Cientistas apontam novo tratamento que pode ajudar crianças com lúpus

O belimumabe para o tratamento em crianças com lúpus

O belimumabe intravenoso (Benlysta) mostrou benefícios como tratamento para crianças com lúpus eritematoso sistêmico (LES) no primeiro estudo deste agente para pacientes de 5 a 17 anos, de acordo com o relato de uma equipe de pesquisadores internacionais.

Na semana 52 dos testes, mais pacientes randomizados para belimumabe do que para placebo foram considerados respondedores no SLE Responder Index, disse Hermine I. Brunner, MD, do Hospital Infantil de Cincinnati Medical Center e colegas. Além disso, como mostrado em seu estudo online publicado no Annals of the Rheumatic Diseases, o risco de surto grave foi 64% menor nas 52 semanas no grupo belimumabe em comparação com o grupo placebo.

“A resposta ao belimumabe, em comparação com o placebo, foi consistente com os resultados do programa de fase III do belimumabe em adultos com LES, assim como o menor risco de crises graves”, escreveram os pesquisadores.

Os resultados do estudo levaram a FDA a aprovar o belimumabe para pacientes pediátricos em abril de 2019. Um comunicado de imprensa da agência enfatizou que agilizou a revisão e a aprovação porque o medicamento atende a uma necessidade não encontrada nas terapias disponíveis, especificamente em pacientes pediátricos com LES, e que “embora não haja cura para o lúpus, o tratamento pode ajudar nossos pacientes mais jovens a controlar sua doença com a esperança de melhorar sua qualidade de vida e diminuir o risco de danos e incapacidade em longo prazo nos órgãos”.

O LES pediátrico normalmente está associado a uma doença mais ativa e a danos maiores e mais rápidos nos órgãos do que a doença em um adulto. Os tratamentos off label incluem corticosteroides, antimaláricos e imunossupressores.

O belimumabe, um anticorpo monoclonal que inibe o fator de ativação de células B e que é regulado positivamente no LES, foi aprovado para uso em adultos em 2011.

Os ensaios duplo-cegos, controlados por placebo, são difíceis de realizar no LES pediátrico, que tem uma incidência anual estimada de 0,3 a 0,9 a cada 100.000 crianças.

O novo estudo, conhecido como PLUTO, foi o primeiro a avaliar o belimumabe mais a terapia padrão atual em pacientes jovens. Não foi desenvolvido para detectar significância estatística, considerada “inviável” em uma doença tão rara e potencialmente grave, segundo os investigadores. Em vez disso, “este estudo foi desenvolvido para avaliar descritivamente a eficácia e a segurança do belimumabe no LES infantil”, observaram os pesquisadores.

Como a pesquisa foi desenvolvida

O estudo foi realizado em 29 centros em 10 países, a maioria membros da Pediatric Rheumatology International Trials Organization (PRINTO) ou das redes do Grupo de Estudo Colaborativo em Reumatologia Pediátrica. Foram incluídos 93 pacientes com idades entre 5 e 17 anos com a doença ativa. O belimumabe, 10 mg/kg ou placebo, foi administrado a cada 28 dias, juntamente com imunossupressores e/ou corticosteroides.

Quase todos os pacientes eram do sexo feminino e a maioria tinha idade entre 12 e 17 anos. A duração média da doença foi de cerca de 1,7 anos e o índice médio de atividade da doença inicial do LES foi 10. Os corticosteroides sistêmicos estavam sendo usados ​​por 95% dos pacientes em doses médias de 7,5 a 10 mg/dia, antimaláricos foram utilizados em 80% e imunossupressores em dois terços.

Melhorias de 30% nos critérios PRINTO e do American College of Rheumatology na semana 52 foram constatadas em 52,8% dos pacientes no grupo belimumabe em comparação com 27,5% do grupo placebo, enquanto 50% de melhorias foram vistas em 60,4% e 35%, respectivamente.

Outros resultados também favoreceram o belimumabe versus o placebo, incluindo a avaliação global dos pais (-54% vs -24%), a avaliação global do médico (-76% vs -48%) e a proteinúria (-2% vs +7%).

Entre os pacientes com comprometimento renal no início do estudo, 40% do grupo belimumabe teve melhorias na semana 52 em comparação com 20% do grupo placebo.

As taxas gerais de incidência de qualquer evento adverso foram semelhantes nos dois, em 79,2% do grupo belimumabe e 82,5% no grupo placebo. Eventos adversos graves foram relatados em 17% e 35%, respectivamente.

Reações adversas sérias e que levaram à descontinuação ocorreram em três pacientes com belimumabe, com um caso de nefrite lúpica, elevação de enzimas hepáticas e neuralgia pós-herpética. Nos pacientes placebo, foram dois casos de nefrite lúpica e um de vasculite retiniana, pancreatite aguda e hepatite A. Um paciente no grupo placebo morreu de pancreatite aguda.

As avaliações farmacocinéticas e farmacodinâmicas encontraram padrões semelhantes, como foram relatados em adultos tratados com belimumabe.

Conclusão dos autores

“Concluindo, dentro dos limites dos dados analisados ​​até a data (1 ano), o perfil benefício-risco do belimumabe 10 mg/kg intravenoso em crianças com LES parece favorável e consistente com o de adultos, confirmando que 10 mg/kg intravenoso é apropriado para populações pediátricas”, escreveram Brunner e co-autores.

Uma limitação do estudo, observaram eles, foi a falta de um tamanho de amostra suficientemente grande para detectar diferenças estatisticamente significativas entre os grupos.

________________________

O estudo original foi publicado no The BMJ Journals

* “Safety and efficacy of intravenous belimumab in children with systemic lupus erythematosus: results from a randomised, placebo-controlled trial” – 2020

Autores do estudo: Hermine I Brunner, Carlos Abud-Mendoza, Diego O Viola, Inmaculada Calvo Penades, Deborah Levy, Jordi Anton, Julia E Calderon, Vyacheslav G Chasnyk, Manuel A Ferrandiz, Vladimir Keltsev, Maria E Paz Gastanaga, Michael Shishov, Alina Lucica Boteanu, Michael Henrickson, Damon Bass, Kenneth Clark, Anne Hammer, Beulah N Ji, Antonio Nino, David A Roth, Herbert Struemper, Mei-Lun Wang, Alberto Martini, Daniel Lovell, Nicolino Ruperto – 10.1136/annrheumdis-2020-217101

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.