Prevenção na formação de aderências após cirurgia ginecológica

As aderências são um tipo de tecido cicatricial, que pode fazer com que duas superfícies normalmente separadas dentro do corpo se colem.

Geralmente, as aderências se formam na pelve após cirurgia, infecção ou devido à endometriose. As aderências causadas por cirurgia ginecológica podem causar dor e reduzir a fertilidade. Mulheres com aderências geralmente requerem cirurgia adicional.

As estratégias para prevenir a formação de aderências incluem o uso de agentes fluidos e gel, que visam evitar que os tecidos em cicatrização se toquem, ou drogas, destinadas a alterar um aspecto do processo de cicatrização, para diminuir a probabilidade de formação de aderências.

Objetivo da revisão

A revisão, que foi realizada pela Cochrane, avaliou o uso de fluidos e agentes farmacológicos que visam prevenir a formação de aderências após cirurgia ginecológica (definimos géis como agentes fluidos).

Características do estudo

Foram incluídos 32 ensaios clínicos randomizados (3492 mulheres). Os autores reuniram os resultados de 23 ensaios (2.796 mulheres).

A equipe não foi capaz de agrupar os resultados dos nove estudos restantes, porque os investigadores mediram as aderências de uma forma que não nos permitiria combinar os resultados com outros dados, ou não relataram informações estatísticas importantes.

Resultados principais

Fluidos e géis parecem ser eficazes na redução de aderências, mas são necessárias mais informações para determinar se eles afetam a dor pélvica ou as taxas de nascidos vivos.

Devem ser realizados estudos grandes e de alta qualidade nos quais os investigadores usem a forma padronizada de medir aderências, desenvolvida pela American Fertility Society (o escore AFS modificado).

Para o resultado da dor

Um estudo relatou resultados incertos do efeito de um agente fluido (4% de icodextrina, um polímero de glicose) na dor pélvica. Nenhum estudo relatou resultados de dor pélvica com quaisquer outras intervenções.

Para o resultado da fertilidade

Os resultados combinados de dois estudos de agentes fluidos (dextran, outro polímero de glicose) encontraram efeitos incertos nas taxas de nascidos vivos.

Os dados sugerem que em mulheres com 13% de chance de dar à luz sem tratamento, 4% a 19% dariam à luz se tratadas com agentes fluidos.

Os resultados combinados de dois estudos de esteroides encontraram efeitos incertos nas taxas de nascidos vivos.

Os dados sugerem que em mulheres com 13% de chance de dar à luz sem tratamento, 4% a 19% dariam à luz se tratadas com esteroides. Nenhum estudo relatou taxa de nascidos vivos com quaisquer outras intervenções.

Não há certeza se os agentes fluidos, agentes de gel ou esteroides afetam as taxas de gravidez clínica em comparação com nenhum tratamento.

Nenhum estudo comparou o efeito de agentes fluidos com agentes de gel relatou taxas clínicas de gravidez.

Para o resultado de aderências na SLL

quatro estudos descobriram que os agentes fluidos reduziram a incidência de aderências na laparoscopia de segunda análise (scores at second look‐laparoscopy [SLL]) em comparação com nenhum tratamento (evidência de alta qualidade).

Isso sugere que em mulheres com 84% de chance de ter aderências na SLL sem tratamento, o uso de agentes fluidos resultaria em 54% a 75% de aderências.

Cinco estudos descobriram que os agentes de gel reduziram a incidência de aderências na SLL em comparação com nenhum tratamento (evidência de alta qualidade).

Isso sugere que em mulheres com 84% de chance de ter aderências em SLL sem tratamento, o uso de agentes de gel resultaria em 39% a 75% de aderências.

Três estudos descobriram que os agentes de gel provavelmente reduziram a incidência de aderências em SLL em comparação com agentes fluidos (evidência de qualidade moderada).

Isso quer dizer que em mulheres com 46% de chance de ter aderências na SLL com um agente fluido, o uso de agentes em gel resultaria em 21% a 41% tendo aderências.

Oito estudos examinaram o efeito dos agentes de gel ou fluidos na pontuação média de adesão. Não existe certeza se eles têm efeito quando comparados com nenhum tratamento ou entre si.

Nenhum estudo relatou o efeito dos esteroides na incidência de adesão ou pontuações médias de adesão em SLL.

Para o resultado de eventos adversos

Nenhum estudo relatou quaisquer eventos adversos causados ​​pela intervenção que está sendo investigada.

Qualidade da evidência

A qualidade da evidência variou de muito baixa a alta. As principais razões para rebaixar as evidências foram a imprecisão (tamanhos de amostra pequenos e amplos intervalos de confiança que cruzaram a linha de nenhum efeito) e relatórios de métodos inadequados.

Conclusão dos autores

Géis e agentes de hidroflotação parecem ser agentes eficazes de prevenção de adesão para uso durante cirurgia ginecológica, mas não os autores não encontraram nenhuma evidência indicando que eles melhoram os resultados de fertilidade ou dor pélvica, mais pesquisas são necessárias nesta área.

É importante notar também que, para algumas comparações, intervalos de confiança largos cruzando a linha de nenhum efeito significava que o dano clínico como resultado de intervenções não poderia ser excluído.

Estudos futuros devem medir os resultados de maneira uniforme, usando o escore modificado da American Fertility Society. Os resultados estatísticos devem ser relatados por completo. Nenhum estudo relatou quaisquer eventos adversos atribuíveis à intervenção.

______________________________

O estudo original foi publicado pela Cochrane LIbrary

* “Fluid and pharmacological agents for adhesion prevention after gynaecological surge” – 2020

Autores do estudo: Gaity Ahmad, Matthew Thompson, Kyungmin Kim, Priya Agarwal, Fiona L Mackie, Sofia Dias, Mostafa Metwally, Andrew Watson – doi.org/10.1002/14651858.CD001298.pub5

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.