Estudo mostra que fumar não provoca o envelhecimento Precoce!

Um novo estudo surpreendeu o mundo da medicina, descobrindo que fumar não encurta o comprimento dos telômeros – um marcador no final de nossos cromossomos – que é amplamente aceito como um indicador do envelhecimento precoce.

Isso sugere que o comprimento do telômero adulto deve ser considerado um biomarcador estático que muda relativamente pouco durante a vida adulta.

Os estudos anteriores sobre envelhecimento precoce estavam incorretos?

Sim e Não. A meta-análise de 18 conjuntos de dados coletados anteriormente, liderados por pesquisadores da Universidade de Newcastle, foi publicada hoje na revista da Royal Society Open Science.

Os pesquisadores preferiram se concentrar no tabagismo simplesmente porque há mais dados disponíveis sobre as associações entre tabagismo e duração dos telômeros do que qualquer outro comportamento não saudável.

O estudo confirma que, embora os fumantes realmente tenham telômeros mais curtos (como muitos estudos anteriores mostraram), não há evidências de que os telômeros encurtem mais rapidamente em fumantes em comparação aos não fumantes, como se achou antes. Os resultados sugerem que o tabagismo não é responsável pelos telômeros mais curtos observados em fumantes adultos, portanto não são os principais causadores do envelhecimento precoce.

A professora Melissa Bateson, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Newcastle que liderou o estudo, disse: “A importância deste estudo é que nos força a repensar o valor do comprimento dos telômeros como uma leitura de como nossos estilos de vida atuais estão afetando nossos corpos. Não contestem a abundante evidência de que fumar é ruim, mas apenas a evidência de que o comprimento dos telômeros é uma boa maneira de avaliar o dano biológico causado pelo fumo e possivelmente, por extensão, outros comportamentos não saudáveis.”

Tabagismo e o envelhecimento precoce
Cromossomos humanos (cinza) cobertos por telômeros (branco).

Isso leva à questão de por que os fumantes têm telômeros mais curtos? A equipe de pesquisadores internacionais sugere que uma resposta plausível para essa questão… tanto o encurtamento dos telômeros quanto o tabagismo são mais propensos a uma terceira variável, possivelmente a exposição a várias formas de adversidade no início da vida, como abuso físico e emocional.

Esse achado altera a compreensão científica anterior do comprimento dos telômeros, um biomarcador reconhecido pela menor longevidade. Acreditava-se anteriormente que a duração dos telômeros responde dinamicamente ao comportamento adulto atual, encurtando-se mais quando fazemos atividades insalubres como fumar e talvez alongando-se quando temos comportamentos mais saudáveis. No entanto, este estudo sugere que o comprimento do telômero adulto deve ser reinterpretado como um biomarcador estático que muda relativamente pouco durante a vida adulta.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.