Alerta: surto de coronavírus de Wuhan é pior do que o relatado!

As autoridades de saúde internacionais preveem que o novo surto de coronavírus de Wuhan (2019-nCoV) pode ter infectado mais de 44.000 chineses em menos de um mês e pode atingir o pico em cerca de quatro meses, o que é uma admissão de que as coisas definitivamente piorarão antes de melhorarem.

A questão agora é se esse surto deve ser classificado como uma pandemia ou epidemia que se espalhou por todo o mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) definitivamente não pensa assim com base em suas diretrizes.

Os números atuais do surto do coronavírus de Wuhan

A partir das 16h de terça-feira ontem (28), o número oficial de mortos, anunciado pela China, era de 106, com 4.614 casos confirmados, segundo o SCMP. As notícias desanimadoras saíram de Hong Kong, onde os especialistas em doenças infecciosas da cidade estimaram que até 44.000 pessoas poderiam realmente ser infectadas em Wuhan, capital da província de Hubei, um número muito superior aos números oficiais. Mais de 60 milhões de pessoas continuam presas em 17 cidades chinesas.

Na segunda-feira, os cientistas da Universidade de Hong Kong (HKU) estimaram que o número de pacientes em Wuhan havia atingido 43.590 em 25 de janeiro, incluindo aqueles na fase de incubação do vírus que causa pneumonia. O Dr. Gabriel Leung, reitor da Faculdade de Medicina da HKU, disse que suas pesquisas mostram que a transmissão auto-sustentável de humano para humano já está ocorrendo nas principais cidades do continente.

A HKU está agora pedindo fortemente ao governo chinês que tome medidas “draconianas” contra a propagação do novo e mortal coronavírus de Wuhan.

O número sombrio de 44.000 vítimas parece apoiar as descobertas em um estudo preliminar divulgado em 24 de janeiro por uma equipe de pesquisadores com sede nos Estados Unidos e no Reino Unido, argumentando que o número de casos confirmados no epicentro do surto em Wuhan deveria realmente ser de cerca de 12.000 nesta terça-feira (28) e não apenas 440, conforme relatado pela Comissão Nacional de Saúde da China (NHC).

Baseando-se em dados de casos reunidos a partir de relatórios oficiais chineses, uma equipe liderada por Jonathan Read na Universidade de Lancaster traçou um mapa temporal da disseminação do coronavírus, a partir de 1º de janeiro, data em que as autoridades de Wuhan fecharam o mercado de carne e animais em que o vírus se infiltrou em humanos de uma fonte desconhecida.

Os modelos que eles construíram previram um fevereiro horrível. No próximo mês, ocorrerão outros surtos em outras cidades chinesas. Haverá mais infecções exportadas para o exterior e uma explosão de casos em Wuhan.

“Em 14 dias, nosso modelo prevê que o número de pessoas infectadas em Wuhan seja maior que 190.000”, afirmaram os autores em seu estudo.

Surto de coronavírus de Wuhan é pior do que o relatadoIsso ocorre porque as pessoas podem portar o vírus sem apresentar sintomas, conforme outro estudo de uma equipe de pesquisadores chineses, que também foi publicado em 24 de janeiro no The Lancet. Analisando dados clínicos dos 41 pacientes internados nos hospitais de Wuhan, os cientistas relataram que o 2019-nCoV causa uma série de sintomas. Estes incluem pneumonia, febre, tosse e dor de garganta. Eles acreditam que o período de incubação do vírus seja entre três e seis dias, enquanto outros acreditam que a incubação varia de 10 a 14 dias.

Tomados em conjunto, os estudos sugerem que um grande número de pessoas estão andando por aí sem sintomas aparentes e espalhando o vírus para quem entra em contato próximo. A transmissão é normalmente através de espirros ou toque com as mãos.

“No momento, há muita incerteza sobre o que acontecerá, mas os modelos podem ser o melhor método para prever como a epidemia progredirá no futuro próximo”, disse o Dr Brandon Brown, epidemiologista da Universidade da Califórnia em Riverside.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.