em idosos.

Quão baixa deve ser a pressão arterial em adultos mais velhos?

Grandes estudos anteriores, incluindo o estudo HYVET e o estudo mais recente SPRINT, mostraram que o tratamento da pressão alta em adultos mais velhos continua importante e pode reduzir o risco de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca, derrame e morte cardiovascular.

Os adultos negros constituíram 31% da população do estudo SPRINT, portanto, os resultados do estudo podem ser usados ​​para fazer recomendações para essa população, que está sob risco aumentado de hipertensão.

No entanto, muitos grupos de idosos foram excluídos, incluindo residentes de lares de idosos, aqueles com demência, diabetes e outras condições comuns em idosos mais frágeis.

As diretrizes mais recentes do American College of Cardiology (ACC) e da American Heart Association (AHA), publicadas em 2017, definem a pressão arterial ideal como inferior a 120/80 para a maioria das pessoas, incluindo idosos com 65 anos ou mais.

Eles recomendam uma meta de 130/80 para a pressão arterial tratada com medicamentos. As diretrizes de 2018 da European Society of Cardiology (ESC) e da European Society of Hypertension (ESH) recomendam uma meta mais relaxada de menos de 140/90.

As populações dos Estados Unidos e da Europa diferem em seu risco de doenças cardiovasculares, sendo a população dos EUA geralmente considerada de maior risco para derrames, insuficiência cardíaca e ataques cardíacos, portanto, pode ser apropriado ter metas de pressão arterial diferentes para esses dois grupos.

Apesar disso, ambos os grupos reconhecem que fatores como fragilidade, expectativa de vida limitada, demência e outras questões médicas devem ser considerados ao desenvolver metas individualizadas para os pacientes.

O que aconteceu aos pacientes mais velhos cujos medicamentos para pressão arterial foram reduzidos?

O estudo OPTIMIZE forneceu evidências preliminares de que alguns idosos podem ser capazes de reduzir o número de medicamentos para pressão arterial que tomam, sem causar um grande aumento na pressão arterial.

Para o estudo, os pesquisadores randomizaram 569 pacientes com 80 anos ou mais, com pressão arterial sistólica inferior a 150 mm Hg, para permanecer com seus medicamentos atuais para pressão arterial ou para remover pelo menos um medicamento para pressão arterial de acordo com um protocolo pré-especificado. Os sujeitos do estudo foram acompanhados por 12 semanas para avaliar a resposta da pressão arterial.

Os pesquisadores descobriram que tanto as pessoas que permaneceram com seus medicamentos para pressão arterial anteriores quanto aqueles que reduziram o número de medicamentos tinham controle semelhante da pressão arterial no final do estudo.

Enquanto o aumento médio da pressão arterial sistólica para o grupo que reduziu os medicamentos foi 3,4 mm Hg maior do que o grupo controle, o número de pacientes que tiveram pressão arterial sistólica abaixo da meta de 150 mm Hg no final do estudo não foi significativamente diferente entre grupos. Aproximadamente dois terços dos pacientes foram capazes de permanecer sem a medicação no final do estudo.

É importante notar que OPTIMIZE é um estudo relativamente pequeno, os pesquisadores não examinaram os resultados de longo prazo, como ataque cardíaco, insuficiência cardíaca ou derrame para este estudo (como os estudos HYVET e SPRINT fizeram), então não é possível saber qual seria o efeito de longo prazo da prescrição.

Mais pesquisas são necessárias para examinar os efeitos de longo prazo da prescrição

Embora o estudo OPTIMIZE tenha sido promissor, estudos maiores e de longa duração observando os resultados além da pressão arterial são necessários para realmente saber se a prescrição é segura a longo prazo.

Além disso, esses pesquisadores usaram uma pressão arterial sistólica alvo de menos de 150 mm Hg, que é mais alta do que as recomendações mais recentes de ACC/AHA e ESC/ESH.

Um aspecto interessante deste desenho de estudo é que o médico da atenção primária teve que sentir que o paciente seria um bom candidato para a prescrição. Isso deixou espaço para os médicos, que podem conhecer bem os pacientes, para individualizar suas decisões sobre a prescrição.

O resultado final

O ensaio fornece aos médicos e outros prescritores algum suporte ao considerar um a prescrição de um medicamento para pressão arterial para pacientes idosos selecionados, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida.

Esses pacientes devem ser acompanhados de perto para monitorar suas respostas.

______________________________

O estudo original foi publicado no JAMA

* “Effect of Antihypertensive Medication Reduction vs Usual Care on Short-term Blood Pressure Control in Patients With Hypertension Aged 80 Years and Older: The OPTIMISE Randomized Clinical Trial” – 2020

Autores do estudo: James P Sheppard, Jenni Burt, Mark Lown, Eleanor Temple, Rebecca Lowe, Rosalyn Fraser, Julie Allen, Gary A Ford, Carl Heneghan, F D Richard Hobbs, Sue Jowett, Shahela Kodabuckus, Paul Little, Jonathan Mant, Jill Mollison, Rupert A Payne, Marney Williams, Ly-Mee Yu, Richard J McManus – https://doi.org/10.1001/jama.2020.4871

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.