O intestino protege o fígado contra danos causados pela frutose!

De acordo com um novo estudo multicêntrico liderado por pesquisadores da Escola Perelman de Medicina da Universidade da Pensilvânia, EUA, depois de consumir alimentos ou bebidas que contenham frutose, o sistema gastrointestinal, ou intestino, ajuda a proteger o fígado contra danos causados pela frutose, quebrando o açúcar antes que ele atinja o fígado.

Danos causados pela frutose

Os pesquisadores descobriram que o consumo de muita frutose – principalmente em um curto período de tempo – pode sobrecarregar o intestino, fazendo com que a frutose “transborde” para o fígado, onde causa estragos e causa fígado gorduroso.

As descobertas em camundongos, ajudam a desvendar questões de longa data sobre como o corpo metaboliza a frutose – uma forma de açúcar frequentemente encontrada em frutas, legumes e mel, bem como a maioria dos alimentos processados ​​na forma de xarope de milho com alto teor de frutose.

O consumo de frutose aumentou 100 vezes no último século, mesmo quando estudos demonstraram que o consumo excessivo, principalmente bebidas doces, está ligado a doenças hepáticas gordurosas não alcoólicas, obesidade e diabetes.

“O que descobrimos e mostramos aqui é que, depois de comer ou beber frutose, o intestino realmente consome a frutose primeiro – ajudando a proteger o fígado dos danos induzidos pela frutose. É importante ressaltar que também mostramos que consumir alimentos ou bebidas lentamente durante uma refeição longa, em vez de tomar um gole, pode atenuar as conseqüências adversas”, disse o autor correspondente do estudo, Zoltan Arany, professor de Medicina Cardiovascular da Penn.

Estudos demonstraram que o consumo excessivo de frutose pode ser tóxico para o fígado. Quando grandes quantidades de frutose atingem o fígado, o fígado usa excesso de frutose para criar gordura, um processo chamado lipogênese. Eventualmente, as pessoas que consomem muita frutose podem desenvolver doença hepática gordurosa não alcoólica, uma condição na qual muita gordura é armazenada nas células hepáticas.

Até agora, não ficou claro se o papel do intestino no processamento da frutose impede ou contribui para a lipogênese induzida pela frutose e o desenvolvimento de doenças hepáticas. Para este estudo, a equipe de pesquisadores, incluindo Joshua Rabinowitz, da Universidade de Princeton, estudou uma enzima chave, chamada cetohexocinase, que controla a rapidez com que a frutose é consumida.

A proteção do fígado pelo intestino

Eles mostraram, por engenharia genética, que reduzir os níveis dessa enzima no intestino levava a fígados gordurosos nos camundongos. Por outro lado, a equipe mostrou que o aumento do nível de cetohexocinase no intestino protegia do fígado gordo. Assim, os pesquisadores descobriram que a quebra da frutose no intestino atenua o desenvolvimento de gordura extra nas células do fígado de ratos.

O intestino protege o fígado de danos causados pela frutoseAlém disso, a equipe mostrou que a mesma quantidade de frutose tem maior probabilidade de resultar no desenvolvimento de fígado gordo quando consumido por meio de uma bebida versus comida. Da mesma forma, há uma maior probabilidade de desenvolver fígado gorduroso ao consumir frutose em um único cenário, em comparação com várias doses espalhadas por 45 minutos.

“Coletivamente, nossas descobertas mostram que a frutose induz lipogênese quando a taxa de ingestão excede a capacidade do intestino de processar frutose e proteger o fígado. No contexto moderno de disponibilidade e consumo excessivos de alimentos processados, é fácil ver como a transbordamento de frutose resultante levaria à síndrome metabólica”, concluiu Arany.

 

________________________________

Os resultados do estudo foram publicados na Nature Metabolism.

* “The small intestine shields the liver from fructose-induced steatosis” – 2020.

Autores do estudo: Cholsoon Jang, Shogo Wada, Steven Yang, Bridget Gosis, Xianfeng Zeng, Zhaoyue Zhang, Yihui Shen, Gina Lee, Zoltan Arany & Joshua D. Rabinowitz – 10.1038/s42255-020-0222-9

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.