Crianças com síndrome inflamatória apresentaram sintomas mucocutâneos

A maioria das crianças com síndrome inflamatória multissistêmica (SIM-P) apresentou achados mucocutâneos, como constatou uma pequena série de casos na cidade de Nova York.

Entre 35 crianças, 29 com SIM-P exibiram essas sequelas, sendo a injeção conjuntival, eritema palmoplantar e hiperemia labial as mais comuns, relatou Vikash Oza, MD, da New York University Grossman School of Medicine, e colegas, escrevendo em um breve relatório no JAMA Dermatology.

É importante notar que os autores observaram que “o envolvimento mucocutâneo não foi associado a disfunção cardíaca, necessidade de suporte inotrópico ou admissão à unidade de terapia intensiva, sugerindo que as alterações mucocutâneas não estão associadas à gravidade da doença em SIM-P.”

Oza e colegas examinaram registros de 35 pacientes com suspeita de síndrome inflamatória multissistêmica ou doença de Kawasaki de 1º de abril a 14 de julho. Eles usaram os critérios do CDC para SIM-P, o que significa que os pacientes tinham 21 anos ou menos, apresentavam febre, evidências laboratoriais de inflamação e doença grave que requer internação, com envolvimento de dois ou mais sistemas de órgãos e “nenhum diagnóstico alternativo plausível”.

A positividade confirmada de SARS-CoV-2 ou a exposição ao vírus não foram necessárias para inclusão, uma vez que muitos pacientes “foram infectados sem exposições conhecidas.” Os pacientes foram avaliados para a doença de Kawasaki usando os critérios da American Heart Association.

Características do estudo

Os pacientes incluídos tinham uma idade média de 2 anos e 16 eram meninas. Doze eram hispânicos, 10 eram negros e 6 eram brancos. Vinte e cinco pacientes preencheram os critérios do CDC para SIM-P, e 10 casos prováveis ​​de SIM-P também foram incluídos.

No geral, 21 pacientes testaram positivo para SARS-CoV-2: 10 via PCR e 11 IgG-positivos apenas.

Envolvimento gastrointestinal foi observado em 31 pacientes, e cinco desenvolveram sintomas respiratórios. Todos os pacientes, exceto um, tinham dímero-D elevado, embora nenhum tenha desenvolvido fenômenos tromboembólicos. Dezenove pacientes tiveram envolvimento cardíaco e dez tiveram resultados anormais no ecocardiograma. Destes 19 pacientes, cinco necessitaram de suporte inotrópico ou terapia para estabilizar a circulação.

Dos 29 pacientes com achados mucocutâneos, 21 tiveram injeção conjuntival, ou alargamento dos vasos conjuntivais no olho, 18 tinham eritema palmoplantar, ou vermelhidão das palmas das mãos ou solas dos pés, e 17 tinham hiperemia labial ou vermelhidão do lábios.

Além disso, 13 apresentavam estalido labial, oito apresentavam “língua em morango” e sete apresentavam eritema e edema periorbital, ou vermelhidão e inchaço ao redor dos olhos.

Pacientes com provável SIM-P foram significativamente mais propensos a exibir injeção conjuntival do que pacientes com síndrome inflamatória multissistêmica confirmada e atender aos critérios para doença de Kawasaki ou doença de Kawasaki incompleta, mas não houve outras diferenças significativas entre os grupos.

Os autores disseram que enquanto 60% da coorte preenchia os critérios para doença de Kawasaki ou doença de Kawasaki incompleta, havia “achados únicos” normalmente não vistos em pacientes com doença de Kawasaki, incluindo edema periorbital acentuado e “eritema que lembra erupção em heliotrópio”.

Entre os 29 pacientes com manifestações dermatológicas, 19 tiveram febre em média 2,7 dias antes do primeiro achado mucocutâneo, mas a duração desses sintomas variou amplamente, de algumas horas a até 11 dias (mediana 5 dias). A idade não parece importar para o desenvolvimento de sintomas mucocutâneos específicos, disse o grupo de Oza.

Dez pacientes foram admitidos na UTI, e permaneceram em média 6 dias. Todos os pacientes receberam alta hospitalar. No momento em que o estudo foi encerrado, 34 pacientes foram atendidos para acompanhamento ambulatorial, com nove sofrendo descamação palmoplantar.

As limitações do estudo incluíram que especialistas em doenças infecciosas e reumatologia fizeram diagnósticos de SIM-P, de modo que os pacientes onde esses serviços não foram consultados podem ter sido perdidos.

Foram incluídos dez pacientes que não apresentaram teste positivo para SARS-CoV-2, embora os autores tenham atribuído isso a imperfeições do teste e apresentação em momentos diferentes durante o curso da doença.

___________________________

O estudo original foi publicado no JAMA Dermatology

* “Mucocutaneous Manifestations of Multisystem Inflammatory Syndrome in Children During the COVID-19 Pandemic” – 2020

Autores do estudo: Trevor K. Young, Katharina S. Shaw, Jinal K. Shah, Asif Noor, Risa A. Alperin, Adam J. Ratner, Seth J. Orlow, Rebecca A. Betensky, Gail F. Shust, Philip J. Kahn, Vikash S. Oza – 10.1001/jamadermatol.2020.4779

4Medic

4Medic

As informações publicadas no site são elaboradas por redatores terceirizados não profissionais da saúde. Este site se compromete a publicar informações de fontes segura. Todos os artigos são baseados em artigos científicos, devidamente embasados.