Doença de Krabbe: cientistas a um passo de um tratamento definitivo!

Os cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis, parecem ter resolvido um mistério de décadas sobre o caminho bioquímico preciso que leva a um distúrbio genético fatal em crianças que resulta em convulsões, regressão no desenvolvimento e morte, geralmente por volta dos 3 anos de idade. No modelo em camundongo com a mesma doença humana – chamada doença de Krabbe – os pesquisadores também identificaram uma possível estratégia terapêutica.

Doença de Krabble – uma nova estratégia terapêutica

Pacientes com leucodistrofia de células globóides infantis, também conhecida como doença de Krabbe, perdem gradualmente a cobertura protetora que isola os axônios, a fiação do sistema nervoso. A condição rara – que afeta cerca de 1 em 100.000 nascimentos – é tipicamente diagnosticada antes dos 1 anos de idade e progride rapidamente.

Os cientistas suspeitam há muito tempo que o isolamento do nervo é destruído nesse distúrbio devido ao acúmulo de um composto tóxico chamado psicossina. Os pacientes com o distúrbio herdado estão perdendo uma proteína importante envolvida na quebra da psicose. Mas a fonte de psicossina na doença de Krabbe tem sido ilusória, tornando o problema impossível de corrigir.

“A doença de Krabbe na infância é invariavelmente fatal. É uma doença neurodegenerativa devastadora descrita pela primeira vez há mais de um século, mas ainda não temos tratamentos eficazes. Por quase 50 anos, assumimos que a hipótese da psicossina estava correta – que um acúmulo tóxico de psicossina é a causa de todos os problemas. Mas nunca fomos capazes de provar isso”, disse o Dr Mark S. Sands autor do estudo.

Surpreendentemente, Sands e sua equipe, provaram que a hipótese da psicossina estava correta, essencialmente, dando aos ratos outra doença genética letal.

Os cientistas mostraram que camundongos portadores de mutações genéticas que resultam na doença de Krabbe e Farber, uma condição letal resultante da perda de uma proteína diferente, não apresentam sinais da doença de Krabbe. A proteína que falta na doença de Farber é chamada de ceramidase ácida e, quando desaparece, a psicossina não se acumula, curando efetivamente a doença de Krabbe em camundongos que, de outra forma, a teriam.

“Não esperávamos que esses ratos sobrevivessem ao desenvolvimento embrionário com as alterações genéticas que causam a doença de Farber e a doença de Krabbe. Achamos que era provável que a combinação desses problemas genéticos fosse letal para o embrião de camundongo, ou pelo menos causasse alguma combinação dos problemas característicos de ambas as doenças. Não apenas os camundongos estavam vivos, descobrimos que eles não tinham a doença de Krabbe – apesar de ter a genética causal – e as testamos de todas as formas possíveis. Foi chocante”, disse o Dr Sands.

Sem o acúmulo tóxico de psicose, a doença de Krabbe não se desenvolveu nesses camundongos, comprovando a hipótese de 50 anos de idade.

Doença de Krabbe - novos testesDepois de identificar a ceramidase ácida como o gatilho do acúmulo tóxico da psicossina, Sands e seus colegas deram a ratos com doença uma droga conhecida por ser um inibidor da ceramidase ácida. O medicamento, Carmofur, é uma quimioterapia comum usada para tratar o câncer. A droga modestamente prolongou a vida dos ratos com um modelo da doença de Krabbe.

“O Carmofur é bastante tóxico por si só, portanto nunca seria usado como tratamento para esta doença, mas mostramos um benefício terapêutico modesto. A pesquisa demonstra uma prova de conceito de que podemos inibir a ceramidase ácida com uma droga e aliviará alguns dos sintomas da doença de Krabbe. Porém, precisaremos encontrar um equilíbrio, porque inibi-la demais causará a doença de Farber”, concluiu o Dr Sands.

A pesquisa foi publicada nos Anais da Academia Americana de Ciências.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral. As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. .Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.