Estudo pode ser uma esperança de um tratamento para a esquizofrenia!

A esquizofrenia é uma condição grave de saúde mental que causa incapacidade significativa e afeta 1 em cada 100 pessoas. Pacientes com esquizofrenia geralmente apresentam sintomas negativos, que incluem falta de motivação, isolamento social e incapacidade de experimentar sentimentos agradáveis. Os antipsicóticos atuais melhoram minimamente esses sintomas negativos e não há tratamentos atualmente licenciados. Em vista disso, há um interesse considerável na identificação de possíveis alvos de tratamento para a esquizofrenia. No entanto, a natureza das mudanças na química do cérebro que contribuem para esses sintomas negativos ainda é desconhecida.

Avanço no tratamento para a esquizofrenia

Os receptores mu-opióides (MOR) são encontrados em uma região do cérebro chamado estriado e eles desempenham um papel crucial na maneira como experimentamos prazer e recompensa. Nosso corpo produz naturalmente moléculas opióides que incluem endorfinas; que são hormônios secretados pelo cérebro que são conhecidos por ajudar a aliviar a dor ou o estresse e aumentar a felicidade.

Os MORs são receptores que ligam essas moléculas opióides endógenas produzidas naturalmente, e a estimulação do sistema MOR inicia uma cascata de sinalização que causa um aumento na motivação para buscar recompensa e aumenta a palatabilidade dos alimentos, entre muitos outros efeitos. Curiosamente, verificou-se que os MORs foram reduzidos no estriado post-mortem na esquizofrenia. Portanto, não estava claro se a disponibilidade desses receptores aumentava quando os indivíduos estavam vivos ou se a MORs reduzida estava relacionada aos sintomas negativos da esquizofrenia.

A última pesquisa de varredura cerebral do grupo Psychiatric Imaging no MRC LMS publicada em 3 de outubro na Nature Communications relatou como o sistema MOR contribui para os sintomas negativos exibidos em pacientes com esquizofrenia. Pela primeira vez, este estudo mostrou como os níveis de MOR são significativamente reduzidos na região estriada do cérebro. Assim, a falta de estimulação do sistema MOR no cérebro contribui para esses sentimentos negativos que os pacientes com esquizofrenia podem experimentar.

Os pesquisadores deste estudo também usaram um novo método de análise para estimar como os MORs também estão conectados no cérebro.

O Dr. Abhishekh Ashok, pesquisador clínico acadêmico em Radiologia também do LMS e do NHS Foundation Trust do Hospital da Universidade de Cambridge e que conduziu o estudo, diz: “Os sintomas negativos na esquizofrenia causam sofrimento significativo aos pacientes, mas não existem tratamentos aprovados. Isso é porque a natureza das mudanças na química do cérebro que contribuem para esses sintomas negativos é desconhecida. Esta pesquisa de PET ajuda a explicar a alteração nas substâncias químicas do cérebro em um circuito cerebral específico que contribui para o desenvolvimento de sintomas negativos”.

Esta análise revelou um aumento global marcado na conexão da disponibilidade de MOR em pacientes com esquizofrenia, isto foi mais pronunciado na conexão do circuito cerebral chamada rede cerebelo-tálamo-cortical.

Estudo pode ser uma esperança de um tratamento para a esquizofreniaOliver Howes, chefe do grupo de imagem psiquiátrica do LMS e autor sênior deste artigo, discutiu os próximos passos desta pesquisa: “Precisamos desesperadamente de abordagens de tratamento para a esquizofrenia. Esta é uma nova e promissora liderança que pode nos ajudar a desenvolver um novo tratamento.”

Esta notícia foi recebida com bastante entusiamo pelas ONGs responsáveis por prestar suporte a pessoas que sofrem da doença, agora é esperar os resultados.

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.