Terapia de surfactante em bebês prematuros em risco

A síndrome do desconforto respiratório (SDR) é uma causa importante de doença e morte em bebês prematuros. É comumente tratada com um medicamento chamado surfactante, que é administrado por um tubo (chamado tubo endotraqueal ou TET). O TET é colocado na traqueia (traqueia).

No entanto, mais bebês com SRD estão sendo tratados desde o início com suporte respiratório não invasivo (por meio de uma máscara) sem o uso de um tubo endotraqueal.

Isso significa que os meios usuais de administração de surfactante não estão disponíveis. Nesses bebês, a terapia com surfactante requer a colocação de um tubo endotraqueal, com ou sem a intenção de removê-lo logo após o procedimento. O surfactante melhora os resultados clínicos, mas a inserção do TET e a ventilação mecânica (respiração assistida) podem causar lesões pulmonares.

Isso pode contribuir para o desenvolvimento de uma doença pulmonar crônica conhecida como displasia broncopulmonar (DBP) e outros problemas. Alternativas para a inserção do TET foram desenvolvidas. O método mais popular é o uso de um cateter (tubo) fino que é inserido brevemente na traqueia.

Pergunta da revisão

A administração de surfactante por meio de uma técnica minimamente invasiva envolvendo a colocação de um cateter fino na traqueia de um bebê com respiração espontânea é eficaz e segura?

Coleta e análise de dados

Os autores da revisão avaliaram de forma independente a qualidade do estudo e o risco de viés e extraíram os dados. Os autores de todos os estudos foram contatados sobre o desenho do estudo e/ou dados ausentes ou não publicados. Eles usaram a abordagem GRADE para avaliar a certeza das evidências.

Características do estudo

A equipe pesquisou os bancos de dados eletrônicos e encontramos 16 ensaios clínicos randomizados (18 publicações) que atenderam aos nossos critérios de seleção. Esses testes envolveram a administração de surfactante por meio de um cateter fino. As evidências estão atualizadas em 30 de setembro de 2020.

Principais resultados

A administração de surfactante por meio de um cateter fino a bebês prematuros com respiração espontânea em comparação com a administração de surfactante por meio de um TET foi associada a uma redução no seguinte: risco de morte ou DBP, necessidade de respiração assistida nas primeiras 72 horas de vida, sangramento cerebral grave, morte durante a primeira hospitalização e DBP entre os sobreviventes.

Não há certeza se a intervenção tem um efeito importante no vazamento de ar que requer drenagem porque os resultados são imprecisos. Nenhum dos estudos relatou sobre o resultado de morte ou sobrevivência com deficiência. O procedimento teve taxas de efeitos adversos semelhantes à administração de surfactante por meio de um TET.

Esses dados sugerem que o tratamento com surfactante por meio de um cateter fino é preferível à terapia com surfactante por meio de um TET.

Outros estudos bem desenhados de tamanho e potência adequados, bem como estudos em andamento, são necessários para confirmar e refinar esses achados e para esclarecer se a terapia com surfactante por meio de um cateter fino oferece benefícios em relação à continuação do suporte respiratório não invasivo sem surfactante.

Certeza de evidência

A maioria dos estudos apresentou deficiências metodológicas importantes. Foi utilizada a abordagem GRADE para avaliar a certeza das evidências.

A equipe rebaixou a evidência para ‘moderada a baixa’. Mais estudos de boa qualidade são urgentemente necessários para abordar as incertezas dentro de subgrupos importantes.

Conclusão dos autores

A administração de surfactante por cateter fino em comparação com a administração por meio de um TET está associada à redução do risco de morte ou DBP, menos intubação nas primeiras 72 horas e redução da incidência de complicações maiores e mortalidade hospitalar.

Este procedimento teve uma taxa de efeitos adversos semelhante à administração de surfactante por meio de um TET. Os dados sugerem que o tratamento com surfactante por meio de cateter fino pode ser preferível à terapia com surfactante por TET.

Outros estudos bem desenhados de tamanho e potência adequados, bem como estudos em andamento, ajudarão a confirmar e refinar esses achados, esclarecer se a terapia com surfactante por meio de cateter traqueal fino oferece benefícios em relação à continuação do suporte respiratório não invasivo sem surfactante, abordar as incertezas dentro de importantes subgrupos e esclarecer o papel da sedação.

_____________________________

O estudo original foi publicado na Cochrane Library

* “Surfactant therapy via thin catheter in preterm infants with or at risk of respiratory distress syndrome” – 2021

Autores do estudo: Abdel-Latif ME, Davis PG, Wheeler KI, De Paoli AG, Dargaville PA – 10.1002/14651858.CD011672.pub2