Cirurgia bariátrica ajuda no controle da pressão arterial

Pacientes obesos com hipertensão que foram submetidos à cirurgia bariátrica tiveram uma redução duradoura nos medicamentos necessários para atingir o controle da pressão arterial (PA), de acordo com os pesquisadores do GATEWAY.

No estudo com 100 pessoas, 73% daqueles que realizaram bypass gástrico em Y-de-Roux (RYGB) vs 11% dos controles com terapia médica, apenas foram capazes de alcançar uma redução de pelo menos 30% no número total de medicamentos anti-hipertensivos, mantendo BP inferior a 140/90 mm Hg em 3 anos (RR 6,52, IC 95% 2,50-17,03), relataram pesquisadores liderados por Carlos Schiavon, MD, do Instituto de Pesquisa HCor em São Paulo.

Certos desfechos secundários também favoreceram o grupo de cirurgia bariátrica, de acordo com seu artigo disponível no Annals of Internal Medicine:

  • Uso de anti-hipertensivos: mediana de um vs três medicamentos (P <0,001)
  • Controle de PA para <140/90 mm Hg sem medicamentos: 35% vs 2%
  • Controle da pressão arterial para <130/80 mm Hg sem medicamentos: 31% vs 0%

“Embora uma proporção ligeiramente maior de pacientes no grupo RYGB em geral tenha alcançado o controle da PA em comparação com os pacientes no grupo MT [terapia médica], esta diferença não atingiu significância estatística e outras medidas de PA não foram estatisticamente nem substantivamente diferentes entre os 2 grupos”, Observaram Schiavon e colegas.

“No entanto, esses resultados apoiam o papel efetivo da cirurgia bariátrica na redução da carga da polifarmácia para o tratamento da hipertensão”, concluíram os pesquisadores. “O RYGB é uma estratégia eficaz para o controle da pressão arterial em médio prazo e remissão da hipertensão, com menos medicamentos necessários em pacientes com hipertensão e obesidade.”

Assim, os resultados de 3 anos do GATEWAY estendem os resultados de 1 ano relatados pela primeira vez em 2017.

Cirurgia bariátrica e hipertensão

Deve-se notar que os dados não apoiam a “recomendação de rotina de cirurgia bariátrica para pacientes com formas mais leves de obesidade e hipertensão isolada e bem controlada” nem defendem que “intervenção precoce com cirurgia bariátrica é necessariamente melhor do que uma abordagem gradual para controlar as consequências cardiometabólicas da obesidade, particularmente em pacientes que não têm diabetes tipo 2”, advertiu a editora adjunta do Annals, Christina Wee, MD, MPH, do Beth Israel Deaconess Medical Center em Boston.

Em vez disso, a cirurgia bariátrica “pode ter um papel para pacientes com obesidade mais branda e hipertensão resistente ou para aqueles para os quais a redução da polifarmácia é uma prioridade absoluta”, escreveu ela em um editorial anexo.

“Também conhecida como cirurgia metabólica, muitos procedimentos bariátricos melhoram os efeitos metabólicos adversos da obesidade, não apenas por meio da perda de peso, mas também por meio de alterações neuro-hormonais. Estudos observacionais de longo prazo sugerem uma redução de 50% ou mais na mortalidade associada à cirurgia bariátrica, particularmente a Procedimento RYGB”, disse Wee.

A cirurgia bariátrica também está associada à remissão do diabetes.

No ensaio, o BGYR foi realizado por um cirurgião em um único centro no Brasil.

Como o estudo foi conduzido

Os participantes do GATEWAY eram 100 pacientes hipertensos com obesidade leve a moderada – índice de massa corporal (IMC) de 30-39,9 – que estavam recebendo pelo menos dois medicamentos para baixar a PA. A coorte era de 76% do sexo feminino, com IMC médio de 36,9.

Os critérios de exclusão incluíram PA de 180/120 mm Hg ou superior, doença cardiovascular e tabagismo atual.

Os pacientes foram randomizados para RYGB ou terapia médica apenas. Ambos os grupos receberam aconselhamento médico, nutricional e psicológico visando redução de peso, redução da ingestão de sal e aumento da ingestão de potássio. Os exercícios físicos também foram recomendados para todos, segundo os autores.

A cirurgia bariátrica foi associada a maior perda de peso (27,8% vs -0,1% com terapia médica) e demonstrou maiores melhorias nos outros parâmetros metabólicos não-BP.

Conclusão dos autores

“Não tivemos nenhuma mortalidade em 30 dias ou morbidade cirúrgica em nosso estudo; no entanto, um paciente no grupo RYGB morreu de causa indeterminada durante o acompanhamento. A anemia é comum após a cirurgia bariátrica, mas estava presente em ambos os grupos. A hipovitaminose B12 era comum no grupo RYGB, mas poderia ser potencialmente mitigada por uma melhor suplementação de vitaminas “, disse a equipe de Schiavon sobre os eventos adversos observados.

As limitações do estudo, disseram os pesquisadores, incluem o fato de ser um ensaio clínico de centro único e aberto. Além disso, apenas 88% do grupo RYGB e 80% dos controles completaram o acompanhamento.

___________________________

O estudo original foi publicado no Annals of Internal Medicine

* “Three-Year Outcomes of Bariatric Surgery in Patients With Obesity and Hypertension”

Autores do estudo: Carlos A. Schiavon, Deepak L. Bhatt, Dimas Ikeoka, Eliana V. Santucci, Renato Nakagawa Santos, Lucas P. Damiani, Juliana D. Oliveira, Rachel Helena V. Machado, Helio Halpern, Frederico L.J. Monteiro, Patricia M. Noujaim, Ricardo V. Cohen, Marcio G. de Souza, Celso Amodeo, Luiz A. Bortolotto, Otavio Berwanger, Alexandre B. Cavalcanti, Luciano F. Drager – 10.7326/M19-3781

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.