Cientistas descobrem armas efetivas contra o vírus da raiva!

Os pesquisadores descobriram uma maneira de impedir que vírus da raiva desligue a defesa imunológica do corpo contra ele. Ao fazer isso, eles resolvem um enigma científico essencial e são lançados como bases para o desenvolvimento de novas vacinas anti-rábicas.

A raiva mata cerca de 60.000 pessoas por ano, a maioria delas em países em desenvolvimento, principalmente por mordidas de cães.

Novas armas contra o vírus da raiva

O Dr. Greg Moseley, do Monash Biomedicine Discovery Institute (BDI), e o Professor Associado da Universidade de Melbourne Paul Gooley, do Bio21 Institute, foram os principais autores do estudo. 

“Há muito tempo se sabe que muitos vírus têm como alvo a proteína humana STAT1 e proteínas relacionadas a alterações como doenças imunológicas hospedadas, e também se supõe que isso seja muito importante para doenças”, disse o Dr. Moseley.

No entanto, não se sabia exatamente como a proteína P – o principal ‘imunológico’ dos lisavírus, incluindo o vírus da raiva – se refere ao STAT1, devido à falta de dados relacionados diretamente aos testes STAT1 com infecções virais.

“O desafio era produzir estas proteínas e hospedar em um tubo de ensaio e usar o teste para questionar a interação diretamente; isso não era feito antes, pelo menos para uma proteína humana em tamanho real”. Moseley disse.

Os pesquisadores reuniram duas proteínas e, usando uma espectroscopia de ressonância nuclear magnética, observaram como regiões precisas em que a proteína viral é adicionada ao STAT1 age, e como estas são ativadas para produzir uma resposta imune.

“Conseguimos encontrar novas regiões e novos locais para mutações e, portanto, podemos direcionar para um vírus, impedindo completamente que ele consiga se apossar do STAT1”, disse o professor Gooley, especialista em espectroscopia de ressonância magnética nuclear.

Para o conhecimento dos pesquisadores, esta foi a primeira análise estrutural direta da ligação do STAT1 de tamanho completo a uma proteína viral, embora muitos vírus, como sarampo e Henipavirus, usem como alvo essa proteína.

Usando uma cepa ‘selvagem’ de vírus da raiva, colaboradores do Instituto Pasteur na França mostram que, ao alterar essa ligação, eles podem se envolver fortemente até mesmo em um vírus altamente patogênico. As conclusões do seu estudo de cinco anos são objeto de uma patente internacional recentemente.

Está em andamento um esforço global para encontrar as melhores maneiras de combater a raiva, que é causada pelo vírus da raiva e também por outros lisavírus, incluindo um vírus do morcego australiano.

Cientistas descobrem armas efetivas contra o vírus da raivaOs métodos como o sistema imunológico dos cães não conseguem combater a raiva ainda são bem problemáticos, embora a vacinação em massa seja eficaz.

“O desenvolvimento de uma nova vacina anti-rábica segura e altamente eficaz pode ser administrado por via oral ou como ‘iscas’ seria um grande passo à frente”, disse Moseley.

O professor Gooley disse que está entusiasmado por ter se envolvido em um projeto que poderia levar uma vacina oral mais segura contra a raiva para eliminá-la especialmente nos países em desenvolvimento.

“Como Greg, sou um cientista da descoberta, movido pela curiosidade. Gosto de resolver problemas científicos. As ferramentas e métodos tecnológicos de ponta usados ​​no estudo também podem ser usados ​​de maneira mais ampla para combater outros vírus que têm como alvo as proteínas STAT”, concluiu o professor Gooley.

 

__________________________

O estudo foi publicado na conceituada revista científica Cell Reports.

* “Elucidação Estrutural do Antagonismo Viral da Imunidade Inata na Interface STAT1” – 2019.

Alamdir Hossain, Gregory W Moseley, Paul R Gooley – 10.1016 / j.celrep.2019.10.020

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.