Exercícios físicos podem ajudar pessoas com cardiopatia congênita

Doença cardíaca congênita é o termo usado para designar uma série de defeitos congênitos que afetam o funcionamento do coração. Pessoas com cardiopatia congênita apresentam redução da expectativa de vida, da forma física e da qualidade de vida.

No entanto, devido a melhores diagnósticos pré-natais, procedimentos cirúrgicos (muitas vezes realizados nos primeiros anos de vida) e intervenções anteriores, a taxa de sobrevivência para aqueles que nasceram com esta doença melhorou dramaticamente, de modo que a maioria das pessoas agora viverá até a idade adulta.

O treinamento físico e as intervenções de atividade física são conhecidas por melhorar o condicionamento de pessoas com cardiopatia congênita, a atividade física, a sobrevivência e a qualidade de vida em pessoas saudáveis, mas não está claro o quão eficazes esses programas são para pessoas com condições médicas de longo prazo.

Revisão da pergunta

A revisão teve como objetivo reunir evidências para o uso de qualquer intervenção de atividade física para pessoas com cardiopatia congênita.

O objetivo foi comparar as intervenções, incluindo treinamento de exercício, promoção de atividade física ou treinamento pulmonar sem intervenção (cuidados usuais).

Critério de seleção

Os autores incluíram ensaios clínicos randomizados (ECRs) que compararam qualquer tipo de intervenção de atividade física com um controle de ‘nenhuma atividade física’ (cuidado usual).

Além disso, foram acrescentados todos os indivíduos com diagnóstico de cardiopatia congênita, independentemente da idade ou intervenções médicas anteriores.

Coleta e análise de dados

Dois revisores examinaram independentemente todas as referências identificadas para inclusão. A equipe recuperou e leu todos os artigos completos, também entrando em contato com os autores do estudo se precisassem de mais informações.

Os mesmos dois revisores independentes que extraíram os dados e processaram os artigos incluídos, avaliaram seu risco de viés usando o RoB 2 e avaliaram a certeza das evidências usando a abordagem GRADE.

Os desfechos primários foram: aptidão cardiorrespiratória máxima (ACR) avaliada pelo consumo de oxigênio de pico, qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) determinada por questionário validado e medidas ‘objetivas’ usadas no dispositivo de atividade física.

Características do estudo

Os autores buscaram estudos em setembro de 2019 e identificaram 15 ensaios envolvendo 924 participantes.

Os estudos usaram três tipos principais de intervenções, incluindo programas elaborados para aumentar a atividade física, a aptidão aeróbia e a qualidade de vida relacionada à saúde e compararam a intervenção da atividade física e as intervenções de controle em pessoas com doenças cardíacas congênitas.

Principais resultados

Foram incluídos 15 ensaios com 924 participantes. Metade dos participantes era do sexo feminino. Dos 15 ensaios, 5 usaram um total de 500 jovens (com menos de 18 anos de idade) e 10 ensaios usaram um total de 424 participantes adultos.

Foi descoberto que a aptidão física e a atividade física podem aumentar ligeiramente, mas não há muita certeza sobre a qualidade de vida.

Atualmente, não existem dados que indiquem se esse pequeno aumento no condicionamento físico resultará em menos visitas ao hospital. Mas não houve registro de mortes ou eventos graves relacionados à participação em atividades físicas.

Qualidade da evidência

Usando uma abordagem científica validada (GRADE), a certeza na base de evidências foi moderada para aptidão, baixa para atividade física e muito baixa para qualidade de vida.

A maioria dos resultados foram limitados devido ao pequeno número de participantes do estudo e relatórios pobres de detalhes do estudo.

Implicações para a Prática

Atualmente, não há diretrizes definidas pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (National Institute for Health and Care Excellence [NICE]) para atividade física e treinamento físico em doenças cardíacas congênitas.

Além disso, no Reino Unido não há provisão para reabilitação cardíaca (incluindo intervenções de atividade física) para crianças e adolescentes com doença cardíaca congênita e as equipes clínicas são incentivadas a desenvolver caminhos para aumentar os hábitos de exercícios e atividades físicas.

Ao visar os jovens, sugere-se que a boa saúde e comportamentos de saúde serão acompanhados até a idade adulta, reduzindo posteriormente as internações hospitalares, reduzindo a morbidade futura e contribuindo para aumentar as taxas de sobrevivência.

Conclusões dos autores

Embora tenha havido apenas pequenas melhorias na CRF e PA, e pequenas ou nenhuma melhoria na QVRS, não houve relatos de eventos adversos graves relacionados às intervenções.

Mesmo com dados tão promissores, atualmente não há evidências suficientes para determinar definitivamente o impacto das intervenções de atividade física na ConHD. Portanto, são necessários mais ensaios clínicos randomizados de alta qualidade, utilizando um acompanhamento de maior duração.

____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Physical activity interventions for people with congenital heart disease” – 2020

Autores do estudo: Williams CA, Wadey C, Pieles G, Stuart G, Taylor RS, Long L – 10.1002/14651858.CD013400.pub2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.