Redução da gordura da língua melhora a apneia do sono!

Pesquisadores da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, EUA descobriram que melhorias nos sintomas da apneia do sono parecem estar ligadas à redução de gordura em uma parte inesperada do corpo – a língua.

Tratando a apneia do sono

Usando imagens de ressonância magnética (IRM) para medir o efeito da perda de peso nas vias aéreas superiores em pacientes obesos, os pesquisadores descobriram que a redução da gordura da língua é um fator primário para diminuir a gravidade da apneia.

“A maioria dos médicos, e mesmo especialistas da apneia do sono no mundo, normalmente não se concentra na gordura da língua no tratamento da apneia do sono. Agora que sabemos que a gordura da língua é um fator de risco e que a apneia do sono melhora quando a gordura da língua é reduzida, estabelecemos um alvo terapêutico único que nunca tivemos antes”, disse o Dr Richard Schwab, um dos autores do estudo e especialista em Medicina do Sono.

Milhões de pessoas sofrem de apneia do sono, uma condição grave de saúde na qual a respiração pára e inicia repetidamente, fazendo com que os pacientes acordem aleatoriamente durante todo o ciclo do sono. A condição, que geralmente é marcada por roncos altos, pode aumentar o risco de pressão alta e derrame. Embora a obesidade seja o principal fator de risco para o desenvolvimento de apneia do sono, existem outras causas, como amígdalas grandes ou mandíbula recuada. As máquinas de CPAP ( pressão positiva contínua nas vias aéreas ) melhoram a apneia do sono em cerca de 75% dos pacientes, sugerem estudos, mas para os outros 25% – aqueles que podem ter problemas para tolerar a máquina – opções alternativas de tratamento, como aparelhos orais ou cirurgia das vias aéreas superiores, são mais complicados.

Um estudo de 2014 comparou pacientes obesos com e sem apneia do sono e constatou que os participantes com a condição tinham línguas significativamente maiores e uma porcentagem maior de gordura na língua quando comparados àqueles sem apneia do sono. O próximo passo dos pesquisadores foi determinar se a redução da gordura da língua melhoraria os sintomas e examinaria melhor a causa e o efeito.

O novo estudo incluiu 67 participantes com apneia obstrutiva do sono leve a grave que eram obesos – aqueles com um índice de massa corporal maior que 30,0. Através de dieta ou cirurgia para perda de peso, os pacientes perderam quase 10% do seu peso corporal, em média, durante seis meses. No geral, a pontuação da apneia do sono dos participantes melhorou em 31% após a intervenção para perda de peso, medida por um estudo do sono.

Redução da gordura da língua pode melhorar a apneia do sonoAntes e depois da intervenção para perda de peso, os participantes do estudo foram submetidos a exames de ressonância magnética tanto na faringe quanto no abdômen. Em seguida, usando uma análise estatística, a equipe de pesquisa quantificou as alterações entre a perda de peso geral e as reduções nos volumes das estruturas das vias aéreas superiores para determinar quais estruturas levaram à melhora dos sintomas.

A equipe descobriu que uma redução no volume de gordura da língua era o principal elo entre a perda de peso e a melhora da apneia durante o sono. Os autores acreditam que a gordura da língua é um novo alvo terapêutico em potencial para melhorar o distúrbio.

 

________________________

Os resultados foram publicados no periódico científico American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine.

* “Effect of Weight Loss on Upper Airway Anatomy and the Apnea Hypopnea Index: The Importance of Tongue Fat” – 2020.

Autores do estudo: Stephen H. Wang, Brendan T Keenan, Andrew Wiemken, Yinyin Zang, Bethany Staley, David B. Sarwer , Drew A. Torigian, Noel Williams, Allan I Pack, and Richard J Schwab – 10.1164/rccm.201903-0692OC

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.