Estudo investiga taxa de suicídio por conta da pandemia de COVID-19

As mortes por suicídio permaneceram as mesmas ou diminuíram em 21 países de renda alta e média alta, incluindo um diversos estados americanos, nos primeiros meses da pandemia de COVID-19 em comparação com os níveis esperados, de acordo com uma análise preliminar dados.

Na verdade, em 12 países ou áreas, houve evidência estatística de uma diminuição do que era esperado com base nos anos pré-pandêmicos, disse Jane Pirkis, PhD, diretora do Centro de Saúde Mental da Universidade de Melbourne, e colegas.

As 12 áreas que viram uma diminuição nos suicídios foram Califórnia, Illinois e Texas nos EUA, Nova Gales do Sul, Austrália, Alberta e British Columbia, Canadá, Chile, Leipzig – Alemanha, Japão, Nova Zelândia, Coreia do Sul e Equador, os autores relataram no Lancet Psychiatry.

Quando o COVID-19 começou a devastar o mundo no ano passado, os médicos e especialistas em saúde mental temeram que os suicídios disparassem conforme seus entes queridos ficassem doentes ou perdessem o emprego e o desespero se generalizasse.

Esforços nacionais para apoiar intervenções de saúde mental, programas fiscais que amortecem a perda de renda e outros fatores talvez tenham protegido algumas pessoas da ideação suicida, observaram os autores.

“As comunidades podem ter tentado ativamente apoiar indivíduos em risco, as pessoas podem ter se conectado de novas maneiras e alguns relacionamentos podem ter sido fortalecidos por famílias passando mais tempo umas com as outras”, escreveram eles.

Detalhes do estudo

Para o estudo, os pesquisadores selecionaram estatísticas de fontes governamentais e usaram uma análise de série temporal interrompida para modelar a tendência de suicídios a cada mês antes do COVID-19 (1º de janeiro de 2019 a 31 de março de 2020) em cada área, comparando o número esperado de suicídios com o número de suicídios observado nos primeiros meses da pandemia (1 de abril a 31 de julho de 2020).

Países ou áreas dentro de países foram incluídos se estatísticas sobre suicídios estivessem disponíveis por mês e eles tivessem uma população de pelo menos 3 milhões de residentes.

Em uma análise de sensibilidade, os autores inflaram o número de suicídios em cada mês desse período em 5%, para contabilizar relatórios potencialmente atrasados, e encontraram “pouca diferença”, com apenas duas áreas – Nova Jersey e Porto Rico – mostrando evidência de aumento de suicídios não encontrada na análise primária.

Para os EUA, Pirkis e colegas compararam ocorrências de suicídio observadas e esperadas em cinco estados. Em apenas um deles, Nova Jersey, os suicídios observados ultrapassaram visivelmente o número esperado de tendências anteriores (389 contra 364).

Este estudo é o primeiro a examinar o suicídio durante a pandemia COVID-19 em vários países. Para cada um dos países incluídos, os dados foram notavelmente consistentes.

No entanto, Pirkis e sua equipe alertaram contra a complacência: Precisamos permanecer vigilantes e estar preparados para responder se a situação mudar à medida que os efeitos econômicos e para a saúde mental de longo prazo da pandemia se desdobram.”

Em um comentário complementar, Stella Botchway, MPH, e Seena Fazel, BSc, MD, da University of Oxford, na Inglaterra, sugeriram que o declínio dos suicídios durante esses primeiros meses “é consistente com a observação de que as crises nacionais podem estar associadas a um efeito protetor contra o suicídio, talvez devido a uma maior coesão social.”

No entanto, eles alertaram sobre um possível impacto retardado. “O suicídio pode ser um indicador tardio de dificuldades psicossociais, influenciadas por interrupções de médio e longo prazo na vida cívica e na economia”, escreveram.

Outros estudos mostraram um aumento nos suicídios após uma recessão econômica, e esse aumento pode ser sustentado por vários anos, acrescentaram.

No entanto, de acordo com o coautor do estudo Mark Sinyor, MD, do Hurvitz Brain Sciences Program no Sunnybrook Health Sciences Centre em Toronto, “isso não é predestinado.”

“Se as ações corretas forem tomadas, por exemplo, os governos fornecem ou continuam a fornecer redes de segurança financeira, as comunidades se esforçam para promover a coesão social e união quando o distanciamento físico não é mais necessário e os sistemas de saúde oferecem acesso oportuno a cuidados de saúde mental de alta qualidade , não há razão para que as taxas de suicídio tenham de aumentar e, de fato, é possível que haja reduções contínuas”, disse ele ao MedPage Today.

Houve algumas limitações para o estudo. As taxas de suicídio em países de renda baixa ou média-baixa não puderam ser capturadas, e “respondem por 46% dos suicídios no mundo e podem ter sido atingidos de maneira particularmente forte pela pandemia”. Além disso, a coleta de dados em muitos países pode ter sido impedida por interrupções do COVID-19.

___________________________

O estudo original foi publicado no The Lancet Psychiatry

* “Suicide trends in the early months of the COVID-19 pandemic: an interrupted time-series analysis of preliminary data from 21 countries” – 2021

Autores do estudo: Prof Jane Pirkis, PhD, Prof Ann John, MD, Sangsoo Shin, MPH, Marcos DelPozo-Banos, PhD, Vikas Arya, MRes, Pablo Analuisa-Aguilar, MPH, et al – 10.1016/S2215-0366(21)00091-2

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.