Bactérias da Pneumonia usam peróxido de hidrogênio como arma!

Uma nova pesquisa da Universidade de Umea e da Universidade de Estocolmo, na Suécia mostra que as bactérias da pneumonia usam peróxido de hidrogênio para enfraquecer o sistema imunológico e causar pneumonia.

O peróxido de hidrogênio também é conhecido como um agente clareador que é usado para clarear os dentes ou cabelos, como removedor de manchas, além de limpar superfícies e desinfetar feridas, ao ser misturado a água forma a conhecida água oxigenada.

Bactérias da pneumonia um passo a frente

“Usando o peróxido de hidrogênio para derrotar o sistema imunológico, você poderia dizer que as bactérias da pneumonia estão combatendo fogo com fogo. O próprio corpo também produz peróxido de hidrogênio como uma defesa contra as bactérias. Portanto, foi surpreendente ver que muitos tipos de bactérias realmente use a mesma substância para superar as defesas do corpo”, diz o Dr Nelson Gekara, líder da pesquisa.

Os estudos foram concentrados principalmente em Streptococcus Pneumoniae. Essa bactéria, frequentemente chamada pneumococo, é a bactéria mais comum que causa pneumonia, mas também pode causar, entre outras doenças, meningite ou sepse grave. Além disso, esta bactéria pode pavimentar o caminho para outros micróbios atacarem. Isso torna a bactéria entre as mais mortais do mundo. Muitas pessoas abrigam a bactéria no trato respiratório superior como parte de sua flora normal, sem adoecer ou mesmo saber disso. Portanto, é importante entender como os pneumococos afetam o sistema imunológico.

O objetivo final de qualquer micróbio invasor é residir pacificamente no corpo sem evocar uma forte reação inflamatória. Os pesquisadores descobriram que o pneumococo e outras bactérias conseguem isso visando um componente-chave do sistema imunológico – os inflamassomas, os complexos proteicos, que, ao reconhecer moléculas estranhas, iniciam reações para matar micróbios e limpar células doentes. Os pesquisadores descobriram que bactérias como pneumococos liberam grandes quantidades de peróxido de hidrogênio e que isso causa a inativação de inflamassomas, enfraquecendo o sistema imunológico.

Nos testes com camundongos, os pesquisadores observaram que as bactérias manipuladas para produzir menos peróxido de hidrogênio não foram capazes de inativar os inflamassomas e, portanto, provocaram uma resposta inflamatória mais rápida que efetivamente eliminou as bactérias dos pulmões dos ratos. Os pesquisadores também descobriram que, ao inocular os ratos com uma enzima especial, a catalase, que decompõe o peróxido de hidrogênio, a inflamação e os sintomas inflamatórios aumentam, levando à eliminação mais rápida dos pneumococos do pulmão.

“A inflamação geralmente tem conotações negativas. No entanto, para o corpo, a inflamação é um processo importante na defesa do sistema imunológico contra o ataque de micróbios. A maioria dos micróbios produz peróxido de hidrogênio em vários graus. Nossos estudos demonstram que o peróxido de hidrogênio é um inibidor de um componente importante do sistema imunológico, o mecanismo inflamatório, sugerindo que o mecanismo que descobrimos é uma estratégia comum empregada por muitos micróbios para prosperar dentro de nós”, diz Saskia Erttmann, uma das autoras do estudo e membro do grupo de pesquisa do Dr Nelson Gekara.

Dr Nelson Gekara em laboratório. Crédito da imagem - Mattias Pettersson
Dr Nelson Gekara em laboratório. Crédito da imagem – Mattias Pettersson

“Uma das substâncias mais conhecidas com a capacidade de neutralizar o peróxido de hidrogênio e que poderia aumentar a imunidade antibacteriana são as vitaminas como a vitamina C, encontradas nas frutas. Talvez o velho ditado ‘uma maçã por dia consegue afastar um médico’ de fato faça sentido”, acrescenta o Dr Nelson Gekara.

O estudo completo foi publicado na renomada revista científica Nature.

4Medic

4Medic

4Medic é uma empresa especializada em gestão de clinicas e consultórios médico. Que fornece diariamente notícias sobre a área de saúde em geral. As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. .Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.