Pesquisa analisa efetividade dos inibidores da renina para hipertensão

A hipertensão é um desafio de saúde pública mundial associado a altos níveis de ocorrência e riscos de doenças circulatórias e renais. Os inibidores da renina (IRs) foram introduzidos no uso clínico para hipertensão em 2007. Os inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) são amplamente prescritos para hipertensão.

No entanto, a eficácia comparativa e segurança de IRs e inibidores da ECA não são conhecidas.

Os inibidores da renina reduzem a pressão arterial mais do que o placebo, com a magnitude desse efeito considerada semelhante à dos inibidores da ECA.

No entanto, a eficácia de um medicamento na redução da pressão arterial não pode ser considerado um indicador definitivo de sua eficácia na redução da mortalidade e morbidade.

A eficácia e segurança dos IRs em comparação com os inibidores da ECA no tratamento da hipertensão são desconhecidas.

Objetivo do estudo

Os autores queriam determinar como os inibidores da renina (IRs) agem comparados aos inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) para o tratamento da hipertensão.

Critério de seleção

Foram incluídos estudos randomizados, com controle ativo e duplo-cego (ECRs) com pelo menos quatro semanas de acompanhamento em pessoas com hipertensão primária, que compararam os inibidores da renina com os inibidores da ECA e relataram morbidade, mortalidade, eventos adversos ou resultados da pressão arterial.

A equipe excluiu pessoas com hipertensão secundária comprovada.

Coleta e análise de dados

Dois revisores selecionaram independentemente os ensaios incluídos, avaliaram os riscos de viés e inseriram os dados para análise.

Características do estudo

Foram incluídos estudos randomizados, com controle ativo e duplo-cego (ECRs) para a revisão.

Foram incluídos 11 ECRs envolvendo 13.627 participantes, com idade média de 51 a 74 anos. A duração do acompanhamento variou de quatro semanas a 36 meses.

Principais resultados e certeza das evidências

Evidências de baixa certeza não mostraram nenhuma diferença entre IRs e inibidores da ECA para mortes por qualquer causa, para ataques cardíacos, para efeitos colaterais graves ou para abandonar o estudo devido a efeitos colaterais.

Evidências de baixa certeza sugeriram que os IRs reduzem a pressão arterial mais do que os inibidores da ECA, mas isso pode ter sido devido a um viés no desenho e na condução dos estudos.

Mais ensaios clínicos randomizados independentes são necessários para avaliar doenças e mortes e para ver se a diferença na redução da pressão arterial é real.

Implicações para a Prática

Comparações diretas de inibidores da renina (IRs) e inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) para hipertensão primária não mostram diferença para todas as causas de mortalidade ou infarto do miocárdio (evidência de baixa certeza).

IRs foram semelhantes aos inibidores da ECA para eventos adversos (evidência de certeza moderada), eventos adversos graves e retiradas devido a eventos adversos (evidência de certeza baixa).

Descobriu-se que os IRs reduzem a pressão arterial sistólica e diastólica em uma pequena quantidade mais em comparação com os inibidores da ECA (evidência de baixa certeza), mas isso pode ser devido ao viés de publicação e fonte de financiamento.

Implicações para a pesquisa

A maioria dos dados na revisão vem de estudos de curto prazo e dados de subgrupos. Muitos dos estudos incluídos com o objetivo de comparar o efeito de redução da PA de intervenções dentro de algumas semanas não são prolongados o suficiente para observar eventos como morte ou eventos cardiovasculares, etc.

Mais estudos grandes de longo prazo são necessários para comparar os inibidores da renina com os inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA), particularmente para resultados como frequência cardíaca, eventos cardiovasculares (insuficiência cardíaca, acidente vascular cerebral, etc.) e doença renal em estágio terminal.

Outros ECRs duplo-cegos independentes de curto prazo são necessários para determinar se há diferenças na redução da pressão arterial entre os inibidores da renina e os inibidores da ECA.

Conclusão dos autores

Para o tratamento da hipertensão, os autores têm pouca certeza de que os inibidores da renina (IR) e inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) não diferem para todas as causas de mortalidade e infarto do miocárdio. Eles também possuem certeza de baixa a moderada de que eles não diferem para eventos adversos.

Pequenas reduções na pressão arterial com inibidores da renina em comparação com os inibidores da ECA têm pouca certeza.

Mais estudos independentes, grandes e de longo prazo são necessários para comparar IRs com inibidores da ECA, particularmente avaliando os resultados de morbidade e mortalidade, mas também no efeito de redução da pressão arterial.

_________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Renin inhibitors versus angiotensin converting enzyme (ACE) inhibitors for primary hypertension” – 2020

Autores do estudo: Gan Mi Wang, Liang Jin Li, Wen Lu Tang, James M Wright – 10.1002/14651858.CD012569.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.