Pesquisa analisa adição da radioterapia à cirurgia conservadora da mama

Os benefícios de adicionar radioterapia (RT) à cirurgia conservadora da mama (breast-conserving surgery [BCS]) para carcinoma ductal in situ (ductal carcinoma in situ [DCIS]) duram 10 anos após o diagnóstico, mas tornam-se semelhantes à BCS sozinha depois disso, mostrou um estudo retrospectivo de 10.000 mulheres.

Durante os primeiros 10 anos após o diagnóstico de DCIS, a probabilidade de recorrência de DCIS foi de 4,6% com RT versus 13,0% sem. O risco de câncer de mama invasivo em 10 anos foi de 5,2% e 13,9% com e sem RT, respectivamente.

O acompanhamento por mais 10 anos mostrou taxas de recorrência de DCIS de 2,8% e 1,2% com e sem radioterapia e taxas de doença invasiva de 13,2% e 11,8%, respectivamente, de acordo com um relatório no congresso virtual da European Breast Cancer Conference (EBCC).

“Os riscos de DCIS ou câncer invasivo recorrente nessas mulheres diminuirão com o tempo, quer elas tenham feito apenas a cirurgia de preservação da mama ou a cirurgia de preservação da mama com radioterapia”, disse Maartje van Seijen, MD, do Instituto do Câncer da Holanda em Amsterdã, em um comunicado. “Este estudo mostra que, no geral, a adição de radioterapia dá às mulheres as melhores chances.”

“No entanto, ainda existe uma chance de desenvolvimento de um novo CDIS ou câncer invasivo que não está relacionado ao diagnóstico inicial, e esperamos que esse risco seja semelhante entre os dois tipos de tratamento”, acrescentou ela. “Em um número muito pequeno de mulheres, a própria radioterapia pode causar um novo câncer de mama, muitas vezes muitos anos após a radioterapia ter sido administrada”.

Idade sem barreira absoluta para cirurgia de mama

A maioria das mulheres mais velhas com câncer de mama positivo para receptor hormonal (HR) se beneficiou da cirurgia, que deve ser considerada para todas as pacientes, exceto as mais frágeis, concluíram os autores de uma revisão multicêntrica.

As descobertas vieram de um estudo com 3.000 mulheres, com idade superior a 70 anos, com câncer de mama HR positivo operável, tratadas em 56 centros na Inglaterra.

No geral, 82% foram operados e o restante recebeu apenas terapia antiestrogênica. Durante um acompanhamento médio de 52 meses, 41,8% das mulheres em terapia antiestrogênica morreram, em comparação com 14,6% das mulheres que fizeram cirurgia. A mortalidade específica por câncer de mama foi de 4,9% com cirurgia e 9,5% sem.

Mulheres que não se submeteram à cirurgia eram mais velhas e menos aptas em comparação com as pacientes que fizeram a cirurgia, relatou Lynda Wyld, MD, PhD, da Universidade de Sheffield na Inglaterra, no EBCC. Wyld e colegas realizaram uma análise limitada a 676 mulheres de idade, fragilidade e condicionamento físico semelhantes.

A mortalidade nos grupos pareados foi de 25,6% com cirurgia e 34,5% sem. A mortalidade específica por câncer de mama foi de 3,1% em mulheres que receberam apenas terapia antiestrogênica e 6,6% em mulheres que fizeram cirurgia. A mortalidade cirúrgica foi de 0%, e eventos adversos cirúrgicos maiores ocorreram em 2%.

A sobrevivência na coorte combinada permaneceu semelhante até 4 anos e, em seguida, divergiu, sugerindo 4 anos de expectativa de vida prevista como um corte para a sobrevivência não inferior com terapia antiestrogênica primária em comparação com a cirurgia.

Nesse grupo mais frágil, menos apto e compatível, a qualidade de vida e os resultados funcionais pioraram após a cirurgia.

“Para a maioria das mulheres, a cirurgia … deve ser o objetivo do tratamento, se possível, já que mostramos que a cirurgia é geralmente bem tolerada e as taxas de sobrevivência são ligeiramente mais baixas em mulheres que não fazem a cirurgia”, disse Wyld em um comunicado. “No entanto, quando examinamos os dois tratamentos em um grupo menos apto de mulheres mais velhas, essas diferenças na sobrevivência ao câncer de mama desapareceram.”

“Além disso, sua qualidade de vida e sua capacidade de se envolver em atividades cotidianas se deterioraram mais após a cirurgia do que em mulheres que tomaram apenas comprimidos de hormônios”, afirmou ela. “Isso também deve ser pesado em relação à diferença potencial de sobrevivência entre a cirurgia e a terapia hormonal primária”.

Os resultados sugeriram que a terapia hormonal por si só pode ser equivalente à cirurgia em pacientes mais velhos, menos aptos e frágeis, concluiu ela.

Mais dados sobre o risco de câncer de mama com intervalo

Os cânceres de mama de alto risco diagnosticados entre mamografias programadas têm um prognóstico pior em comparação com os cânceres detectados na triagem, de acordo com uma revisão retrospectiva de 1.102 pacientes apresentadas no EBCC.

Mulheres com tumores de alto risco de intervalo, conforme determinado pela assinatura genômica, tiveram um intervalo livre de metástases à distância (DMFI) de 85,2% contra 93,8% para mulheres com tumores de alto risco detectados na tela.

Em contraste, os tumores de risco ultrabaixo tiveram um excelente DMFI de 8 anos, seja detectado por mamografia de rastreamento (98,2%) ou diagnóstico de intervalo (97,4%), assim como os tumores de baixo risco genomicamente (93,8% vs 92,2%).

“Embora esses tumores tenham a mesma biologia – todos com 70 genes, alto risco e características tumorais semelhantes – eles têm prognósticos diferentes com base em seu método de detecção”, disse Josephine Lopes Cardozo, MD, do Netherlands Cancer Institute, disse em um comunicado.

“Isso sugere que o método de detecção é um fator prognóstico adicional neste grupo de pacientes. O método de detecção, combinado com a assinatura de 70 genes, pode otimizar ainda mais o tratamento para pacientes com alto risco de recorrência.”

“Para pacientes com um risco muito baixo de recorrência, um acompanhamento mais longo também pode ajudar a identificar aqueles que estão atualmente em risco de serem tratados em excesso”.

Os resultados são consistentes com um estudo canadense recente, que mostrou um risco três vezes maior de morte prematura associada a cânceres de mama detectados no intervalo.

Os dados da análise de Lopes Cardozo vieram do ensaio MINDACT randomizado, que mostrou que o ensaio genômico MammaPrint poderia estratificar o risco de tumores de mama e dar a mais mulheres a oportunidade de considerar pular a quimioterapia adjuvante para doença de baixo risco.

__________________________

O estudo original foi publicado no European Breast Cancer Conference

* “Impacts of omission of breast cancer surgery in older women with ER+ early breast cancer. A risk-stratified analysis of survival and quality of life outcomes” – 2020

Autores do estudo: Wyld L, et al – Estudo

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.