Estudo analisa resultados de imunomoduladores para doença de Crohn

Apesar da maior utilização de imunomoduladores e produtos biológicos, a doença de Crohn perianal (DCP), especialmente o fenótipo grave, está associada a resultados ruins, concluiu um grande estudo de base populacional de Israel.

Dados do grupo de epidemiologia do Núcleo de Pesquisa IBD de Israel (epi-IIRN) mostraram que o envolvimento perianal está ligado a taxas mais altas de hospitalização, cirurgia, câncer de cólon e dependência de esteroides.

O risco de câncer anorretal foi quase três vezes maior em pacientes com DCP em comparação com aqueles sem envolvimento perianal, relataram Dan Turner, MD, PhD, do Shaare Zedek Medical Center da Universidade Hebraica em Jerusalém, e colegas.

“A doença de Crohn perianal é um forte indicador de curso complicado de doença e requer tratamento intensificado precoce, especialmente em doença perianal grave”, escreveram online na Clinical Gastroenterology and Hepatology.

Detalhes do estudo

Turner e colegas revisaram dados sobre 12.904 pacientes com doença de Crohn de uma coorte inicial datada de 2005 e que forneceu 86.119 pessoas-ano de acompanhamento. Os pacientes foram acompanhados até janeiro de 2019, com seguimento médio de 6,6 anos.

A doença de Crohn perianal foi estritamente definida como doença fistulizante ou abscesso, embora possa incluir fissuras e marcas na pele. Doença fistulizante foi diagnosticada em 1.530 (12%) pacientes, sendo que destes 574 (4%) apresentavam fenótipo grave.

A doença perianal pode ocorrer a qualquer momento, explicaram os autores, mesmo antes do diagnóstico de Crohn, com maior risco em pacientes com doença colônica envolvendo o reto.

Com o tempo, o estudo encontrou prevalências de DCP de 7,9%, 9,4%, 10,3% e 11,6% em 1, 3, 5 e 10 anos após o diagnóstico da doença de Crohn, respectivamente. A doença perianal precedeu o diagnóstico de Crohn em 602 (39%) pacientes com DCP, e 165 pacientes (11%) desenvolveram a condição, apesar do tratamento biológico prévio.

Os resultados da doença incluíram hospitalizações e cirurgias relacionadas à doença inflamatória intestinal (como ressecção do intestino delgado ou grosso), cirurgias perianais, a necessidade de pelo menos dois produtos biológicos de classes diferentes, falha de crescimento em crianças, dependência de esteroides (qualquer duração do curso >90 dias), mortalidade e malignidades relacionadas com IBD pós-diagnóstico, como linfoma não-Hodgkin, câncer de pele, adenocarcinoma do intestino delgado e grosso, câncer anorretal, câncer cervical e colangiocarcinoma.

Em 5 anos, os pacientes com DCP eram mais propensos a serem hospitalizados, submetidos a cirurgias relacionadas à DII e a desenvolver câncer anorretal.

A DCP grave também foi associada a resultados piores em comparação com a doença não grave, conforme indicado por hospitalizações e cirurgias.

Assim como em estudos anteriores, a análise israelense encontrou um risco maior de envolvimento perianal em homens (22,6 por 1.000 pessoas-ano) em comparação com as mulheres. O risco também foi maior nos casos de início pediátrico (21,4 por 1.000 pessoas-ano) em comparação aos casos de início na idade adulta.

De acordo com os autores, este é o primeiro estudo de base populacional a comparar o manejo e os resultados em DCP grave e não grave e o primeiro a incluir pacientes com início pediátrico.

As diretrizes para adultos e crianças recomendam o tratamento biológico precoce na presença de doença perianal fistulizante. “No entanto, semelhante aos relatórios anteriores, descobrimos que, apesar do gerenciamento intensivo, a DCP ainda estava associada a uma taxa de complicações mais alta”, escreveram Turner e a equipe. “Esses resultados enfatizam a importância da otimização precoce do tratamento em pacientes com DCP.”

Em comparação com o estudo atual, as análises anteriores encontraram uma prevalência maior de DCP, variando de 20% a 47%, possivelmente decorrente de um viés de referência devido ao tratamento de pacientes em centros acadêmicos, em vez de uma coorte de base populacional. “Outra explicação está relacionada à nossa definição rigorosa de doença perianal, incluindo apenas aqueles com doença fistulizante ou abscesso”, observaram os autores.

Entre as limitações do estudo estava a dependência de dados administrativos em prontuários eletrônicos, que careciam de alguns detalhes valiosos, como extensão da doença e tabagismo. Além disso, um dos algoritmos usados ​​para diferenciar DCP grave e não grave alcançou apenas sensibilidade e especificidade modestas. Além disso, alguns pacientes com DCP podem não ter sido incluídos.

___________________________

O estudo original foi publicado no Clinical Gastroenterology and Hepatology

* “Perianal Crohn’s disease is associated with poor disease outcome: a nation-wide study from the epiIIRN cohort” – 2021

Autores do estudo: Ohad Atia, Noa Asayag, Gili Focht, Rona Lujan, Oren Ledder, Shira Greenfeld, Revital Kariv, Iris Dotan, Hagit Gabay, Ran Balicer, Ziona Haklai, Daniel Nevo, Dan Turner – 10.1016/j.cgh.2021.04.007

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.