Medicamentos podem auxiliar no transtorno do uso de metanfetamina

Um estudo duplo-cego controlado por placebo mostrou que uma combinação de naltrexona e bupropiona foi muito útil para diminuir ligeiramente o consumo de drogas para pacientes que sofrem com o transtorno do uso de metanfetaminas.

Durante o ensaio de 12 semanas, 13,6% dos participantes tratados com 380mg de naltrexona injetável de liberação prolongada (Vivitrol) a cada 3 semanas mais 450mg/dia de bupropiona de liberação prolongada oral (Wellbutrin) tiveram pelo menos três amostras de urina negativas para metanfetamina contra apenas 2,5% daqueles que receberam placebo (11,1% de diferença ponderada, P <0,001), relatou Madhukar Trivedi, MD e colegas, da University of Texas Southwestern Medical Center em Dallas.

Aqueles que tomaram a combinação de naltrexona e bupropiona também tiveram uma pontuação semanal de desejo por metanfetamina quase 10% menor na escala visual analógica, escreveu o grupo no New England Journal of Medicine.

Além disso, o grupo de tratamento teve uma pontuação modesta de depressão 1% menor na escala do Questionário de Saúde do Paciente 9 e uma pontuação 4% maior na Avaliação da Eficácia do Tratamento, que mede especificamente o uso reduzido de substâncias e melhorias no estilo de vida, saúde e interações interpessoais e comunitárias.

“Os participantes de nosso estudo foram gravemente afetados pelo transtorno do uso de metanfetamina, com uso quase diário antes da entrada no estudo”, observaram os pesquisadores, acrescentando que atualmente não há nenhum medicamento aprovado pela FDA indicado para o tratamento deste transtorno.

A naltrexona, um antagonista do receptor de opioides, já foi estabelecida como um tratamento eficaz para o transtorno do uso de opioides.

O antidepressivo atípico bupropiona, um inibidor da recaptação da norepinefrina-dopamina, é atualmente indicado para depressão maior e para a cessação do tabagismo e acredita-se que reduza a sensação de disforia associada à retirada da metanfetamina.

Características do estudo

No primeiro estágio do estudo, um total de 403 indivíduos com transtorno de uso de metanfetamina moderado ou grave foram aleatoriamente designados em uma proporção de 0,26:0,74 para receber a combinação de naltrexona e bupropiona ou uma combinação oral de placebo injetável por 6 semanas. A maioria dos participantes do estudo eram homens brancos.

Nesta fase, 16,5% (18 de 109) dos participantes no grupo de tratamento ativo tiveram uma resposta ao tratamento, definida como pelo menos três amostras de urina negativas para metanfetamina em quatro amostras ao final de 6 semanas. Em contraste, apenas 3,4% (10 de 294) daqueles que receberam placebo alcançaram a mesma resposta ao tratamento.

A partir daí, os pesquisadores randomizaram os participantes do grupo placebo que não tiveram essa resposta ao tratamento em uma proporção de 1:1 para receber naltrexona mais bupropiona ou placebo por mais 6 semanas.

Nesta segunda fase, que incluiu 225 participantes, 11,4% (13 de 114) dos participantes no grupo de tratamento obtiveram uma resposta – pelo menos três amostras de urina negativas para metanfetamina – enquanto apenas 1,8% (2 de 111) dessas com placebo alcançou esta resposta.

Durante as duas fases do ensaio, os participantes foram à clínica duas vezes por semana para fornecer amostras de urina. As amostras foram avaliadas quanto à validade com base na temperatura (entre 90° a 100°F).

No geral, a taxa de eventos adversos graves foi baixa com o tratamento, ocorrendo em apenas 3,6% daqueles que receberam naltrexona-bupropiona.

Os eventos adversos mais comuns relatados foram distúrbios gastrointestinais (náuseas, vômitos e constipação), sintomas relacionados ao sistema nervoso como tremor e dor de cabeça e sintomas psiquiátricos como ansiedade e anorexia, bem como mal-estar e hiperidrose.

“A replicação dos resultados do nosso teste em um projeto de eficácia mais naturalista pode ser o próximo passo”, sugeriu o grupo de Trivedi.

Uma baixa inclusão de mulheres e autorrelato dos participantes da metade do regime de tratamento de bupropiona oral foram reconhecidas como limitações do estudo.

___________________________

O estudo original foi publicado no New England Journal of Medicine

* “Bupropion and Naltrexone in Methamphetamine Use Disorder” – 2021

Autores do estudo: Madhukar H. Trivedi, M.D., Robrina Walker, Ph.D., Walter Ling, M.D., Adriane dela Cruz, M.D., Ph.D., Gaurav Sharma, Ph.D., Thomas Carmody, Ph.D., Udi E. Ghitza, Ph.D., Aimee Wahle, M.S., Mora Kim, M.P.H., Kathy Shores-Wilson, Ph.D., Steven Sparenborg, Ph.D., Phillip Coffin, M.D., M.I.A., Joy Schmitz, Ph.D., Katharina Wiest, Ph.D., Gavin Bart, M.D., Ph.D., Susan C. Sonne, Pharm.D., Sidarth Wakhlu, M.D., A. John Rush, M.D., Edward V. Nunes, M.D., and Steven Shoptaw, Ph.D. – 10.1056/NEJMoa2020214

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.