Pesquisadores identificam sinais indicadores de parada cardíaca fatal!

Um estudo publicado no Journal of American College of Cardiology, uma equipe de pesquisadores utilizou uma técnica de imagem cerebral para detectar a desordem em fibras musculares cardíacas que poderiam desencadear em parada cardíaca fatal na cardiomiopatia hipertrófica.

Indicadores de Parada cardíaca Fatal em pacientes vivos

A cardiomiopatia hipertrófica (CMH) é uma condição hereditária na qual parte do músculo cardíaco se torna muito mais espessa. 1 em cada 500 pessoas em todo o mundo tem essa condição, algumas com complicações como insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral, enquanto outras não apresentam sintomas e expectativa de vida normal. Mas mesmo pacientes sem sintomas ainda correm o risco de morrer de repente.

Quando vistas ao microscópio, as fibras musculares dos corações de pacientes que morreram repentinamente da condição são organizadas de forma anormal e não têm o alinhamento usual que permite que os batimentos cardíacos se espalhem uniformemente pelas fibras musculares do coração. Esta desordem de fibra, portanto, fornece o foco perfeito para ritmos cardíacos potencialmente mortais.

Identificar essa desordem permitiria que os médicos interviessem antes que uma parada cardíaca fatal. Mas as fibras musculares do coração que mostram essa anormalidade, não podem ser tiradas de pessoas vivas, e a desordem só pode ser vista em amostras pós morte.

Assim, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Oxford, liderada pelos professores Hugh Watkins, Stefan Neubauer e Rina Ariga, usou uma técnica chamada ressonância magnética de tensor de difusão para rastrear a disseminação de moléculas de água no interior do músculo cardíaco para verificar se há desarranjo de fibras musculares de maneira não invasiva.

Esta técnica de imagem tem sido muito bem sucedida em rastrear os caminhos das fibras nervosas no cérebro, mas é muito mais difícil de usar com um órgão como o coração, que está se movendo o tempo todo.

Ressonância magnética e para cardíaca fatal

Usando sua nova técnica de varredura, a equipe foi capaz de ver padrões semelhantes de desarranjo do músculo cardíaco em pacientes com cardiomiopatia hipertrófica, o que estudos em pacientes pós morte não tinha sido possível.

“Esta é a primeira vez que temos sido capazes de avaliar a desordem não invasiva em pacientes vivos com cardiomiopatia hipertrófica. Esta pesquisa emocionante abre a possibilidade de usar um exame não invasivo para identificar melhor as alterações do músculo cardíaco, encontrar aqueles com risco de uma parada cardíaca súbita e garantir que eles recebam o melhor tratamento preventivo. Estamos esperançosos de que esta nova tomografia melhore a forma como identificamos os pacientes de alto risco, para que eles possam receber um desfibrilador cardioversor implantável cedo para prevenir a morte súbita”, concluiu a Dra Rina Ariga, pesquisadora e principal autora do estudo.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *