Cirurgia bariátrica pode estimular problemas com álcool no futuro

Um estudo com veteranos militares mostrou que a cirurgia bariátrica pode estimular uma relação tóxica com o álcool nos anos posteriores a cirurgia.

Em uma análise retrospectiva de dados do U.S. Department of Veterans Affairs (VA), os veteranos que não tiveram um relacionamento perigoso com o álcool dois anos antes de realizar a gastrectomia vertical laparoscópica tiveram uma probabilidade aumentada de um consumo maior de álcool 8 anos após a cirurgia em comparação com controles não cirúrgicos, disseram Matthew Maciejewski, PhD, Centro Médico VA Durham na Carolina do Norte e colegas.

Seguindo um padrão parecido, os veteranos que não tinham problemas com álcool 2 anos antes da cirurgia de bypass gástrico em Y de Roux (BGYR) enxergaram uma probabilidade maior de desenvolver uma relação tóxica com a bebida 8 anos depois, em comparação com controles não cirúrgicos, eles relataram no JAMA Networ Open.

Para os dois procedimentos, os pacientes perceberam um aumento da prevalência de bebidas em todos os anos pós-operatórios subsequentes.

“A partir dessas descobertas, estimamos que para cada 21 pacientes submetidos a BGYR e a cada 29 pacientes submetidos a gastrectomia vertical laparoscópica, em média 1 de cada grupo desenvolverá uso não saudável de álcool”, apontaram os autores, complementando que “os riscos relacionados ao álcool foram um pouco mais pronunciados após BGYR do que [gastrectomia vertical laparoscópica, potencialmente refletindo maiores mudanças na farmacocinética do álcool associada ao BGYR.”

Os veteranos que passaram por qualquer tipo de cirurgia bariátrica também tinham uma probabilidade menor de ficar sem consumir álcool de 5 a 8 anos depois do procedimento, quando comparados aos controles não cirúrgicos.

Depois de 8 anos após a gastrectomia vertical, os pacientes eram aproximadamente 10% menos propensos a parar com o álcool do que os controles não cirúrgicos, enquanto aqueles que passaram pela BGYR foram cerca de 8% menos propensos a não beber.

As pontuações medianas na escala de três itens no Alcohol Use Disorders Identification Test- Consumption (AUDIT-C) também aumentaram depois de ambos os tipos de cirurgias bariátricas, mas não para comparadores não cirúrgicos.

Em uma amostra menor daqueles que disseram consumir álcool de forma não saudável antes da cirurgia, os pacientes do BGYR tiveram uma chance maior em 13% de continuar fazendo uso descontrolado da bebida 8 anos depois do que os controles não cirúrgicos.

Características do estudo

O estudo de coorte retrospectivo contou com 1.539 veteranos que foram submetidos à gastrectomia vertical pareados a 14.555 pacientes de controle não cirúrgicos, bem como 854 pacientes que passaram pelo bypass gástrico correspondente a 8.038 pessoas de controle não cirúrgico, nenhum dos grupos relatou um relacionamento tóxico com o álcool no início do estudo.

Todos os pacientes cirúrgicos passaram pelo procedimento bariátrico em qualquer um dos 130 centros do sistema de saúde VA entre 2008 e 2016. Diferentemente das outras coortes, esta foi composta por 75% de homens.

Dizendo que o ensaio foi um “estudo bem planejado” em um comentário de acompanhamento, Anne Fernandez, PhD, da Universidade de Michigan em Ann Arbor disse que o uso prejudicial de álcool pode ser muitas vezes um resultado esquecido nos estudos sobre cirurgia bariátrica e, em última análise, uma “complicação iatrogênica da cirurgia bariátrica procedimentos.”

Ela relatou que “os procedimentos cirúrgicos bariátricos representam uma encruzilhada pela qual um subconjunto de pacientes transita de um comportamento generalizado e de alto risco para outro, um resultado iatrogênico que afeta os pacientes, as famílias e a sociedade. Na verdade, os comportamentos subjacentes à obesidade e ao álcool prejudicial à saúde uso (ou seja, inatividade física, dieta inadequada e uso de álcool) representam as principais causas de morte evitável nos Estados Unidos. ”

Fernandez ressaltou que os achados reforçam a importância da educação e aconselhamento sobre consumo de álcool no pré e no pós operatório, mas acrescentou que o o rastreamento pré-operatório de álcool não é particularmente útil neste cenário, já que o grupo de Maciejewski que os pacientes nos dois tipos de procedimentos diminuíram o uso da substância antes.

Ela sugeriu que os profissionais de saúde fossem criativos, como adicionar sinalizadores nos registros eletrônicos de saúde (EHR) desses pacientes para fazer o monitoramento e rastreamento de problemas com álcool nos anos posteriores a cirurgia.

As limitações do estudo contaram com a confiança total no rastreamento de álcool por meio do sistema VA/EHR, portanto, o consumo não saudável pode ter sido subestimado. Além disso, “como os pacientes com uso prejudicial de álcool muitas vezes não são aceitos para procedimentos cirúrgicos bariátricos, o autorrelato pode ser tendencioso”, disseram os autores.

____________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Network Open

* “Association of Bariatric Surgical Procedures With Changes in Unhealthy Alcohol Use Among US Veterans” – 2020

Autores do estudo: Matthew L. Maciejewski, Valerie A. Smith, Theodore S. Z. Berkowitz, David E. Arterburn, James E. Mitchell, Maren K. Olsen, Chuan-Fen Liu, Edward H. Livingston, Luke M. Funk, Adenike Adeyemo, Katharine A. Bradley – 10.1001/jamanetworkopen.2020.28117

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.